Arquidiocese do Rio de Janeiro

33º 17º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 23/09/2017

23 de Setembro de 2017

Morre na Espanha, aos 87 anos, o Padre Artola, que deixou legado de obras no Rio

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

23 de Setembro de 2017

Morre na Espanha, aos 87 anos, o Padre Artola, que deixou legado de obras no Rio

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

25/09/2015 18:06 - Atualizado em 25/09/2015 18:07
Por: Agência Rio de Notícias

Morre na Espanha, aos 87 anos, o Padre Artola, que deixou legado de obras no Rio 1

Morre na Espanha, aos 87 anos, o Padre Artola, que deixou legado de obras no Rio / Arqrio

As camadas menos favorecidas dos moradores de Brás de Pina e comunidades ao redor do bairro da Zona Norte do Rio estão chorando a morte do Padre José Sainz Artola, ou simplesmente Padre Artola, como ficou conhecido por todos depois de dedicar vários anos de sua vida ao trabalho de proteger não só os pobres de seu vicariato, mas estendendo suas mãos a todos que precisavam de conforto espiritual e material. Padre Artola, que nasceu em San Miguel de Lodosa, na Espanha, mas gostava de se dizer brasileiro e baiano, faleceu aos 87 anos, em Pamplona, onde será sepultado.

Sua conversão aconteceu entre os 17 e 18 anos, quando foi para o seminário, em 1949, sendo ordenado padre em 1959. Os seis primeiros anos foram no seminário, na Pamplona, e os quatro últimos, no Seminário Espano de Madri. Encaminhado para o Brasil, esta vinda foi muito importante para sua vida sacerdotal.

No Brasil, o Padre foi para Obra Social da Irmandade de Santa Edwiges de Brás de Pina, na Zona Norte do Rio. Foram vinte e sete anos ajudando em mutirões, creches, alfabetizações, e um trabalho que o deixou muito feliz, a Urbanização das favelas por todos os cantos do estado do Rio.

Idealizador de vários trabalhos, entre eles o projeto "Mutirão Solidariedade", que apoiou grupos e comunidades organizadas no Rio e em todo o Brasil, chegou a construir mais de 4 mil casas, pela paróquia, e, estando na Obra Social, mais de 23 mil. Nos anos de Santa Edwiges ajudou a comprar os terrenos da Paróquia.

Durante o período de exceção, esteve preso por três vezes e até hoje não foi anistiado, porque não pertencia a nenhum lado, sendo apenas um pobre padre entre os pobres.  Entre os orgulhos que levou para o túmulo, está o título de Cidadão Favelado, concedido pela antiga Federação das Favelas do Estado da Guanabara (FAFEG) por seu desempenho na urbanização das primeiras favelas.

Deixe seu comentário

Comentários (1)

José Carlos Dias Sep 28th 2015, 11:31

Também foi grande animador do Movimento de Cursilho da Cristande (Decolores). que Deus o tenha em bom lugar, que ele descanse em paz.

0 Resposta Responder
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.