Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 19º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 23/07/2019

23 de Julho de 2019

Papa retorna ao Vaticano

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

23 de Julho de 2019

Papa retorna ao Vaticano

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

19/01/2015 11:19 - Atualizado em 19/01/2015 11:20
Por: Observatório Romano

Papa retorna ao Vaticano 0

Papa retorna ao Vaticano / Arqrio

O Papa concluiu viagem à Ásia, que se iniciou no Sri Lanka, durante a qual multiplicou mensagens e gestos em favor dos mais pobres, da paz e do diálogo entre religiões.

Um dia após missa ao ar livre com mais de seis milhões de pessoas, a maior celebração na história da Igreja Católica, Francisco regressa ao Vaticano, de onde partiu nasegunda-feira, dia 19 de janeiro, completando um total de 17 mil quilómetros percorridos.

Mais uma vez, milhares de pessoas acompanharam o percurso do papamóvel nas ruas da capital filipina, entre a Nunciatura Apostólica e o aeroporto, onde decorreu a cerimónia de despedida, sem discursos oficiais mas com coreografias e cantos enquanto o pontífice argentino se despedia das autoridades civis e religiosas.

O vôo papal desta segunda-feira vai sobrevoar o território da China e o Papa enviará uma mensagem ao chefe de Estado do país, como aconteceu em agosto de 2014, aquando da viagem à Coreia.

Na a primeira vez que um Papa passou pelo espaço aéreo chinês, Francisco dirigiu-se ao presidente Xi Jinping, “invocando as bênçãos divinas da paz e bem-estar para a nação”.

Durante as homilias e discursos em Manila, o Papa questionou em várias ocasiões as “estruturas sociais que perpetuam a pobreza” e denunciou a “corrupção”.

Francisco mostrou-se preocupado com o que chamou de “colonização ideológica” da família, com “ataques insidiosos e programas contrários” ao matrimónio tradicional, à natalidade e ao direito à vida.

A viagem ficou marcada pela deslocação à ilha filipina de Leyte, a região mais afetada em novembro de 2013 pelo supertufão Haiyan.

Francisco presidiu a uma missa campal, junto ao aeroporto de Tacoblan, debaixo de fortes ventos e chuva, durante a qual centenas de milhares de pessoas rezaram pelas vítimas e seus familiares.

"Muitos de vocês perderam parte da família: apenas posso guardar silêncio, acompanho-os com o coração, em silêncio", disse, numa intervenção improvisada, em espanhol, deixando de lado o texto preparado.

A passagem pelo maior país católico da Ásia contou com várias surpresas do Papa argentino, que fez uma paragem surpresa junto a uma casa de pescadores na cidade de Tacloban, no percurso entre o aeroporto local e a Catedral de Palo, onde Francisco almoçou depois com 30 sobreviventes e familiares das vítimas.

Numa visita encurtada em quatro horas, devido à tempestade, o Papa quis deixar um sinal de proximidade junto dos “mais pobres dos pobres”, como explicou o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi.

Na sexta-feira, o Papa tinha feito outra paragem não programada, num centro para crianças abandonadas, dirigido por uma fundação católica, onde passou 20 minutos com mais de 300 crianças.

Os jovens estiveram no centro das atenções da manhã de domingo, num encontro que decorreu na única universidade pontifícia da Ásia: Francisco apresentou um discurso improvisado a partir do testemunho de Gyzelle Palomar, uma menina de 12 anos, acolhida por uma fundação católica depois de ter sido abandonada na rua.

A atenção pelos mais pobres foi levada ao palácio presidencial, no primeiro discurso em Manila, em que o Papa pediu o fim das “cadeias da injustiça e da opressão”.

Esta mesma mensagem foi transmitida aos membros do clero e dos institutos religiosos, que se reuniram com Francisco na Catedral de Manila para ouvir um desafio à transformação da “sociedade que se habitou à exclusão, à polarização e a uma desigualdade escandalosa”.

O Papa chegou às Filipinas depois de ter encerrado uma viagem de 48 horas ao Sri Lanka, na qual lançou vários alertas contra o fundamentalismo e apelou ao diálogo inter-religioso em favor da paz, condenando o uso da fé para justificar a violência.

“Devemos ser claros e inequívocos ao desafiar as nossas comunidades a viver plenamente os princípios da paz e da coexistência, que se encontram em cada religião, e denunciar atos de violência sempre que são cometidos”, afirmou, durante um encontro com responsáveis das principais comunidades religiosas.

No antigo Ceilão, o Papa canonizou o padre José Vaz (1651-1711), nascido em Goa, então território português, e tornou-se o primeiro pontífice a visitar o norte do Sri Lanka, de maioria tâmil, simbolizando o processo de “reconciliação” após quase três décadas de guerra civil.

No vôo entre Colombo e Manila, Francisco condenou o fundamentalismo terrorista e pediu o fim das ofensas contra as religiões, sublinhando que a liberdade de expressão tem “limites” e que “não se pode provocar, não se pode insultar a fé dos outros, não se pode ridicularizar a fé".



Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.