Arquidiocese do Rio de Janeiro

31º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 26/02/2017

26 de Fevereiro de 2017

Representante do vaticano defende na ONU os direitos dos idosos

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

26 de Fevereiro de 2017

Representante do vaticano defende na ONU os direitos dos idosos

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

21/07/2015 12:02 - Atualizado em 21/07/2015 12:28
Por: Canção Nova

Representante do vaticano defende na ONU os direitos dos idosos 0

Representante do vaticano defende na ONU os direitos dos idosos / Arqrio

O observador permanente da Santa Sé na ONU, Dom Bernardito Auza, defendeu em um recente discurso à ONU de Nova Iorque os direitos dos idosos. Ele recordou que, em um momento em que os idosos são abandonados e descartados, é preciso promover políticas alternativas à “cultura do descartável”, que julga os seres humanos a partir do que eles produzem.

Dom Auza destacou a evidência demográfica que está na base dessa questão: o envelhecimento do mundo ocidental em virtude da redução no número de filhos e a mentalidade de que o idoso é um “peso morto” social. Ele lembrou, inclusive, que o Papa Francisco tem reiterado o seu “não” a essa cultura do descartável.

Falando durante uma sessão de trabalho da ONU dedicada aos direitos da pessoa idosa, o representante vaticano apresentou alguns dados estatísticos sobre a atual situação dos idosos. No Ocidente, 700 milhões de pessoas, ou 10% da população mundial, tem mais de 60 anos. Estima-se que em 2050 o número vai dobrar.

Mas mesmo diante desses dados, ainda não se produziu políticas destinadas à proteção dos idosos, observou Dom Auza. “É preciso promover uma atitude de aceitação e apreço pelos idosos para integrá-los melhor na sociedade”.

O arcebispo não deixou de mencionar as várias escolas de pensamento que se dedicam ao tema da proteção dos idosos. Algumas falam de estabelecer novos mecanismos similares à convenção sobre direitos das pessoas portadoras de deficiência; outras destacam a necessidade dos empenhos que os estados já realizaram a respeito. De toda forma, Dom Auza acredita que uma abordagem baseada somente nos direitos humanos não será suficiente se não for acompanhada por políticas e programas que enfrentem as causas subjacentes a essas violações.

“Os idosos são um recurso e um ponto essencial de referência em uma época em que muitos perderam a esperança e lutam para encontrar a sua identidade. Com a sua memória coletiva e a riqueza das experiências, eles podem ser apoio às gerações futuras, que não devem enfrentar as lutas da vida sozinhas”.

Foto: Canção Nova 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.