Arquidiocese do Rio de Janeiro

30º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 22/05/2019

22 de Maio de 2019

Viagem ao Iraque, um sonho de Francisco

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

22 de Maio de 2019

Viagem ao Iraque, um sonho de Francisco

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

10/01/2015 13:16 - Atualizado em 10/01/2015 13:16
Por: Rádio Vaticano

Viagem ao Iraque, um sonho de Francisco 0

Viagem ao Iraque, um sonho de Francisco / Arqrio

 "O Papa Francisco quer ir ao Iraque. Uma viagem breve. Tudo em um dia. Saída de Roma, chegada em Bagdá, saudação às autoridades e viagem à Irbil, no norte, para ver, encontrar, abraçar os refugiados cristãos de Mosul, celebrar a Missa e voltar a Roma na mesma noite. Para ele seria uma alegria imensa". Declaração do Cardeal Arcebispo de Lyon, Dom Philippe Barbarin, ao jornal dos bispos italianos "Avvenire", confirmando o desejo já manifestado em outras ocasiões pelo Pontífice.

Nos últimos meses, Dom Barbarin esteve em duas oportunidades no Iraque, sendo a última nos dias 6 e 7 de dezembro, quando levou a solidariedade material e espiritual dos fieis da diocese francesa e a vídeo-mensagem do Papa Francisco. "Por ocasião da viagem de dezembro a Irbil - contou o purpurado - eu disse ao Papa Francisco: primeiro passo em Roma, o pego e o levo ao Iraque. Então ele começou a rir e decidiu gravar uma video-mensagem, muito bonita, que foi a nós confiada, onde agradece aos cristãos do Iraque pela fidelidade a Cristo, "não renegada por nenhum de vocês"".

"O Papa estava muito contente que nós iríamos a Irbil - continuou Dom Barbarin. Fomos lá para construir casas, escolas, levar remédios, estabelecer laços de oração entre as famílias, também por meio de fotografias, para que possam ver o rosto da pessoa pela qual se está rezando". O Arcebispo de Lyon, contou que levou a Irbil a experiência da celebração da Festa da Imaculada como é vivida em sua diocese, desde 1852: "Fizemos uma procissão e luzes foram colocadas nas janelas. Vieram católicos mas também muçulmanos. Eram cerca de dez mil pessoas. Na entrada da cidade, tem uma grande estátua da Virgem. Alí projetamos a video-mensagem do Papa. Depois, celebramos a Missa e recitamos o Rosário, recolhidos na Catedral", relatou.

O Cardeal francês contou que a perseguição é uma experiência antiga para os cristãos iraquianos: "não existe uma família sequer que não tenha histórias de expulsões e fuga da própria casa e da própria cidade - observou. O Patriarca de Babilônia dos Caldeus, Louis Raphäel Sako, por exemplo, desde pequeno, foi expulso com sua família três vezes. Mas os cristãos estão conscientes que sem a sua presença é impossível construir e renovar o Iraque. Mas estão cada vez mais desesperados e muitos querem partir", lamentou, pedindo para eles ajuda material, amizade com a proximidade humana e ajuda espiritual, com a oração.

A experiência de diálogo entre cristãos e muçulmanos existente em sua Arquidiocese, foi usada como exemplo para mostrar que o diálogo é possível. "Em todas as épocas vimos como é possível o diálogo e a amizade entre muçulmanos e cristãos. Um exemplo muito interessante, na metade do século XIX, é a amizade entre o Bispo de Argel, Antoine-Adolphe Dupuch e o Emir Abdelkader, um extraordinário homem espiritual, do qual temos as cartas. Sempre houve um debate teológico, filosófico e espiritual entre muçulmanos e cristãos. Em Lyon, por exemplo, estamos promovendo encontros extraordinários sobre oração, a Palavra de Deus, na Bíblia e no Alcorão e nascem amizades maravilhosas". Ele contou ainda, que quando em 1996 seis monges trapistas foram sequestrados e assassinados por fundamentalistas islâmicos na Argélia, foi o próprio Presidente do Conselho regional dos Muçulmanos que propôs realizar uma peregrinação (...). Se do diálogo e da amizade não se chega à admiração, não é possível um progresso no encontro". 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.