Arquidiocese do Rio de Janeiro

25º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 17/08/2017

17 de Agosto de 2017

No Twitter, Papa reforça pedido de acolhimento dos refugiados

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

17 de Agosto de 2017

No Twitter, Papa reforça pedido de acolhimento dos refugiados

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

08/09/2015 14:33 - Atualizado em 08/09/2015 14:34
Por: Rádio Vaticano

No Twitter, Papa reforça pedido de acolhimento dos refugiados 0

No Twitter, Papa reforça pedido de acolhimento dos refugiados / Arqrio

No seu tuíte desta terça-feira, 8 de setembro, o Papa Francisco reiterou o pedido que fez no Ângelus do último domingo, dia 6, quando pediu acolhimento aos refugiados.

“Que cada paróquia e comunidade religiosa na Europa acolha uma família de refugiados”, diz o texto, seguido de dois hashtags. #Jubileu #refugeeswelcome (bem-vindos refugiados, em inglês).

O apelo do Pontífice foi prontamente atendido não somente pelas dioceses e paróquias em toda a Europa, que logo se mobilizaram, mas também fora do continente e fora do ambiente eclesial. Líderes de governo e presidentes de vários países, inclusive do Brasil, anunciaram a decisão de abrir suas fronteiras.

Situação na Síria

Enquanto isso, o Bispo de Aleppo dos Caldeus e Presidente da Cáritas Síria, o jesuíta Dom Antoine Audo, reforça também a necessidade que os cidadãos possam viver em paz no país.

“O apelo do Papa Francisco expressa a sua solicitude para com os que sofrem e é um convite a todos os cristãos a ajudarem com concretude evangélica”. Ao mesmo tempo, “diante das guerras que sacodem o Oriente Médio, o nosso desejo como cristãos e como Igreja é permanecer em nosso país, e fazemos de tudo para manter viva a esperança”.

Em declarações à Agência Fides, Dom Audo fala da realidade no país: “A situação de degradação, o aumento da pobreza, a dificuldade de curar doenças depois de mais de quatro anos de guerras estão nos dilacerando”.

Para o Bispo caldeu, “é uma dor ver as famílias partir, e entre elas muitas cristãs. É um sinal de que a guerra não acabará, ou que no final prevalecerá quem quer destruir o país”.

Paradoxo ocidental

Além disso, em relação ao fenômeno dos refugiados e das fugas em massa, o Presidente da Cáritas Síria denuncia a sistemática ocultação das dinâmicas geopolíticas e militares que provocaram essa situação: “Nós fazemos de tudo para defender a paz, enquanto no Ocidente dizem que fazem de tudo em defesa dos direitos humanos, e com este argumento continuam também a alimentar esta guerra infame. Este é o paradoxo terrível em que nos encontramos. E não conseguimos mais nem mesmo entender o que querem realmente”.

Foto: AFP

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.