Arquidiocese do Rio de Janeiro

37º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 17/12/2018

17 de Dezembro de 2018

Arquidiocese participa de congresso internacional de música sacra no Vaticano

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

17 de Dezembro de 2018

Arquidiocese participa de congresso internacional de música sacra no Vaticano

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

07/03/2017 12:01 - Atualizado em 09/03/2017 10:04
Por: Flávia Muniz e Rádio Vaticano

Arquidiocese participa de congresso internacional de música sacra no Vaticano 0

temp_titleDelegao_RJ_Msica_catlica_07032017115920Na manhã de sábado, dia 4 de março, o Pontífice recebeu no Vaticano cerca de 400 participantes de um congresso internacional, organizado pelo Pontifício Conselho da Cultura e a Congregação para a Educação Católica, no Centro Congressi Augustinianum, em Roma. O evento "Música e Igreja: culto e cultura aos 50 anos da Instrução Musicam Sacram" também teve a parceria do Pontifício Ateneu Santo Anselmo, o Pontifício Instituto Litúrgico e o Pontifício Instituto de Música Sacra, tradicionais instituições de formação acadêmica na Europa. O encontro promoveu um profícuo diálogo e reflexão sobre a música sacra e seus aspectos culturais na contemporaneidade.

A Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro esteve representada com a presença do músico Padre Omar Raposo, a cantora Olívia Ferreira, o pianista e compositor João Isaac Marques e o produtor de corais Marcello Bigatello.

O objetivo do congresso foi aprofundar, do ponto de vista interdisciplinar e ecumênico, a relação atual entre a música sacra e a cultura contemporânea; entre o repertório usado pela comunidade cristã e as atuais tendências musicais. Foi analisada ainda a formação estética e musical do clero e dos leigos engajados na vida pastoral.

O discurso do Papa ao grupo

Discursando ao grupo, o Papa Francisco lembrou que o primeiro documento elaborado pelo Concílio Vaticano II foi precisamente a Constituição sobre a liturgia Sacrosanctum Concilium. As Instruções nela contidas são ainda hoje atuais, principalmente a sua premissa: "A ação litúrgica tem uma forma mais nobre se celebrada em canto e com a participação dos fiéis". 

Várias vezes, o Documento evidencia a importância da 'teofania' que se realiza em toda celebração eucarística em que o Senhor se manifesta em meio a seu povo, chamado a participar realmente da salvação atuada por Cristo, morto e ressuscitado.

"A participação ativa e consciente consiste em saber penetrar profundamente neste mistério, em saber contemplar, adorar e acolher; em sentir o seu significado, graças especialmente ao religioso silêncio e à 'musicalidade da linguagem com que o Senhor nos fala'".

Para o Papa, o desafio da Igreja neste campo é salvaguardar e valorizar o patrimônio herdado do passado utilizando-o com equilíbrio no presente e evitando o risco de uma visão 'nostálgica ou arqueológica'.

A inculturação na atualidade

"A música sacra e o canto litúrgico devem ser plenamente inculturados nas linguagens artísticas e musicais da atualidade, encarnando e traduzindo a Palavra de Deus em cantos, sons e harmonias que façam vibrar o coração de nossos contemporâneos, criando um oportuno clima emotivo, que disponha à fé e suscite o acolhimento e a plena participação no mistério que se celebra".

O encontro com o presente

O Pontífice advertiu os participantes para uma certa mediocridade, superficialidade e banalidade em detrimento da beleza e da intensidade das celebrações, devido ao encontro com a modernidade e a introdução das línguas faladas na Liturgia.

Neste sentido, segundo ele, músicos e compositores, diretores e coristas, animadores de liturgia, podem contribuir preciosamente com a renovação, principalmente qualitativa, da música sacra e do canto litúrgico. Para favorecer este percurso, é preciso promover uma adequada formação musical, inclusive dos sacerdotes, no diálogo com as correntes musicais dos nossos tempos e com atitude ecumênica.

Concluindo o discurso, Francisco afirmou que "a música sacra e o canto litúrgico têm o dever de nos oferecer o sentido da glória de Deus, de sua beleza e de sua santidade que nos envolve como uma 'nuvem luminosa'".

Foto: divulgação

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.