Arquidiocese do Rio de Janeiro

33º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 23/05/2019

23 de Maio de 2019

Ecumenismo é tema da última pregação de Quaresma

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

23 de Maio de 2019

Ecumenismo é tema da última pregação de Quaresma

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

18/03/2016 12:40 - Atualizado em 18/03/2016 12:41
Por: Rádio Vaticano

Ecumenismo é tema da última pregação de Quaresma 0

Ecumenismo é tema da última pregação de Quaresma / Arqrio

O Papa Francisco participou na manhã desta sexta-feira, 18 de março, da quinta e última pregação de Quaresma feita pelo Frei Raniero Cantalamessa, OFM Cap.

O Pregador da Casa Pontifícia dedicou sua reflexão à unidade dos cristãos, comentando o decreto sobre o ecumenismo do Concílio Vaticano II, Unitatis Redintegratio.

“Cinquenta anos de caminho e progresso no ecumenismo estão demonstrando as potencialidades contidas naquele texto”, disse o frade capuchinho.

As realizações ou frutos deste documento foram de dois tipos, explicou Fr. Cantalamessa. “No âmbito doutrinal e institucional, foi constituído o Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos; foram também lançados diálogos bilaterais com quase todas as confissões cristãs, a fim de promover um melhor conhecimento mútuo, um debate de posições e a superação dos preconceitos.”

Reconciliação

Com este ecumenismo oficial e doutrinal, desenvolveu-se desde o início um ecumenismo do encontro e da reconciliação dos corações.

Neste âmbito, o frade capuchinho destacou alguns encontros célebres que marcaram o caminho ecumênico nestes 50 anos: o de Paulo VI com o patriarca Atenágoras, os inúmeros encontros de João Paulo II e de Bento XVI com os líderes de diferentes igrejas cristãs, do Papa Francisco com o patriarca Bartolomeu em 2014 e, mais recentemente, com o Patriarca de Moscou, Kirill, em Cuba, que abriu um novo horizonte para o caminho ecumênico.

“O fato extraordinário sobre esse caminho para a unidade baseado no amor é que ele já está escancarado diante de nós”, finalizou Fr. Cantalamessa. “Não podemos ‘queimar etapas’ no tocante à doutrina, porque as diferenças existem e devem ser resolvidas com paciência nas instâncias apropriadas. Podemos, porém, ‘queimar etapas’ na caridade e ser totalmente unidos desde já. O sinal verdadeiro e certo da vinda do Espírito não é, como escreve Santo Agostinho, o falar em línguas, mas o amor pela unidade.”

Foto: AFP

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.