Arquidiocese do Rio de Janeiro

30º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 23/05/2019

23 de Maio de 2019

Na audiência, o Papa explica o 'primeiro milagre de Jesus'

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

23 de Maio de 2019

Na audiência, o Papa explica o 'primeiro milagre de Jesus'

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

08/06/2016 15:51 - Atualizado em 08/06/2016 15:51
Por: Rádio Vaticano

Na audiência, o Papa explica o 'primeiro milagre de Jesus' 0

Cerca de 20 mil pessoas participaram da Audiência geral do Papa Francisco, no Vaticano.

Logo no início do encontro, o Pontífice convidou alguns meninos a subir no papamóvel para a tradicional volta na Praça São Pedro.

Saudando os fiéis e peregrinos, Francisco cumprimentou de modo especial um grupo de casais que completa 50 anos de casamento, dizendo-lhes que “são um testemunho exemplar para os jovens”.

“Vocês são o vinho bom da família!”, exclamou.

Os sinais eloquentes da glória de Jesus

Depois de ter comentado, nas últimas audiências, algumas parábolas sobre a misericórdia na Bíblia, nesta quarta-feira, 8 de junho, Papa Francisco dedicou sua catequese ao primeiro milagre de Jesus, o primeiro dos ‘sinais’ prodigiosos da Sua glória.

Narra o Evangelista João que Jesus estava com seus discípulos em um casamento em Caná da Galileia. Naquela ocasião, Ele se manifesta como o esposo do povo de Deus e nos revela a profundidade da relação que nos une a Ele: a Aliança do amor.

A Igreja, família de Deus, que doa amor a todos

“A vida cristã – acrescentou Francisco – é a resposta a este amor, é como a estória de dois apaixonados, Deus e o homem, que se encontram, se celebram e se amam, exatamente como o amado e a amada do Cântico dos Cânticos, no Antigo Testamento. A Igreja é a família de Jesus, é aonde ele deposita o seu amor; o amor que a Igreja custodia e quer doar a todos”.

No banquete nupcial de Caná, Maria observou que faltava o vinho, sem o qual, a festa não teria alegria nem abundância.

Casamento com chá seria 'uma vergonha'

“Imaginem – disse o Papa, improvisando – se a festa terminasse com um chá. Seria uma vergonha... O vinho era necessário”.

Jesus, transformando em vinho a água das ânforas, que era utilizada ‘para a purificação dos judeus’, realiza outro sinal eloquente: transforma a Lei de Moisés em Evangelho, portador da alegria.

Obedecer e servir o Senhor

O Papa ressaltou também a frase de Maria aos servidores: “Façam tudo o que Ele lhes disser”. Segundo o Pontífice, estas últimas palavras contidas no Evangelho representam a herança que Ele deixa a todos nós. E de fato, quando Jesus disse “Encham as ânforas de água e levem-nas ao encarregado da festa”, todos o obedecem.

“Servir o Senhor significa ouvir e colocar em prática a sua Palavra. A recomendação simples, mas essencial da Mãe de Jesus, é o programa de vida do cristão. Para cada um de nós, beber daquela ânfora equivale a confiar-se a Deus e experimentar a sua eficácia na vida”.

Há sempre o vinho bom para a salvação

Completando, o Papa disse que assim como naquela ocasião Jesus guardou o vinho bom para o fim do banquete, o Senhor continua a reservar o vinho bom para a nossa salvação.   

“As Núpcias de Caná são muito mais do que o simples relato do primeiro milagre de Jesus. Em Caná, Jesus une os seus discípulos a si com uma Aliança, nova e definitiva; eles se tornam a sua família e ali nasce a fé da Igreja. Todos nós estamos convidados para aquelas Núpcias, porque o vinho novo nunca falta!”, conclui Francisco.


Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.