Arquidiocese do Rio de Janeiro

32º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 20/11/2017

20 de Novembro de 2017

Igreja perde fiéis. Como manter vivas as comunidades?

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

20 de Novembro de 2017

Igreja perde fiéis. Como manter vivas as comunidades?

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

16/02/2017 11:55 - Atualizado em 16/02/2017 11:55
Por: Rádio Vaticano

Igreja perde fiéis. Como manter vivas as comunidades? 0

temp_titleAFP_16022017115259Como ‘fazer Igreja’ aonde não existe clero suficiente? Como manter vivas e animadas as comunidades nas quais a Eucaristia é uma raridade, aonde padres passam raramente para celebrar uma missa? Serão estas algumas das razões pelas quais os brasileiros estão se tornando cada vez menos católicos e menos religiosos? O que a Igreja pode fazer neste sentido? Como a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil enfrenta esta questão? Quem responde é Dom Leonardo Steiner, Secretário-geral da entidade.

Ouça a reportagem na íntegra.

"Existem algumas dificuldades internas nossas da Igreja que precisamos rever e estamos revendo. Temos feito discussões muito maduras, muito livres, e temos dado passos. Por exemplo: nós refletimos sobre a vida das comunidades. Comunidade de comunidades, uma nova paróquia. Nós refletimos sobre a missão do leigo na Igreja. São passos que a nossa Conferência está dando. Levando em consideração, naturalmente – não digo as pesquisas – mas o fenômeno de que muitas pessoas têm saído, têm deixado a Igreja Católica, assim como muitas pessoas retornam hoje à Igreja católica. Nós precisamos ser mais missionários: o Papa nos tem incentivado a isso, mas talvez tenhamos que achar maneiras de ser mais presentes nas periferias e com uma presença melhor nas nossas universidades, no meio intelectual. E nos interiores, termos a ousadia de ter em cada comunidade uma boa liderança, uma liderança ‘oficial’; quer dizer, o bispo designa alguém, designa duas pessoas para animar a comunidade, para – digamos assim – celebrar com a comunidade. Então, a comunidade sente que existe alguém que em nome do bispo, em nome da Igreja, está aí, nos anima, celebra conosco e também nos ajuda a enfrentar as dificuldades, os problemas, as discussões, os distanciamentos, a misericórdia. Creio que falta um pouco, ou bastante, este elemento. E nós temos discutido isso".

"Existe aí uma ou outra iniciativa interessante em nossas dioceses de tentar ter estas lideranças. Nós estamos discutindo, por exemplo, o ministério da Palavra. O Papa tem nos incentivado a discutir isso. Ou seja, aquele homem, ou aquela mulher, que na comunidade recebe do bispo o ministério da Palavra, não apenas para celebrá-la, mas para levá-la, porque a Palavra é vital na vida da Igreja. Ninguém recebe a Eucaristia antes da Palavra; ela sempre vem antes. Mesmo na celebração da Eucaristia, a Palavra antecede ao pão: o pão sagrado é sagrado pela Palavra – diz Santo Tomás".

"Estas lideranças, leigas, não são ministérios ordenados, não se trata, portanto, de diáconos permanentes. Aonde existe a possibilidade, por que não? Seria muito bom que fosse, mas não necessariamente a comunidade precisa ser animada por um ministério. O padre vai passar lá, para celebrar a Eucaristia, mas alguém da comunidade precisa estar lá, como um elo de comunhão da própria comunidade”.

“Vou contar um pequeno exemplo: Em São Félix do Araguaia, eu encontrei uma comunidade que por 8 anos não foi visitada e por 8 anos não teve Eucaristia. Eles telefonaram, perguntando se o padre da região que tinha começado o ministério lá pudesse ir visitar... eu disse ‘olha, dentro de 15 dias eu vou para aquela região e vou visitá-los’. Eu cheguei lá e encontrei uma comunidade viva, uma comunidade que se reunia, que celebrava; eles discutiam suas dificuldades, mas por que? Lá eles tinham duas mulheres, uma professora da comunidade que todo domingo que reunia a comunidade, rezavam o terço e ouviam a Palavra de Deus. Quer dizer, esta liderança leiga conseguiu manter viva uma comunidade”.

"Existem várias tentativas, várias reflexões e é claro, nós, como Igreja, vamos refletindo, damos passos e buscamos. Creio que nós no Brasil temos dado passos mas ainda teremos que refletir em maior profundidade para enfrentar o fenômeno (do afastamento dos católicos da Igreja)".

Foto: AFP

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.