Arquidiocese do Rio de Janeiro

31º 17º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 28/05/2017

28 de Maio de 2017

Nos cinemas o filme ‘Marias, a fé no feminino’

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

28 de Maio de 2017

Nos cinemas o filme ‘Marias, a fé no feminino’

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

18/11/2016 16:00 - Atualizado em 18/11/2016 16:00
Por: Redação

Nos cinemas o filme ‘Marias, a fé no feminino’ 0

temp_titleFilme_Marias_07112016125008

O filme “Marias – a fé no feminino” está em cartaz nos cinemas desde o dia 17 de novembro em todo o país, e com isso celebra o Ano Mariano, que começou em 12 de outubro, e marca os 300 anos da descoberta da imagem de Nossa Senhora Aparecida, que serão completados em 2017 e comemorados em outubro próximo com a vinda do Papa Francisco a Aparecida do Norte, em São Paulo.

Com direção de Joana Mariani, o filme teve sua realização iniciada quando a diretora pensava em retratar a fé e a devoção à Maria na América Latina. Ela investigou a importância de Nossa Senhora nas mais diferentes culturas, percorreu as festas marianas realizadas no Brasil, Peru, Nicarágua, Cuba e México e conversou com personagens que carregam Maria na vida e no nome. A diretora descobriu que a força de Maria está arraigada nos valores femininos. “Nossa Senhora é adorada em toda a América Latina porque representa estes valores: o acolhimento, a compreensão, o cuidado, a crença. Em tempos de agressividade, os braços sempre abertos de Maria trazem alento”, explicou Joana Mariani.

Rodado entre 2009 e 2013 em viagens pelo Brasil, Peru, Nicarágua, Cuba e México, o filme, com produção da Primo Filmes e da Mar Filmes e distribuição da Vitrine Filmes, traz também o retrato da identidade dos países, que uniram suas raízes locais às influências dos colonizadores europeus e dos escravos africanos, em um sincretismo não só religioso, mas também cultural e social.

Segundo Joana Mariani, todas as mulheres que se chamam Maria são convidadas nos cinemas da rede Cinespaço a assistir o filme gratuitamente até o dia 23 de novembro, mas deverá apresentar a carteira de identidade na bilheteria. Mas quem quiser assistir ao filme e não se chama Maria, em todas as paróquias do Rio de Janeiro e do Brasil há santinhos que valem meia-entrada para o filme. É só pedir ao pároco. Já os grupos que quiserem o santinho em maior quantidade, basta entrar em contato pelo facebook.com/mariasofilme e enviar uma mensagem inbox. 


Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.