Arquidiocese do Rio de Janeiro

26º 21º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 20/10/2018

20 de Outubro de 2018

JMJ: difusão de valores morais e da paz

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

20 de Outubro de 2018

JMJ: difusão de valores morais e da paz

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

10/05/2016 10:22 - Atualizado em 10/05/2016 10:22
Por: Rádio Vaticano

JMJ: difusão de valores morais e da paz 0

O Arcebispo de Cracóvia, Cardeal Stanisław Dziwisz, espera que a Jornada Mundial da Juventude de Cracóvia, em 2016, “sirva para difundir os valores morais e de paz, em um mundo dividido”.

O Cardeal convida todos os jovens que estão abertos aos valores da JMJ, a peregrinarem à Cracóvia, sejam cristão ou não. “Estamos esperando uma grande quantidade de jovens e, num tempo em que o mundo está dividido e a paz em perigo, queremos criar com os eles um espaço de solidariedade”.

Dom Dziwisz exorta os jovens a visitarem a Polônia, “um país seguro e muito hospitaleiro”, ressaltando que Cracóvia oferece não somente uma oportunidade de oração, mas também de cultura e história, pois é uma das cidades mais antigas da Polônia”. “Cracóvia não é uma cidade santa, porém é um lugar de muitos santos, como João Paulo II”, observou o Cardeal. Com o exemplo do mistério de Santa Faustina Kowalska, “a quem foi revelado que de Cracóvia sairia a centelha que preparará o mundo para sua segunda vinda”, o Cardeal - que foi Secretário pessoal de João Paulo II – espera que os jovens levem esta centenha, que leva a paz. Espera igualmente que os presentes, a imprensa, incluída, transmitam a divina misericórdia.

Esta JMJ é especialmente significativa, por realizar-se 25 anos após a que teve lugar em Częstochowa, em 14 e 15 de agosto de 1991. O Arcebispo de Cracóvia espera que o evento possa contribuir para criar uma nova maneira de pensar os problemas atuais, como os refugiados e a guerra no Oriente Médio.

O Cardeal de Cracóvia recorda como João Paulo II redescobriu os mistérios da Virgem de Fátima, pedindo aos bispos que consagrassem a Rússia ao Imaculado Coração de Maria, o que coincidiu com as mudanças que levaram à queda da Cortina de Gerro. Para a JMJ de 1991, Wojtyla pediu ajuda aos jovens do leste e 200 mil jovens puderam participar, sendo o primeiro momento em que jovens do leste e do oeste se encontraram, o que representou uma abertura á liberdade.

“A Igreja da Polônia não está em crise, porém existem diferenças entre o norte e o sul do país”, responde o Cardeal, ao ser interpelado sobre as diferenças da fé católica, onde no sul do país cerca de 80% dos habitantes participam da missa, contrastando com a média nacional de 35%. Dziwisz afirma que a JMJ não é uma renovação da fé, mas supõe “um novo despertar” para os jovens europeus e em especial um despertar dos valores morais.

“A Polônia está defendendo os valores cristãos, as raízes cristãs da Europa. Se cortamos as raízes, a árvore more”, disse o Cardeal de Cracóvia, diante das críticas de que a Polônia é alvo pela sua política considerada conservadora. “A Polônia é independente, é um país dentro da União Europeia, sim, porém é um país soberano e libre para tomar suas proprias decisões”, conclui o Cardeal Stanisław Dziwisz.

temp_titlejmj_cracovia_2016_10052016102202

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.