Arquidiocese do Rio de Janeiro

24º 13º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 18/07/2019

18 de Julho de 2019

Sínodo: Igreja usa linguagem do amor, de Pastores que cuidam da família

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

18 de Julho de 2019

Sínodo: Igreja usa linguagem do amor, de Pastores que cuidam da família

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

07/10/2015 21:53 - Atualizado em 07/10/2015 21:53
Por: Rádio Vaticano

Sínodo: Igreja usa linguagem do amor, de Pastores que cuidam da família 0

Sínodo: Igreja usa linguagem do amor, de Pastores que cuidam da família / Arqrio

Prosseguem no Vaticano, com os Círculos menores, os trabalhos da XIV Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos. Conduzida pelo diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Padre Federico Lombardi, a coletiva desta quarta-feira teve como convidados três Padres sinodais:

O presidente da Conferência Episcopal do Peru, Dom Salvador Piñeiro García Calderón; o arcebispo de Filadélfia, Dom Charles Joseph Chaput; e o arcebispo de Lille, Dom Laurent Ulrich, na qualidade de relatores  e membros de alguns Círculos menores, eleitos na tarde desta terça-feira.

Muito notável, muito belo, muito interessante: com essas palavras, o arcebispo de Lille, na França, Dom Ulrich, define o trabalho nos Círculos menores, em que há uniformidade linguística, mas também diferença de proveniência e de experiência entre os respectivos membros – explicou.

Trabalhar juntos acerca de um sujeito comum, delicado e completo como a família – ressaltou – ajuda-nos a confrontar-nos e a identificar as diferenças, impelindo-nos a análises aprofundadas. Na Igreja católica temos a unidade em grande consideração, acrescentou, mas queremos que as diferenças culturais apareçam e que todos possam se expressar.

“A Igreja deve acompanhar a família”, afirmou – por sua vez – o presidente da Conferência Episcopal do Peru, Dom Piñeiro, ressaltando o ambiente fraterno que se respira no Sínodo. “Sabemos que existe um ataque à instituição familiar”, sobretudo em legislações que abrem, por exemplo, para o aborto, disse.

Por isso, afirmou o prelado, é preciso reiterar o Evangelho da vida, da esperança, o Evangelho da família, recordando, em seguida, que as pessoas feridas devem ser confortadas e acompanhadas.

Por sua vez, o arcebispo de Filadélfia, Dom Charles Chaput, ressaltou a capacidade da Igreja de apoiar as famílias, recordando a beleza do Encontro Mundial das Famílias realizado em setembro passado na cidade estadunidense, com a participação do Papa Francisco.

Um evento – explicou o prelado – capaz de dar nova esperança aos núcleos familiares e de reafirmar o ensinamento da Igreja sobre o matrimônio. “Encorajamos quem segue o ensinamento da Igreja sobre a família, de modo a não sentir-se abandonado”.

Em relação ao Sínodo, disse Dom Chaput, é importante atuar olhando para as preocupações que não sejam as de um único país. Por isso, nos Círculos menores anglófonos havia preocupações de que o Instrumentum Laboris não refletisse a universalidade da Igreja.

É preciso diálogo entre a Igreja universal e a Igreja local, acrescentou o arcebispo de Filadélfia, porque não é apropriado, para as Conferências episcopais, decidir sobre doutrina. E explicou: “Não estamos aqui para vencer algo; estamos aqui para alcançar aquela verdade que o Senhor estabeleceu para a sua Igreja”.

Em seguida, Dom Chaput fez uma reflexão sobre a linguagem: o prelado estadunidense chamou a atenção para a necessidade de estar atentos às palavras para não ferir as pessoas, mas permanecendo fiéis à doutrina da Igreja. Porque no fundo a linguagem da Igreja é a linguagem do amor, de Pastores que cuidam da família.

Por fim, respondendo a uma pergunta da imprensa em relação à publicação, em alguns blogs, dos pronunciamentos dos Padres sinodais, Pe. Lombardi explicou:

“Os Padres sinodais têm a liberdade de passar seus pronunciamentos a quem quiser e, portanto, são livres para falar com quem quiser. Muitas vezes, os bispos que provêm de uma diocese querem referir à sua diocese aquilo que disseram no Sínodo e podem fazê-lo tranquilamente. Isso, porém, é deixado à liberdade dos Padres sinodais e às solicitações que lhes são feitas.”

Concluindo, ressaltamos que os Círculos menores neste Sínodo são 13, subdivididos por línguas: quatro para o inglês; três para o francês e para o italiano; dois para o espanhol (incluindo os lusófonos) e um para o alemão

Foto: Observatório Romano

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.