Arquidiocese do Rio de Janeiro

25º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 23/10/2018

23 de Outubro de 2018

Beata Nhá Chica

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

23 de Outubro de 2018

Beata Nhá Chica

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

06/05/2013 16:09
Por: Canção Nova, com CNBB

Beata Nhá Chica 0

Beata Nhá Chica / Arqrio

Após anos de espera, os católicos de Minas Gerais e de todo o Brasil puderam então celebrar a Missa e o rito de beatificação de Francisca de Paula de Jesus, conhecida popularmente como Nhá Chica. A Celebração Eucarística aconteceu na cidade onde viveu a beata, em Baependi, sul de Minas Gerais, no último sábado, 4. Presidiu a solenidade o Cardeal Angelo Amato, Prefeito da Congregação para a Causa dos Santos e Delegado do Papa Francisco para esta beatificação. 

De acordo com a organização, cerca de 50 mil pessoas participaram da cerimônia, entre elas, muitos bispos, padres, religiosos e religiosas. O presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Raymundo Damasceno, também esteve presente, assim como, o Governador de Minas Gerais, Antônio Anastasia.

Durante os ritos iniciais da celebração, o Bispo da Diocese de Campanha (MG), Dom Frei Diamantino Prata de Carvalho, OFM, elevou a Deus louvores pela vida de Nhá Chica, reforçando que a santidade é a vocação principal de todos os cristãos. Em seguida, o bispo dirigiu-se ao Cardeal Amato recordando o pedido da Igreja local feito ao Santo Padre para a beatificação de Nhá Chica.   

Dom Diamantino descreveu resumidamente a vida de Francisca, destacando a sua disposição em ajudar os que iam a ela e a sua devoção a Nossa Senhora. “Sou uma pobre analfabeta, mas oro com fé e Deus que me atende por intercessão de Sua Mãe, Nossa Senhora da Conceição”, disse Dom Diamantino, recordando uma frase de Nhá Chica.

Após ouvi-lo, o Cardeal Angelo Amato dirigiu-se ao bispo, como prevê o rito de beatificação, e fez a leitura da carta enviada pelo Sumo Pontífice, o Papa Francisco, concedendo a Nhá Chica o título de beata. 

“Acolhendo o desejo do nosso Irmão Dom Frei Diamantino Prata de Carvalho, OFM, assim como de muitos outros irmãos no episcopado e de numerosos fiéis, tendo consultado a Congregação para as Causas dos Santos, declaramos por nossa autoridade apostólica que a Venerável Serva de Deus, Francisca de Paula de Jesus, leiga, virgem, mulher de assídua oração, perspicaz testemunha da Misericórdia de Cristo para com os necessitados do corpo e do espírito, doravante seja chamada beata, e a sua festa seja celebrada, nos lugares e da maneira estabelecida pelo direito, todos os anos no dia 14 de junho”, dizia o texto escrito pelo Papa Francisco. 

Lida a carta de beatificação, o povo presente aclamou a nova beata brasileira, Francisca de Paula de Jesus, Nhá Chica. Ana Lúcia Meirelles, miraculada desta beatificação, levou emocionada, ao altar, as relíquias da nova beata. 

Na homilia, o Cardeal Amato destacou as virtudes de Nhá Chica, razões que deram a ela o título de beata. Para ele, Francisca viveu neste mundo uma vida angélica, foi uma cristã que seguiu a Cristo, vivendo com heroísmo as virtudes, o amor a Deus e aos pobres. 

— Testemunhas afirmam que ela rezava muito e que tinha sempre o Rosário nas mãos. Era adoradora do Santíssimo Sacramento e fiel contempladora da Paixão do Senhor; assídua à Missa, atenta à homilia do pároco; passava horas e horas em adoração diante do Tabernáculo. Fazia muitas penitências e mortificava-se. Era chamada 'mãe dos pobres', destacou Dom Amato.  

