Arquidiocese do Rio de Janeiro

25º 21º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 21/08/2018

21 de Agosto de 2018

Papa não descarta Comissão para estudar diaconato feminino

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

21 de Agosto de 2018

Papa não descarta Comissão para estudar diaconato feminino

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

12/05/2016 15:03 - Atualizado em 12/05/2016 15:03
Por: Rádio Vaticano

Papa não descarta Comissão para estudar diaconato feminino 0

Papa não descarta Comissão para estudar diaconato feminino / Arqrio

Uma Comissão que estude a questão do diaconato às mulheres e mais clareza sobre os motivos pelos quais as consagradas não podem proferir a homilia durante a Missa.

São duas das muitas e delicadas questões que o Papa respondeu ao receber em audiência as religiosas da União das Superioras maiores (Uisg) na manhã desta quinta-feira, 12 de maio, na Sala Paulo VI.

No longo diálogo improvisado, o Papa convidou todas as consagradas a evitar os riscos do “feminismo” e da “servidão” na Igreja, ao invés do “serviço”.

Não é de hoje que o Magistério do Papa Francisco celebra o “gênio feminino” na Igreja. E elas pedem ao Papa para ter mais expressão. Foram diversas as perguntas, divididas em quatro partes: concretas, diretas, no estilo de Francisco. Questões que as consagradas do mundo inteiro advertem ser urgentes e para as quais pedem respostas claras.

Primeira pergunta: a presença das mulheres nos processos decisórios da Igreja. Francisco concorda com um aumento das responsabilidades em vários níveis por parte de personalidades femininas, sim, mas nos casos em que a jurisdição não esteja ligada à ordem sacra. Isto por que – destaca – o olhar de uma mulher pode contribuir para o enriquecimento de uma decisão: seja na fase de elaboração, seja na de execução.

Diaconato permanente às mulheres

Ao destacar que elas já são protagonistas no serviço aos pobres e doentes, na catequese e em muitos outros ministérios eclesiais, as consagradas apresentam a questão da abertura do diaconato permanente às mulheres, com referência à Igreja primitiva.

O Papa recordou que o antigo papel das diaconisas ainda hoje não é muito claro, e se disse disponível a criar uma Comissão para estudar a questão.

Mulheres e homilia

As religiosas também perguntaram ao Papa sobre a possibilidade de proferir a homilia durante a Missa. O Papa distinguiu entre a pregação durante uma Liturgia da Palavra – que pode ser feita sem dificuldade por uma mulher, consagrada ou leiga – da Liturgia eucarística, na qual a homilia é ligada à presidência da celebração, que é própria do sacerdote.

Além disso, Francisco exorta a vigiar diante de duas tentações: aquela do feminismo – porque a mulher vive na Igreja com a alta dignidade que vem do Batismo – e aquela, por tantas vezes estigmatizada pelo clericalismo, que se percebe quando os sacerdotes pretendem guiar sozinhos as próprias paróquias, sem estimular a sinodalidade e a colaboração, respaldados por leigos que, por comodidade, deixam-se “clericalizar”.

Presença onde for decidido

Ao falar de uma melhor inserção das consagradas na vida da Igreja, o Papa auspicia que estejam presentes nas assembleias do dicastério dos religiosos e nas assembleias em que se debatem questões pertinentes a elas.

Serviço não servidão

Francisco apreciou ainda a maternidade que as religiosas e as consagradas exprimem no cuidado das várias formas de marginalização. 

O Papa também critica a distorção a que, em alguns casos, é submetido o serviço realizado pelas irmãs. Como, por exemplo, quando a presença delas é dedicada à cura não das almas, mas exclusivamente ao serviço servil de uma canônica.

O Código pode ser mudado

Em uma nova parte, as perguntas colocaram em destaque o trabalho de reforma em curso em muitas Congregações e Institutos e de possíveis dificuldades de natureza canônica. O Papa se disse inclinado à possibilidade de promover pequenas mudanças na lei da Igreja, desde que – fez questão de afirmar – isso seja sempre o resultado de um discernimento profundo por parte das autoridades competentes.

O difícil “para sempre”

Uma pergunta colocou em pratos limpos o sentido do provisório que acomete muitos jovens diante de um compromisso para a vida. Francisco concordou, indicando o que afirmara na Exortação Amoris Laetitia e dando mais uma vez destaque ao problema da fraca preparação dos noivos ao matrimônio. Sobre a vida consagrada, o Papa recordou o exemplo de São Vicente de Paulo que, para um determinado serviço, preferiu o caminho dos votos temporários.

Carisma, dinheiro e pobreza

Severas as palavras com as quais Francisco se deteve sobre aquela espécie de “mercado” que, às vezes, se vê em ocasião do pedido de contribuição para a administração dos Sacramentos. O Papa solicitou à vida religiosa que custodie os valores da pobreza, que protege dos erros e derivas dos carismas, mesmo não subestimando a necessidade de cuidar bem da administração dos bens.

Místicas não quer dizer “múmias”

Uma das últimas perguntas se concentrou sobre o rótulo de “ativistas sociais” atribuído a tantas religiosas enquanto realizam seu serviço entre os mais pobres. Certamente, cada consagrada – afirmou o Papa  – deve ter uma vida mística, mas isso não quer dizer ser uma “múmia”. Se o carisma pede serviço, é preciso fazê-lo, apesar do risco das más línguas e das calúnias.

Repouso

Por fim, o Papa convidou as consagradas a dar o justo espaço ao repouso e a não deixar de consultar as irmãs idosas ou aquelas doentes: com a sua experiência e sabedoria, elas são a memória do Instituto. 

Foto: Observatório Romano

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.