Arquidiocese do Rio de Janeiro

31º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 27/02/2017

27 de Fevereiro de 2017

Dom Orani participa de debate sobre a maioridade penal

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

27 de Fevereiro de 2017

Dom Orani participa de debate sobre a maioridade penal

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

30/06/2015 12:02 - Atualizado em 30/06/2015 12:15
Por: Raphael Freire (raphaelfreire@radiocatedral.com.br)

Dom Orani participa de debate sobre a maioridade penal 1

Dom Orani participa de debate sobre a maioridade penal / Arqrio

O Cardeal Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, será um dos debatedores do terceiro encontro da série “Mais convivência, menos violência”, que acontece hoje, 30 de junho, a partir das 19h30min, no Circo Crescer e Viver, na Cidade Nova. Além de Dom Orani, participam também do evento promovido pelos jornais O DIA e Meia Hora, e pelo Observatório de Favelas, o diretor executivo da Anistia Internacional Brasil, Atila Roque; o diretor do Observatório de Favelas, Jailson Silva; e a advogada do Circo Crescer e Viver e da Gavinho & Campos Advogados Associados, Ericka Gavinho.

Dentre as novas questões relacionadas à maioridade penal, Dom Orani também abordará durante sua fala muito do que já escreveu em seu artigo “A criança e o adolescente não são problemas”, publicado no Portal da Arquidiocese e no jornal “Testemunho de Fé”.

“Não adianta apenas punir os jovens. Muitos, infelizmente, querem banalizar e esconder as reais causas da violência no nosso país. As políticas e ações de natureza social que desempenham um papel importante na redução das taxas de criminalidade são quase nulas ou inexistentes. As causas da violência e da desigualdade social não se resolverão com adoção de leis penais mais severas ou de redução da maioridade penal, discussão parlamentar que está sendo proposta de afogadilho. Urge uma tomada de consciência para que sejam tomadas medidas capazes de romper com a banalização da violência e seu ciclo. Ações no campo da educação, por exemplo, demonstram-se positivas na diminuição da vulnerabilidade de centenas de adolescentes ao crime e à violência. Infelizmente, os responsáveis pela educação estão mais preocupados com os “gêneros” e outros tipos de orientação educacional do que com uma verdadeira formação dos nossos jovens e adolescentes para a paz e a fraternidade conscientes. Precisamos valorizar o jovem, considerá-lo como parceiros na caminhada para a construção de uma sociedade melhor”, escreveu o Cardeal em seu artigo.

O terceiro encontro da série “Mais convivência, menos violência” será transmitido, ao vivo, a partir das 19h30min, pela Rede Vida de Televisão. O Circo Crescer e Viver fica na Rua Carmo Neto, nº 143 – Cidade Nova (ao lado da estação Praça Onze do Metrô).

   

  

Deixe seu comentário

Comentários (1)

Izabel Azevedo de Lemos Jun 30th 2015, 18:03

Quase não aparece nos noticiários que as crianças brasileiras precisam do amor da família, proteção do Estado e educação pública de qualidade! Creio que se pelo menos o ECA fosse levado a sério resolveria quase tudo. Parece que tratam os jovens pobres e negros como mercadoria. Levar os jovens para o presídio junto com adultos violentos será melhor para quem? Deve ter algum projeto de presídio particular assim como teve nos anos 1940-1950 o projeto de educação privada que "detonou" com a educação pública de qualidade no Brasil e após mais de 50 anos vemos como está...

0 Resposta Responder
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.