Hoje, Nhá Chica recebe a veneração de muitos fiéis, de todas as partes do Brasil. Mas, segundo o cardeal, ela não fica contente somente em ser venerada, mas deseja, sobretudo, ser imitada:

— Ela quer que sejamos como ela, verdadeiros discípulos de Jesus, seguindo e pondo em prática o Evangelho. Isto é o que todos nós devemos fazer. Também hoje a Igreja precisa de santos, estes são sua verdadeira coroa de glórias. 

O representante do Papa Francisco finalizou sua homilia convidando os fiéis a serem, como a beata Nhá Chica, o bom perfume de Cristo no mundo.

— A beatificação de Nhá Chica é uma lição de vida cristã para todos nós, conclui Dom Amato.


"Uno-me à alegria da Igreja no Brasil por esta luminosa discípula do Senhor"

Na conclusão da Santa Missa celebrada na manhã de domingo, 05 de maio, na Praça São Pedro, diante de milhares de fiéis membros de irmandades provenientes de todas as partes do mundo, Papa Francisco rezou a oração mariana do Regina Caeli. Na mensagem em língua portuguesa, o Santo Padre recordou a beatificação de Nhá Chica.

— Ontem, no Brasil, foi proclamada Beata Francisca de Paula de Jesus, conhecida como ‘Nhá Chica’. A sua vida simples foi toda dedicada a Deus e à caridade, tanto que era chamada a “mãe dos pobres”. Uno-me à alegria da Igreja no Brasil por esta luminosa discípula do Senhor. 


Nota Oficial da CNBB sobre a Beatificação de Nhá Chica

Brasília, 2 de maio de 2013

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, com toda a Igreja, louva e bendiz a Deus pela Beatificação de Francisca de Paula de Jesus, carinhosamente chamada pelo povo de Nhá Chica, neste sábado, 4 de maio de 2013, na cidade mineira de Baependi. O reconhecimento pela Igreja da santidade de Nhá Chica, passado pouco mais de cem anos de sua morte, confirma a importância de se colocar em relevo o exemplo de sua vida de fidelidade a Cristo e ao seu Evangelho.

A Beatificação de Nhá Chica é uma mensagem de extraordinário significado e importância para nossa Igreja. Filha e neta de escravos, analfabeta, órfã ainda criança, viveu no escondimento, na pobreza e na simplicidade. Devota de Nossa Senhora da Conceição, consagrou seu tempo e consumiu sua vida, como leiga que testemunha a fé, servindo às pessoas, especialmente na nobre tarefa de escutar e aconselhar. Seu cuidado com os mais pobres rendeu-lhe o belo título de “Mãe dos pobres”. Aos que lhe atribuíam favores especiais, respondia com a verdade de quem crê: “Isso acontece porque rezo com fé”.

A biografia de Nhá Chica revela sua vida de intimidade com Deus e nos estimula a buscar o ideal proposto por Cristo, como nos lembra São Paulo: “A vontade de Deus é esta: a vossa santificação” (1Ts 4,3). O testemunho de nossa mais nova Beata torna-se, portanto, convite irrecusável a viver intensamente o encontro com Jesus Cristo que “implica necessariamente amor, gratuidade, alteridade, unidade, eclesialidade, fidelidade, perdão e reconciliação” e leva cada discípulo-missionário a se tornar “fonte de paz, justiça, concórdia e solidariedade” (cf. DGAE, 16).

Saudamos e agradecemos à Diocese de Campanha e a todos que se dedicam à causa de canonização de Nhá Chica, bem como ao Prefeito da Congregação para a Causa dos Santos, Cardeal Angelo Amato, por presidir a cerimônia de beatificação desta Serva de Deus.

Que a Beata Nhá Chica alcance de Deus graças e bênçãos para todo o povo brasileiro e nos ensine a trilhar o caminho da santidade, vivendo na simplicidade e na pobreza evangélicas.


Raymundo Damasceno Assis
Cardeal arcebispo de Aparecida (SP)
Presidente

José Belisário da Silva
Arcebispo de São Luis (MA)
Vice-presidente

Leonardo Ulrich Steiner
Bispo auxiliar de Brasília (DF)
Secretário Geral

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.