Arquidiocese do Rio de Janeiro

33º 19º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 12/11/2018

12 de Novembro de 2018

Dom Eurico: Beatificação do Padre Victor

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

12 de Novembro de 2018

Dom Eurico: Beatificação do Padre Victor

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

15/11/2015 19:25 - Atualizado em 15/11/2015 19:25
Por: Dom Eurico dos Santos Veloso

Dom Eurico: Beatificação do Padre Victor 0

Dom Eurico: Beatificação do Padre Victor / Arqrio

O mundo está tão entregue ao egoísmo, à violência e à ganância que ficou estabelecido aquele objetivo: “olho por olho, dente por dente”. É consenso geral que a vingança deve ser cultivada e, assim, a paz fica quase inalcançável.

Quase, porque ainda há esperança. Como? Pela existência de pessoas que não se entregam ao revanchismo e pregam, com atitudes e em palavras, o amor. O Cônego Francisco de Paula Victor, mais ilustre campanhense-trepontano, nas palavras do sábio Monsenhor José do Patrocínio Lefort, é um exemplo disto.

Ele era um jovem sapateiro quando se matriculou no Seminário de Mariana, nos tempos do santo bispo Dom Antônio Ferreira Viçoso. Durante seus estudos, sofreu discriminação dos seus colegas por ser pobre, negro e filho de escravos. Esses são bons ingredientes que geram a revolta e o ímpeto de destruir as pessoas que povoam esse mundo tão injusto e cheio de preconceitos. Mas, não. Ele, seguindo Jesus Cristo, viveu o amor.

O Padre Francisco de Paula Victor nasceu na barroca e colonial cidade da Campanha, Minas Gerais, em 12 de abril de 1827. Teve uma infância e adolescência difíceis, mas ele queria servir a Deus na pessoa dos pobres e necessitados e, por isso, achou que sua doação seria completa se ele se tornasse padre.

Depois que se ordenou, tendo ficado um período na Igreja principal da Campanha, recebeu a Paróquia de Nossa Senhora D’Ajuda, em Três Pontas, MG, para ficar a seus cuidados. Foi pároco amado desta freguezia por 53 anos. Criou a escola Sagrada Família com o objetivo de proporcionar uma educação perfeita aos jovens da região. Por essa escola passaram muitas pessoas ilustres. Instruiu pessoas humildes tornando-as grandes homens de cultura que passaram a viver de sua inteligência nas mais variadas profissões. Fundou o hospital e santificou o povo de Deus no cotidiano da vida agrícola, principal atividade daquela paróquia.

Dedicou a vida aos pobres e ficou conhecido na região por sua caridade. Morreu aos 23 de setembro de 1905, com fama de santidade, pois o povo tinha fé na sua intercessão. Nos três dias que durou o seu velório, seu corpo exalava suave perfume, conforme relatos de testemunhas. Mais de três mil fiéis, uma multidão para aquele tempo, participaram de seus funerais. Já era santo em vida e os milagres não demoraram a ocorrer pela sua santidade.

Quero dizer, que de minha parte, eu ajudei nesta beatificação. A 30 de abril de 1990, quando eu era Bispo Auxiliar de Juiz de Fora, eu assinei a petição do saudoso e querido Dom Aloísio Roque Oppermann, SCJ, então Bispo Coadjutor da Campanha, em que pedia a São João Paulo II a abertura do processo de beatificação deste virtuoso sacerdote. São passados 25 anos daquela feliz iniciativa. Dom Aloísio Roque Oppermann, SCJ, o grande responsável pela abertura do processo já está no céu junto do novo Beato. Campanha é um chão abençoado de santos. Agora tem dois beatos: Nhá Chica e Padre Victor para do céu nos ensinar a viver aqui na terra as virtudes que nos abrirão, futuramente, as portas do céu.

O Papa reconheceu a autenticidade de um milagre, a cura inexplicável de uma moradora da cidade, analisada por uma junta médica do Vaticano e por uma comissão de teólogos. A beatificação será celebrada em 14 de novembro deste ano, em Três Pontas. É o segundo santo da diocese da Campanha e é mais um intercessor que buscará paz para este nosso mundo. Quero unir-me, ao querido irmão Dom Frei Diamantino Prata de Carvalho, OFM, venerando bispo da Campanha, e pedir-lhe que junto às relíquias do novo Beato, que deveria ser proclamado patrono dos bispos e padres mineiros, que abençoe a todos nós que queremos ser sacerdotes como o Padre Victor. Padre Victor sempre nos apontou para a Bíblia Sagrada e sempre distribuiu a misericórdia, acolhendo a todos, indistintamente, e sendo pai generoso de Três Pontas e de nossa amada Minas Gerais, que tem em Campanha seu seleiro de santos. Rogai por nós Padre Victor amém!

Dom Eurico dos Santos Veloso
Arcebispo Emérito de Juiz de Fora, MG.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.