Arquidiocese do Rio de Janeiro

25º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 23/10/2018

23 de Outubro de 2018

Papa se despede da América Latina

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

23 de Outubro de 2018

Papa se despede da América Latina

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

13/07/2015 12:03 - Atualizado em 13/07/2015 12:04
Por: Rádio Vaticano

Papa se despede da América Latina 0

Papa se despede da América Latina / Arqrio

Às 19h36min locais o voo da Alitália partiu do Aeroporto Internacional de Assunção rumo à Itália, tendo a bordo seu mais ilustre passageiro, o Papa Francisco, que concluía assim a nona viagem internacional de seu pontificado, a segunda à América Latina.  Após sete dias de uma verdadeira “maratona” por três países latino-americanos – Equador, Bolívia e Paraguai -, o Papa Francisco despediu-se do continente que tanto conhece e ama com o encontro com os jovens, último compromisso oficial no Paraguai. Ao deixar o encontro com os jovens, o Papa passou pelo Centro Comercial Ycuà Bolaños para abençoar o local onde um incêndio, em 2004, matou 400 pessoas e deixou mais de 500 feridos.

No Aeroporto, Francisco foi recebido pelo Presidente Horacio Manuel Cartes. Numa cerimônia bem mais longa que o previsto, um coral de jovens índios fez uma apresentação de vozes e com instrumentos típicos, o que evocou em muito a atmosfera das Reduções jesuíticas, recordadas pelo Papa Francisco em dois discursos. Após, outro grupo de danças rendeu sua homenagem final ao ilustre hóspede que emocionou o país.

Bergoglio dirigiu-se a seguir ao Aeroporto Internacional de Assunção, onde foi recebido pelo Presidente Horacio Manuel Cartes. Não houve discursos.

Passando por diferenças quase extremas de temperatura e altitudes, Francisco mostrou-se absolutamente à vontade, “em casa” – como afirmou num discurso – ao encontrar culturas tão ricas e diversas dos povos latino-americanos, que em comum, tem também as desigualdades e a história de luta por um mundo mais justo e fraterno. Profundo conhecedor da realidade latino-americana, Francisco escutou, observou e falou, mas acima de tudo, mostrou proximidade, apontando situações de injustiça, mas acima de tudo encorajando e levando esperança. Ele que viajou ao continente sob o lema da alegria e da esperança, da Evangelii Gaudium, tão citada em seus pronunciamentos.

Difícil encontrar uma única palavra que represente as tantas que poderiam caracterizar esta sua viagem: família, alegria, diálogo, cultura do encontro, justiça, descarte, pobres, solidariedade, fraternidade, gratuidade, subsidiariedade, cultura, memória, crianças, jovens, idosos, inclusão. Palavras e temas que não são novidade, para quem acompanha o pontificado do jesuíta, mas que adquirem uma particular conotação quando pronunciadas no continente que o gerou. Outra talvez, nem mais novidade, foram os improvisos nos discursos, alguns deixados de lado, preferindo-se deixar-se guiar pela inspiração do ambiente e das pessoas com quais estava.

Papa Francisco, talvez um estilo diferente, inovador de ser Papa, um estilo, por que não, latino-americano de fazer e sentir as coisas. Chamou a atenção para os pobres e os excluídos, nos ensina a olhar para os mais fracos e desfavorecidos. Olhemos agora para o futuro, na esperança de que sejam colhidos bons frutos das sementes lançadas numa terra que anseia por uma nova esperança e um mundo novo.

Foto: AFP

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.