Arquidiocese do Rio de Janeiro

25º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 23/02/2020

23 de Fevereiro de 2020

Arquidiocese do Rio comemora 121 anos de criação

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

23 de Fevereiro de 2020

Arquidiocese do Rio comemora 121 anos de criação

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

27/04/2013 12:28 - Atualizado em 27/04/2013 12:36
Por: Raquel Araujo

Arquidiocese do Rio comemora 121 anos de criação 0

Catedral Metropolitana de São Sebastião / Arqrio

Neste sábado, 27 de abril, completa-se 121 anos em que a Diocese de São Sebastião do Rio de Janeiro foi elevada à categoria de Arquidiocese pelo Papa Leão XIII. Até então o Brasil contava com apenas um arcebispado, em Salvador.

 

Antes de tornar-se Arquidiocese, a Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, logo quando foi fundada, em 1565, teve o seu território sujeito à jurisdição espiritual do bispo da Bahia. Até que, pelo breve “In superemminenti militantis Ecclesiae”, do Papa Gregório XIII, de 19 de julho de 1575, foi criada a prelazia de São Sebastião. Desmembrada do Bispado da Bahia, o território da nova prelazia estendia-se desde a Capitania de Porto Seguro até o Rio da Prata.

 

Em 16 de novembro de 1676, a bula do Papa Inocêncio XI “Romani Pontificis pastoralis sollicitudo” elevou a antiga Prelazia de São Sebastião à categoria de diocese, sufragânea da Sé Metropolitana de São Salvador da Bahia, criada na mesma data. A esta ficou também subordinada a Diocese de Olinda. Da Diocese do Rio de Janeiro foram posteriormente desmembradas 131 arquidioceses, dioceses, e prelazias.

 

Posteriormente, pela bula “Ad universas orbis ecclesias”, do Papa Leão XIII, de 27 de abril de 1892, foi reorganizada a hierarquia eclesiástica no Brasil, que até então constava de apenas um arcebispado, o de São Salvador da Bahia e de 11 bispados sufragâneos. Na ocasião foram criadas duas províncias eclesiásticas: uma com sede em São Salvador da Bahia, e a outra, o Bispado do Rio de Janeiro, elevado à categoria de Sé Metropolitana.

 

Desde então, sete arcebispos passaram pelo Rio de Janeiro, sendo o Cardeal Arcoverde aquele que permaneceu por mais tempo à frente da Arquidiocese. Muitos foram os desafios, mas sob a proteção do padroeiro São Sebastião, a Arquidiocese permaneceu firme no anuncio do Evangelho ao longo destes anos.

 

Atualmente, sob o arcebispado de Dom Orani João Tempesta, a cidade do Rio de Janeiro irá receber em julho a Jornada Mundial da Juventude, que contará com a vinda do Papa Francisco.

 

Arcebispos do Rio de Janeiro:

D. João Esberard, de 12 /09 /1893 a 22 / 01 /1897;

D. Joaquim Arcoverde de Albuquerque Cavalcanti, de 31 / 08 /1897 a 18 /04 /1930;

D. Sebastião Leme da Silveira Cintra, de 18 /04 /1930 a 17 /10 /1942;

D. Jaime de Barros Câmara, de 15 /09 /1943 a 18 /02 /1971;

D. Eugenio de Araujo Sales, de 27 / 03 /1971 a 25 /07 /2001;

D. Eusébio Oscar Scheid, SCJ, de 22 /09/2001 a 27 /02 /2009;

D. Orani João Tempesta, O. Cist., desde 19 /04 /2009. 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.