Arquidiocese do Rio de Janeiro

33º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 18/11/2018

18 de Novembro de 2018

CNBB fala sobre rompimento de barragem e alerta para código de mineração

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

18 de Novembro de 2018

CNBB fala sobre rompimento de barragem e alerta para código de mineração

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

27/11/2015 15:24 - Atualizado em 27/11/2015 15:24
Por: Conferência Nacional dos Bispos do Brasil

CNBB fala sobre rompimento de barragem e alerta para código de mineração 0

CNBB fala sobre rompimento de barragem e alerta para código de mineração / Arqrio

Presentes na reunião do Conselho Episcopal Pastoral (Consep), os bispos que compõem a presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e os presidentes das Comissões Episcopais de Pastoral da entidade aprovaram uma nota sobre o rompimento da Barragem de Fundão, ocorrido no dia 5 de novembro, no subdistrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG). No texto, os bispos dizem que “a atividade mineradora no Brasil carece de um marco regulatório que tire do centro o lucro exorbitante das mineradoras ao preço do sacrifício humano e da depredação do meio ambiente com a consequente destruição da biodiversidade”.

A nota foi apresentada pelo bispo auxiliar de Brasília (DF) e secretário geral da CNBB, dom Leonardo Ulrich Steiner, em entrevista coletiva à imprensa. Perguntado sobre o papel da fé na reconstrução da vida das pessoas, dom Leonardo falou da ruptura da cultura local e das relações ali estabelecidas com os ambientes de celebração religiosa e nas casas, de onde as pessoas foram “arrancadas”. A partir daí, explicou como a vivência da fé pode “ajudar muito, não para minimizar o drama e a dor, mas para poder construir esperança”.

“O homem e a mulher da fé vislumbram mais do que o imediato. O homem e a mulher da fé conseguem caminhar mesmo em cima da lama e dos dejetos da mineradora. O homem e a mulher da fé, porque tem olhos para além do imediato, conseguem perceber uma possibilidade de reconstrução inclusive das suas próprias relações. Eu considero a fé muito importante, normalmente essas pessoas não são levadas ao desespero, mas têm alma, desejo, futuro”, disse dom Leonardo.

Lucro

Ao lembrar as considerações do papa Francisco na encíclica Laudato Si’ – sobre o cuidado da casa comum, os bispos afirmam ser preciso “colocar um limite ao lucro a todo custo que, muitas vezes, faz negligenciar medidas de segurança e proteção à vida das pessoas e do planeta”. A nota ainda destaca a necessidade de profunda reflexão sobre o desenvolvimento em curso no país.

Estado

Os bispos alertam, ainda, ser “dever moral do Estado fiscalizar a atividade mineradora e aplicar, com rigor, a lei, aperfeiçoando-a nos pontos em que se mostrar insuficiente ou falha”. Aos membros do Congresso Nacional é dada a indicação de que “cabe a responsabilidade ética de rever o projeto do novo Código de Mineração, em tramitação na Câmara dos Deputados, a fim de responder às exigências para uma mineração que leve em conta a preservação da vida em todas as suas dimensões”. “Os legisladores não podem se submeter ao poderio econômico das mineradoras”, diz o texto.

Para dom Leonardo Steiner, o novo código de mineração brasileiro deve levar em consideração o impacto ambiental que pode causar no local de exploração e os benefícios às comunidades ali residentes. "Esses são os dois elementos que a CNBB sempre insistiu, para que haja haver uma modificação no Código da Mineração. É claro que as mineradoras vão sempre forçar uma diminuição da exigência ambiental e do benefício que as comunidades teriam direito. Por exemplo, termina a mineração em um determinado lugar e não se criou nenhuma possiblidade de uma vida melhor para aquela população, não houve consequência de melhora de estilo de vida e a população, digamos assim, nem mesmo usufruiu do lucro das mineradoras", explica o bispo.

