Arquidiocese do Rio de Janeiro

38º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 14/12/2018

14 de Dezembro de 2018

O sofrimento dos cristãos no Oriente Médio chega à ONU

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

14 de Dezembro de 2018

O sofrimento dos cristãos no Oriente Médio chega à ONU

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

26/03/2015 10:29 - Atualizado em 26/03/2015 10:29
Por: Rádio Vaticano

O sofrimento dos cristãos no Oriente Médio chega à ONU 0

A situação dos cristãos perseguidos no Oriente Médio chega ao Conselho de Segurança das Nações Unidas. Sexta-feira, 27, está convocada uma sessão do Conselho para debater a condição das minorias naquela região, que têm sofrido a violência do Estado Islâmico. Liderando a comitiva, o Patriarca dos Caldeus, Louis Raphael Sako, leva pessoalmente o testemunho do drama dos cristãos do Iraque.

Iniciativa apoiada pelo Vaticano

A ideia de convocar uma sessão especial do Conselho de Segurança sobre este tema foi anunciada pela França e seguida por uma declaração conjunta do Vaticano, Rússia e Líbano, subscrita por outros 65 países.

Pedimos à comunidade internacional – diz o texto – que defenda a presença de todas as comunidades étnicas e religiosas que têm profundas raízes históricas no Oriente Médio”. “Tais comunidades vêm ameaçada a sua própria existência pelo chamado Estado Islâmico, por Al Qaeda e por grupos terroristas filiados, que criam o risco de fazer desaparece totalmente os cristãos”.

Evento inédito

O debate no Conselho de Segurança da ONU será o primeiro dedicado à perseguição dos cristãos, e se realiza depois de várias denúncias das comunidades locais sobre a indiferença do mundo.

No Iraque, há mais de nove meses milhares de cristãos são obrigados a fugir de Mosul e da Planície de Nínive sem levar nada consigo para o Curdistão, onde vivem em condições indizíveis. O problema vai além da questão contingente do ‘Califado’: alguns dias atrás, falando ao Parlamento, o Patriarca Sako pediu às autoridades iraquianas uma lei que puna penalmente pregadores religiosos que fomentam a violência. E expressou de novo sua preocupação pelas milhares de famílias inocentes que estão sem alguma assistência, em fuga do Estado Islâmico.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.