Arquidiocese do Rio de Janeiro

36º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 13/12/2018

13 de Dezembro de 2018

Situação política na América Latina preocupa Francisco

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

13 de Dezembro de 2018

Situação política na América Latina preocupa Francisco

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

19/05/2016 14:18 - Atualizado em 19/05/2016 14:31
Por: Rádio Vaticano

Situação política na América Latina preocupa Francisco 0

Situação política na América Latina preocupa Francisco / Arqrio

O Papa recebeu na manhã de quinta-feira, 19 de maio, a presidência do Conselho Episcopal Latino-americano (CELAM). O segundo vice-presidente é o Arcebispo de São Luís (Maranhão), Dom José Belisário da Silva. Depois da audiência, Dom Belisário falou dos temas em pauta com Francisco:

>> Clique e ouça a entrevista

“Conversamos especialmente sobre o trabalho do CELAM. Falamos sobre o acolhimento da última Exortação Apostólica, com a preocupação que o CELAM tem com a questão da família. Estamos planejando um encontro em Quito, proximamente, que vai refletir exatamente sobre toda esta questão da pastoral familiar. Esse foi um dos assuntos que ocupou bastante o nosso tempo. Mas também falamos sobre toda a situação da América Latina, onde há mudanças com uma tendência a uma retomada de políticas mais liberais.”

Rádio Vaticano: O Papa Francisco perguntou sobre a situação no Brasil?

“Perguntou, e ele realmente manifestou uma preocupação com a situação do Brasil. Eu pessoalmente falei a ele que a nossa esperança é que esta fase seja superada e falei também sobre a CNBB, que nós estamos produzindo alguns pequenos textos de estudos importantes, com assessoria muito competente, sobre o que nós devemos pensar do Brasil, como pensar o Brasil. E uma das conclusões às quais nós chegamos é que nós precisamos urgentemente de uma reforma eleitoral profunda, porque da maneira que estamos agora, não temos capacidade eleitoral de superar essas grandes questões. Temos que discutir toda a questão das campanhas eleitorais, da escolha dos nossos dirigentes e também sobre a maneira como se exerce o poder no Brasil.”

Imagem: AP

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.