Consep

Durante a entrevista coletiva, dom Leonardo também apresentou as atividades do Conselho Episcopal Pastoral (Consep), que esteve reunido nos dias 24 e 25 de novembro para tratar do Plano Quadrienal da Conferência. Este plano possui os projetos das Comissões Episcopais de Pastoral para os próximos quatro anos e foi elaborado a partir das sugestões dos regionais da CNBB.

 

Íntegra da nota

Leia a nota da CNBB sobre o rompimento da barragem de fundão na íntegra:

 

NOTA DA CNBB SOBRE O ROMPIMENTO DA BARRAGEM DE FUNDÃO

P - Nº. 0863/15

 

        “Toda a criação, até o presente, está gemendo como que em dores de parto” (Rm 8,22)

 

O Conselho Episcopal Pastoral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, reunido em Brasília dias 24 e 25 de novembro de 2015, manifesta sua profunda solidariedade aos atingidos pelo rompimento da barragem de Fundão, de propriedade da Samarco Mineradora, no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana-MG. Com o mesmo sentimento expresso pela nota da Presidência da CNBB em solidariedade à Arquidiocese de Mariana, emitida no dia 11 de novembro, assistimos, atônitos e indignados, ao rastro de destruição e morte, consequência dessa tragédia, nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo, cujas causas devem ser rigorosamente apuradas e os responsáveis obrigados a reparar os danos causados.

As vidas dos trabalhadores e moradores tragadas pela lama, bem como a fauna e flora destruídas exigem profunda reflexão acerca do desenvolvimento em curso no país. É preciso colocar um limite ao lucro a todo custo que, muitas vezes, faz negligenciar medidas de segurança e proteção à vida das pessoas e do planeta. Com efeito, lembra-nos o Papa Francisco que “o princípio da maximização do lucro, que tende a isolar-se de todas as outras considerações, é uma distorção conceitual da economia” (Laudato Si, 195).

A atividade mineradora no Brasil carece de um marco regulatório que tire do centro o lucro exorbitante das mineradoras ao preço do sacrifício humano e da depredação do meio ambiente com a consequente destruição da biodiversidade. Urge recordar que “o meio ambiente é um bem coletivo, patrimônio de toda a humanidade e responsabilidade de todos” (Laudato Si, 95). Lamentavelmente, esta grave ocorrência nos faz perceber que este princípio não é levado em conta pelo atual desenvolvimento que tem o mercado e o consumo como principal finalidade.

As consequências do desastre ecológico são incalculáveis e os danos só serão reparáveis a longo prazo em toda a Bacia do Rio Doce. É dever moral do Estado fiscalizar a atividade mineradora e aplicar, com rigor, a lei, aperfeiçoando-a nos pontos em que se mostrar insuficiente ou falha. Aos parlamentares cabe a responsabilidade ética de rever o projeto do novo Código de Mineração, em tramitação na Câmara dos Deputados, a fim de responder às exigências para uma mineração que leve em conta a preservação da vida em todas as suas dimensões. Os legisladores não podem se submeter ao poderio econômico das mineradoras. A vida, o trabalho, a história e os sonhos que foram destruídos sejam motivos para que fatos como este não se repitam.  

O Deus de amor, que nos enche de esperança e força, ajude os atingidos nos caminhos de reconstrução da vida por meio da justiça que lhes restaure o que perderam. Nossa Senhora Aparecida, mãe atenta à aflição de seus filhos, interceda por todos junto a Jesus Cristo. 

                                                                                                             

                                                                                                                              Brasília, 25 de novembro de 2015 

                                                     

Dom Sergio da Rocha                            Dom Murilo S. R. Krieger

           Arcebispo de Brasília-DF                  Arcebispo de S. Salvador da Bahia-BA

Presidente da CNBB                              Vice-Presidente da CNBB

 

Dom Leonardo Ulrich Steiner

Bispo Auxiliar de Brasília-DF

Secretário-Geral da CNBB

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.