Arquidiocese do Rio de Janeiro

28º 20º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 23/07/2019

23 de Julho de 2019

Papa Francisco reforça papel das 'periferias' no Colégio Cardinalício

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

23 de Julho de 2019

Papa Francisco reforça papel das 'periferias' no Colégio Cardinalício

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

08/01/2015 18:30 - Atualizado em 08/01/2015 18:32
Por: Agência Ecclesia

Papa Francisco reforça papel das 'periferias' no Colégio Cardinalício 0

O Papa Francisco anunciou no dia 4 de janeiro a criação de 15 novos cardeais eleitores a serem investidos no dia 14 de fevereiro numa lista que inclui prelados de Cabo Verde, Etiópia, Mianmar, Panamá, Tonga, Tailândia, Vietnã, entre outros.

À imagem do que aconteceu em 2014 no primeiro Consistório do pontificado, Francisco reforça a presença das ‘periferias’ da Igreja Católica no Colégio Cardinalício, no qual vai diminuindo o predomínio da Europa e da Cúria Romana.

“No próximo dia 14 de fevereiro terei a alegria de levar a cabo um Consistório, durante o qual vou nomear 15 novos cardeais, os quais provenientes de 14 nações de todos os continentes. Manifestam o laço inquebrável entre a Igreja de Roma e as Igrejas particulares presentes no mundo”, disse o Papa, após a recitação da Oração do Ângelus, perante milhares de pessoas reunidas na Praça de São Pedro.

Dos novos cardeais, apenas um integra a Cúria Romana: Dom Dominique Mamberti, antigo secretário do Vaticano para as relações com os Estados e atual prefeito do Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica.

Dom Manuel Clemente foi o segundo nome a ser anunciado e um dos quatro prelados de dioceses europeias, somando-se a Dom Ricardo Blázquez Pérez, arcebispo de Valladolid (Espanha) e aos italianos Dom Francesco Montenegro, arcebispo de Agrigento (responsável pelo território de Lampedusa), e Dom Edoardo Menichelli, arcebispo de Ancona.

A lista inclui os arcebispos Dom Berhaneyesus Demerew Souraphiel, de Adis Abeba (Etiópia); Dom John Atcherley Dew, de Wellington (Nova Zelândia); Dom Pierre Nguyên, de Hanói (Vietnã); Dom Alberto Suárez Inda, de Morelia (México); Dom Charles Maung Bo, de Rangum (Mianmar); Dom Francis Xavier Kriengsak Kovithavanij, de Bancoc (Tailândia); Dom Daniel Fernando Sturla Berhouet, de Montevidéu (Uruguai).

O Papa vai ainda criar cardeais os bispos Dom José Luis Lacunza Maestrojuán, de David (Panamá); Dom Arlindo Gomes Furtado, de Santiago de Cabo Verde; e Dom Soane Patita Paini Mafi, de Tonga, que aos 53 anos será o mais jovem membro do Colégio Cardinalício.

Além dos 15 eleitores, Francisco decidiu criar cinco cardeais com mais de 80 anos de idade, reconhecendo “a sua caridade pastoral no serviço à Santa Sé e à Igreja”: Dom José de Jesús Pimiento Rodríguez, arcebispo emérito de Manizales (Colômbia); Dom Luigi De Magistris, italiano, pró-penitenciário-mor emérito; Dom Karl-Joseph Rauber, alemão, antigo núncio apostólico; Dom Luis Héctor Villalba, arcebispo emérito de Tucumán (Argentina) e Dom Júlio Duarte Langa, bispo emérito de Xai-Xai (Moçambique).

Francisco pediu orações para que os novos cardeais, “renovando o seu amor a Cristo, sejam testemunhas do seu Evangelho na cidade de Roma e no mundo” e com a sua experiência pastoral o apoiem na sua missão.

Atualmente, há 110 cardeais eleitores, número que vai subir para 125 após o Consistório de fevereiro, 31 dos quais criados pelo Papa Francisco.

A partir do próximo Consistório – reunião de cardeais para debater assuntos importantes da vida da Igreja, convocada pelo Papa – a distribuição geográfica dos cardeais eleitores num eventual Conclave será a seguinte:

Europa - 57;

América - 36 (17 do Norte e 19 latino-americanos);

África - 15;

Ásia - 14;

Oceânia - 3.

Até final de 2015, quatro cardeais vão completar 80 anos de idade.

O porta-voz do Vaticano emitiu uma nota a explicar que o Pontífice argentino não se sente “vinculado” à tradição das “sedes cardinalícias”, motivadas por razões históricas em diversos países.

“Vemos a presença de países que nunca tiveram um cardeal (Cabo Verde, Tonga, Mianmar), de pequenas comunidades eclesiais ou em situação de minoria”, afirmou.

Nesse contexto, explicou o padre Federico Lombardi, insere-se a escolha de Dom Arlindo Gomes Furtado, bispo de uma das “mais antigas dioceses africanas”.

O bispo de Santiago de Cabo Verde nasceu a 4 de outubro de 1949; fez os seus estudos teológicos em Portugal e regressou ao seu país, onde foi ordenado padre em 1976.

Em novembro de 2003 foi nomeado pelo Papa João Paulo II como primeiro bispo da nova Diocese de Mindelo; foi ordenado bispo a 22 de fevereiro de 2004.

Dom Arlindo Furtado, 34º bispo de Cabo Verde, tomou posse formalmente como bispo de Santiago a 15 de agosto de 2009.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.