Arquidiocese do Rio de Janeiro

36º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 12/12/2018

12 de Dezembro de 2018

Congresso dos Líderes das Religiões Mundiais será em junho

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

12 de Dezembro de 2018

Congresso dos Líderes das Religiões Mundiais será em junho

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

08/01/2015 17:32 - Atualizado em 08/01/2015 17:33
Por: Rádio Vaticano

Congresso dos Líderes das Religiões Mundiais será em junho 0

Congresso dos Líderes das Religiões Mundiais será em junho / Arqrio

Segue em ritmo acelerado a preparação do V Congresso dos Líderes das Religiões Mundiais, a ser realizado nos dias 10 e 11 de junho próximo na cidade de Astana, capital do Cazaquistão. A iniciativa nasceu no Vaticano quando da visita do Presidente da República, Nursultan Nazarbayev, a João Paulo II. Na ocasião, o Presidente casaque pediu o apoio da Santa Sé para iniciar no país uma iniciativa de diálogo entre as religiões.

Em resposta ao pedido de Nazarbayev, o Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso enviou ao país centro-asiático o responsável para o diálogo com o Islã, dando início assim a uma estreita colaboração que se perpetua até os dias de hoje. O país promotor do evento representa a mais rica variedade étnico cultural e religiosa

Religião e Estado

O governo casaque considera fundamental a promoção do diálogo entre as religiões, motivo pelo qual auxilia o Chefe do Secretariado  para o Diálogo e Presidente do Senado, Kassym-Jomart Tokayev,  a organizar os encontros, através dos Ministério dos Assuntos Exteriores e do Esporte e da Cultura, que compreende o Comitê para os Assuntos Religiosos. O representante do dicastério vaticano, Khaled Akasheh sempre encorajou a parte casaque a “exercer uma sã e necessária distinção entre religião e política, também na organização dos congressos”.

Preparação do encontro: tema e sub-temas

Em preparação ao encontro de junho são realizadas reuniões permanentes que contam com representantes das maiores religiões do mundo: as religiões monoteístas abraâmicas – judaísmo, cristianismo e islamismo – e as orientais: hinduísmo e budismo.  Os participantes da reunião do Secretariado aprovaram no último encontro o tema do Congresso : “O diálogo dos líderes religiosos e dos políticos pela paz e o desenvolvimento”.

Também foram aprovados quatro sub-temas: “A religião e os líderes políticos: a responsabilidade pelo gênero humano”;  “A influência das religiões sobre os jovens: educação, ciência, cultura e mídia de massa”; “Religiões e política: novas tendências e perspectivas”;  “Diálogo fundado no respeito recíproco e a compreensão entre os lídres e os seguidores das religiões mundiais e tradicionais para a paz, a segurança e a harmonia”.

Terrorismo associado à religião

No encontro tratou-se também da dramática situação vivida pelos cristãos no Iraque e na Síria, assim como de outras comunidades minoritárias, o que levou os participantes a emitir uma declaração conjunta sobre o tema. Os signatários afirmam que “tendo considerado o papel dos líderes religiosos ao tratar temáticas que o mundo está enfrentando, e exprimindo a aspiração comum de todas as religiões à paz e à segurança, decidem de maneira unânime apelar à comunidade internacional para que condene de forma veemente o extremismo, o radicalismo, a violência e o terrorismo, denunciando-o como imoral e criminoso; de afirmar que os atos terroristas nunca devem ser associados ou justificados por qualquer religião ou crença”.

O cristianismo era representado na reunião pelas Igrejas Católica, Ortodoxa, Greco-Ortodoxa, Russa Ortodoxa, Federação Luterana Mundial e Comunhão Anglicana. O Islã era representado pelos dois maiores ramos, o sunita e o xiita (Irã).

O Chefe de Gabinete para o Islã do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso, Khaled Akasheh, adverte que “o respeito à liberdade religiosa encontra diante de si um desafio: garantir a segurança do próprio território e dos cidadãos. Um equilíbrio certamente não fácil no turbulento cenário mundial”. 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.