Arquidiocese do Rio de Janeiro

36º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 12/12/2018

12 de Dezembro de 2018

Papa se despede do Equador: gratuidade em servir e preservação da memória

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

12 de Dezembro de 2018

Papa se despede do Equador: gratuidade em servir e preservação da memória

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

08/07/2015 17:58 - Atualizado em 08/07/2015 17:59
Por: Rádio Vaticano

Papa se despede do Equador: gratuidade em servir e preservação da memória 0

Papa se despede do Equador: gratuidade em servir e preservação da memória / Arqrio

No Santuário Nacional Mariano “El Quinche”, no Equador, o Papa Francisco encontrou o clero, religiosos, religiosas e seminaristas. Bem à vontade, o Santo Padre comentou que até teria um discurso pronto, mas que não estava com vontade de lê-lo e preferia falar com o coração sobre os dias que esteve em contato com o povo equatoriano, sobre a riqueza espiritual das pessoas, a profundidade, a valentia e, principalmente, a alegria na recepção – algo raro hoje em dia.

Durante o discurso, o Papa Francisco enalteceu dois princípios fundamentais pra viver: a gratuidade em servir e a preservação da memória. Sobre a gratuidade, e pensando na Virgem, em Maria, que já tinha essa consciência, o Pontífice enfatizou a palavra: ‘faça’. ‘Fazer’ esse caminho de retorno à gratuidade que Deus deixou. “Somos objetos da gratuidade de Deus”, disse o Pontífice.

“Consciência de gratuidade. Por isso, façam-se, façam, que se manifeste a gratuidade de Deus. Religiosas, religiosos, sacerdotes, seminaristas. Todos os dias voltem, façam esse caminho de retorno à gratuidade com que Deus lhes escolheu”, falou espontaneamente o Papa.

O outro princípio é a preservação da memória, tomando cuidado para não adoecer, não lembrando das origens.

“Não percam a memória, sobretudo, a memória de onde vocês vieram. Não reneguem suas raízes. E não se sintam promovidos. A gratuidade não pode conviver com a promoção. Quando um religioso entra em carreira, em carreira humana, começam a adoecer e a perder a memória de onde vieram. Todos os dias renovem o sentimento que tudo é gratuidade. Nada merecemos. E peçam a graça de não perder a memória”, sublinhou o Papa Francisco.

Foto: AFP

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.