Arquidiocese do Rio de Janeiro

32º 19º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 28/03/2017

28 de Março de 2017

Papa: "Mãos e corações de todos para reconstruir"

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

28 de Março de 2017

Papa: "Mãos e corações de todos para reconstruir"

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

05/01/2017 12:31 - Atualizado em 05/01/2017 12:31
Por: Rádio Vaticano

Papa: "Mãos e corações de todos para reconstruir" 0

temp_titleAFP2_05012017122935

Depois de visitar em outubro passado a localidade de Amatrice, uma das áreas afetadas pelo sismo no centro de Itália, nesta quinta-feira, 5 de janeiro, o Papa Francisco recebeu as vítimas e suas famílias no Vaticano.

Sala Paulo VI lotada, clima de emoção

Participaram do encontro na Sala Paulo VI cerca de 5.000 pessoas atingidas pelos terremotos ocorridos de agosto de 2016 a janeiro, no centro da Itália. “A audiência – como explica o arcebispo de Spoleto-Norcia, Dom Renato Boccardo – foi dedicada especialmente aos que perderam parentes, casas, terras e segurança econômica: pessoas que foram de certo modo feridas pelo sismo e carecem de consolo e esperança”.  

Os 800 participantes chegaram ao Vaticano em 14 ônibus, já de manhã cedo. O pároco de Abbazia di S. Eutizio in Preci, Pe. Luciano Avenati, saudou o Pontífice em nome de toda a delegação.

“Vítimas do terremoto no corpo, mas não na alma”, disse o padre, apresentando o grupo. “Não temos mais casas, mas tivemos muitas reconciliações nos últimos meses. Redescobrimos ser uma grande família”.

Reconstruir, mãos e ferida

discurso do Papa, feito espontaneamente, teve três palavras-chave: “reconstruir”, não só as casas, mas também os corações; “mãos”, como as que removeram os escombros e as que, como as de Deus, que reconstroem; e “feridas”, que se curam, mas que deixam cicatrizes.

“Na situação de vocês, o pior que eu poderia fazer é um sermão!”, começou Francisco, explicando sua decisão de não proferir o discurso preparado para o encontro. Ao contrário, preferiu comentar as palavras mencionadas nos testemunhos que acabara de ouvir, detendo-se especialmente no termo “ferida”.

“Cada um sofreu alguma coisa, alguns perderam tanto: casa, filhos, pais... O silêncio, o carinho e a ternura do coração nos ajudam a não ferir e fazem milagres na hora da dor!”, disse o Pontífice, lembrando o discurso feito pelo pároco.

“Houve reconciliações, foram deixados de lado rancores e nos reencontramos juntos, numa nova situação... com beijos, abraços e ajuda recíproca... e também com o pranto. Chorar só faz bem; nos expressamos diante de nós e de Deus, mas chorar juntos é melhor. E nós choramos juntos. Estas coisas me vieram no coração quando li e ouvi os seus testemunhos”, revelou o Papa.

O agradecimento e o reconhecimento pelo bom exemplo

Em seguida, Francisco se dirigiu aos presentes afirmando: “Vocês sabem que eu lhes sou próximo. Quando soube do que tinha acontecido naquela manhã, (24 de agosto) e recém-acordado, encontrei um bilhete que me informava dos dois tremores, eu senti duas coisas: a primeira foi ‘tenho que ir lá’ e a segunda foi ‘a dor’. Senti dor, muita dor, e com este sentimento, fui celebrar a missa da manhã. Obrigado por sua presença aqui hoje e em algumas audiências nos últimos meses. Obrigado por tudo o que fizeram com o seu exemplo para construir, reconstruir os corações, as casas e o tecido social

Papa batizará bebês das áreas do terremoto

No próximo dia 14 de janeiro, o Papa Francisco batizará oito bebês nascidos em Amatrice e Accumoli, cidades do centro da Itália devastadas pelo terremoto de 24 de agosto.

O anúncio foi feito por Dom Domenico Pompili, bispo de Rieti, diocese em que se encontram os dois municípios. A cerimônia será à tarde, na Casa Santa Marta, residência do Pontífice no Vaticano. A ideia amadureceu durante a visita do Papa a Amatrice, em 4 de outubro passado. Enquanto cumprimentava a população, uma senhora lhe apresentou o seu bebê para ser abençoado e disse que seu maior sonho era que o Papa o batizasse. 

Foto: AFP

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.