Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 20/05/2019

20 de Maio de 2019

Papa denuncia "grande mentira" por detrás da expressão "qualidade de vida"

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

20 de Maio de 2019

Papa denuncia "grande mentira" por detrás da expressão "qualidade de vida"

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

30/12/2014 12:05 - Atualizado em 30/12/2014 12:05
Por: Agência Ecclesia

Papa denuncia "grande mentira" por detrás da expressão "qualidade de vida" 0

Papa denuncia

O Papa Francisco anunciou  sua  mensagem para o Dia Mundial do Doente de 2015 a “grande mentira” que confunde o direito a viver com a chamada ‘qualidade de vida’.

“Que grande mentira se esconde por trás de certas expressões que insistem muito sobre a «qualidade da vida» para fazer crer que as vidas gravemente afetadas pela doença não mereceriam ser vividas”, escreve, no texto divulgado hoje no Vaticano.

O 23.º Dia Mundial do Doente vai celebrar-se a 11 de fevereiro de 2015, com o tema «Sapientia cordis [sabedoria do coração]. “Eu era os olhos do cego e servia de pés para o coxo” (Job 29, 15). 

Segundo o Papa, a experiência do sofrimento pode tornar-se “lugar privilegiado da transmissão da graça e fonte para adquirir e fortalecer a "sapientia cordis”, mesmo quando a doença, a solidão e a incapacidade “levam a melhor”.

“Sabedoria do coração é servir o irmão” e “sair de si ao encontro do irmão”, sublinha Francisco, recordando os cristãos que dão testemunho com “a sua vida radicada numa fé genuína” e as pessoas que “permanecem junto dos doentes que precisam de assistência contínua, de ajuda para se lavar, vestir e alimentar”.

“Sabedoria do coração é estar com o irmão. O tempo gasto junto do doente é um tempo santo”, acrescenta.

A mensagem realça o valor do acompanhamento, “muitas vezes silencioso”, que leva a dedicar tempo aos doentes, os quais se sentem assim “mais amados e confortados”.

“Às vezes, o nosso mundo esquece o valor especial que tem o tempo gasto à cabeceira do doente, porque, obcecados pela rapidez, pelo frenesim do fazer e do produzir, se esquece da dimensão da gratuidade, do prestar cuidados, do encarregar-se do outro”, lamenta o Papa.

O texto reafirma a “absoluta prioridade da ‘saída de si próprio para o irmão”, como um dos dois mandamentos principais que “fundamentam toda a norma moral”.

Na sua reflexão sobre a ‘sabedoria do coração’, Francisco defende a necessidade de “ser solidário com o irmão, sem o julgar” e pede “tempo para cuidar dos doentes e tempo para os visitar”.

“A verdadeira caridade é partilha que não julga, que não tem a pretensão de converter o outro”, prossegue.

O Papa observa que “também as pessoas imersas no mistério do sofrimento e da dor” se podem tornar “testemunhas vivas duma fé que permite abraçar o próprio sofrimento”.

A mensagem para o Dia Mundial do Doente de 2015 conclui-se com uma oração de Francisco à Virgem Maria.

“Ó Maria, Sede da Sabedoria, intercedei como nossa Mãe por todos os doentes e quantos cuidam deles. Fazei que possamos, no serviço ao próximo sofredor e através da própria experiência do sofrimento, acolher e fazer crescer em nós a verdadeira sabedoria do coração”, escreve o Papa.

Leia a mensagem na íntegra: http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/messages/sick/documents/papa-francesco_20141203_giornata-malato.html

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.