Arquidiocese do Rio de Janeiro

30º 15º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 27/05/2019

27 de Maio de 2019

Papa: superar comportamento que descarta quem não é eficiente

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

27 de Maio de 2019

Papa: superar comportamento que descarta quem não é eficiente

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

19/11/2015 15:26 - Atualizado em 19/11/2015 15:26
Por: Rádio Vaticano

Papa: superar comportamento que descarta quem não é eficiente 0

Papa: superar comportamento que descarta quem não é eficiente / Arqrio

O Papa Francisco recebeu em audiência, nesta quinta-feira, 19 de novembro, no Vaticano, os participantes da 30ª Conferência internacional promovida pelo Pontifício Conselho da Pastoral para os Agentes de Saúde sobre o tema “A cultura da saúde e do acolhimento a serviço do homem e do planeta”. O encontro teve início esta quinta-feira e prossegue até o próximo dia 21.

“Muitas são as questões que serão abordadas neste encontro anual, que marca os trinta anos de atividade do Pontifício Conselho da Pastoral para os Agentes de Saúde e coincide com o vigésimo aniversário de publicação da Carta encíclica Evangelium vitae de São João Paulo II”, disse Francisco.

“Na Evangelium vitae encontramos os elementos que compõem a cultura da saúde: acolhimento, compaixão, compreensão e perdão. São comportamentos habituais de Jesus em relação à multidão de pessoas carentes que se aproximava Dele todos os dias: doentes, pecadores, endemoniados, marginalizados, pobres e estrangeiros.”

“Esses comportamentos a encíclica chama de ‘exigências positivas’ do mandamento sobre a inviolabilidade da vida, que com Jesus se manifestam em toda a sua amplitude e profundidade, e que ainda hoje podem, aliás, devem marcar a Pastoral da Saúde”, frisou ainda o Papa.

“Esta proximidade ao outro – proximidade séria e não finta – até senti-lo como alguém que me pertence – também o inimigo me pertence como irmão –, supera toda barreira de nacionalidade, camada social e religião, como nos ensina o Bom samaritano. Vai além daquela cultura, no sentido negativo, segundo a qual seja nos países ricos seja nos pobres, os seres humanos são aceitos ou rejeitados segundo critérios utilitários, sobretudo de utilidade social ou econômica.”

“Esta mentalidade é um parente do ‘medicamento dos desejos’:

“Um costume cada vez mais difundido nos países ricos, caracterizado pela busca a todo custo da perfeição física, na ilusão da juventude eterna; um costume que induz a descartar ou marginalizar quem não é eficiente, quem é visto como um peso, um incômodo, ou que simplesmente é feio.”

O fazer-se próximo comporta também assumir a nossa responsabilidade para com a criação e a casa comum. “É preciso educar ao custodiar e administrar a criação como dom, entregue à responsabilidade de cada geração.

Esta conversão do coração ao evangelho da criação pede que sejamos intérpretes do grito pela dignidade humana que se eleva sobretudo dos pobres e excluídos, como muitas vezes são as pessoas doentes e sofredoras”, disse ainda o Papa.

“Na iminência do Jubileu da Misericórdia, que este grito possa ecoar em nossos corações e no exercício das obras de misericórdia, corporal e espiritual. Que possamos acolher o dom da graça de Deus e nos tornar canais e testemunhas da misericórdia”, concluiu o Pontífice.

 Foto: AFP

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.