Arquidiocese do Rio de Janeiro

28º 17º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 30/05/2017

30 de Maio de 2017

Santa Sé na COP21 pede controle transparente dos compromissos

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

30 de Maio de 2017

Santa Sé na COP21 pede controle transparente dos compromissos

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

01/12/2015 15:07 - Atualizado em 01/12/2015 15:07
Por: Rádio Vaticano

Santa Sé na COP21 pede controle transparente dos compromissos 0

Santa Sé na COP21 pede controle transparente dos compromissos / Arqrio

O Cardeal Pietro Parolin, Secretário de Estado, falou segunda-feira, dia 30 de novembro, em nome do Papa, na XXI Conferência dos Estados sobre o Clima, em curso em Paris. 

Diante de 195 Chefes de Estado ou seus representantes, o discurso do cardeal começou por lembrar os objetivos que o Pontífice aponta como prioritários para a Conferência: aliviar os impactos das mudanças climáticas, combater a pobreza e elevar a dignidade do ser humano. “Seria trágico se os interesses particulares prevalecessem sobre o bem comum e conseguissem manipular a informação”.

Um acordo global e transformador, segundo Francisco, deve se ancorar em três pilares: 

O primeiro é uma orientação ética clara. São as pessoas mais vulneráveis a sofrer as consequências das alterações do clima, sem ser as responsáveis por elas. Por isso, vale lembrar que somos uma só família humana e assim sendo, o Acordo deverá ser marcado pela solidariedade global e pela responsabilidade comum e diferenciada de cada um, segundo suas capacidades e condições.

O segundo pilar aponta que governos, autoridades, o mundo empresarial, a comunidade científica e a sociedade civil precisam começar a praticar uma economia com baixo conteúdo de carvão, apostando no desenvolvimento humano integral. Nesta perspectiva, os países mais ricos devem dar o bom exemplo, ajudando os mais pobres a desenvolver energias renováveis, a cuidar das florestas, bem administrar o transporte e os resíduos, atuar programas sustentáveis e diversificados de segurança alimentar, combate ao desperdício de alimentos, e outros.
 
O terceiro alicerce se refere à visão de futuro. A COP-21 é apenas uma etapa. O Acordo final precisa prever mecanismos de controle dos compromissos assumidos, transparentes, eficazes e dinâmicos, pede o Papa. E enfim, é necessário aplicar, nos campos da educação e da formação, modelos de produção e consumo sustentáveis, assimilando um novo estilo de vida e “longos processos de regeneração” (Laudato si’, n. 202).  

Foto: AFP

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.