Arquidiocese do Rio de Janeiro

37º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 16/12/2018

16 de Dezembro de 2018

Papa diz não ter se ofendido com presente de Evo Morales

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

16 de Dezembro de 2018

Papa diz não ter se ofendido com presente de Evo Morales

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

13/07/2015 16:28 - Atualizado em 13/07/2015 16:29
Por: Canção Nova

Papa diz não ter se ofendido com presente de Evo Morales 0

Papa diz não ter se ofendido com presente de Evo Morales / Arqrio

Na conversa com os jornalistas, nesta segunda-feira, 13, durante o voo de retorno a Roma, o Papa Francisco disse não ter se ofendido com presente que recebeu do presidente da Bolívia, Evo Morales, durante sua visita à América do Sul.

Morales presenteou o Pontífice com a escultura de uma foice unida a um martelo, onde está fixada a imagem de Jesus crucificado. O objeto, tido por muitos como sinal do comunismo, foi esculpido pelo padre Espinal, jesuíta, morto em 1980.

Francisco disse que não sabia que o sacerdote era escultor e poeta, e precisou contextualizar para entender a obra. Para ele, a escultura é uma arte de protesto.

“Inclusive as poesias de Espinal são daquele gênero de protesto, mas era a sua vida, era o seu pensamento, era um homem especial, com tanta genialidade humana, e que lutava com boa fé. Fazendo uma hermenêutica do gênero, eu entendo essa obra. Para mim não foi uma ofensa. Mas precisei fazer essa hermenêutica e digo para vocês para que não existam opiniões erradas. Este objeto agora eu levo comigo. Vem comigo”, disse.

Economia na Grécia

A entrevista coletiva foi também ocasião para outros assuntos, entre eles, a situação econômica atual da Grécia. O Papa espera que os governos encontrem um caminho para resolver o problema no país, de modo que a crise não atinja outras nações. “E que isso nos ajude a ir adiante, porque aquela estrada do empréstimo e das dívidas no final, não termina nunca”, considerou.

Classe média

Questionado sobre a falta de mensagens direcionadas para a classe média, já que a maioria dos discursos do Papa são voltados, na maioria das vezes, para os pobres e também para os ricos e poderosos, o Pontífice respondeu:

“O senhor tem razão, é um erro da parte minha. Devo pensar sobre isso. Farei algum comentário, mas não para me justificar. O Senhor tem razão, devo pensar um pouco. O mundo está polarizado. A classe média está menor. A polarização entre os ricos e os pobres é grande, isso é verdade, e talvez isso me levou a não perceber aquilo. Falo do mundo, alguns países não, vão muito bem; mas, no mundo em geral, a polarização se vê e o número dos pobres é grande. Então, por que falo dos pobres? Mais porque está no coração do Evangelho, e sempre falo do Evangelho sobre a pobreza, ainda que seja sociológica. Depois, sobre a classe média têm algumas palavras que eu disse, mas um pouco ‘em passant’. Mas a gente simples, a gente comum, o operário… aquilo é um grande valor”, explicou.

Foto: Padre Antonio Spadaro

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.