Arquidiocese do Rio de Janeiro

30º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 22/05/2019

22 de Maio de 2019

Advento, tempo de consolar os mais frágeis

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

22 de Maio de 2019

Advento, tempo de consolar os mais frágeis

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

07/12/2014 00:00 - Atualizado em 08/12/2014 13:11
Por: Rádio Vaticano

Advento, tempo de consolar os mais frágeis 0

Advento, tempo de consolar os mais frágeis / Arqrio

O Papa Francisco rezou na manhã de domingo, 07, a oração mariana do Angelus e fez uma reflexão sobre a liturgia junto aos fiéis que lotaram a Praça São Pedro para passar este momento em sua companhia. O dia ensolarado contribuiu, e estima-se que mais de 50 mil pessoas compareceram ao encontro.

Este domingo marca a segunda etapa do Tempo do Advento, e para o Papa, “é um período maravilhoso, que desperta em nós a espera pelo retorno de Cristo e a memória de sua histórica vinda”.

Partindo da mensagem de esperança lançada por Isaías ao povo no exílio, em que anunciava que o tempo da tribulação havia acabado, pois Jesus estava para chegar, o Papa lembrou que o povo de Israel podia finalmente olhar com confiança ao futuro, depois de passar por tão duras provações. A tristeza e o medo dariam lugar à alegria, porque o Senhor guiaria o seu povo no caminho da libertação e da salvação.

“De que modo Ele fará tudo isso?” – questionou Francisco. “Com a solicitude e a ternura de um pastor que cuida de seu rebanho. Ele dará unidade e segurança ao rebanho, o fará apascentar, vai reunir os animais dispersos, carregar os cordeiros nas dobras de seu manto, especialmente os mais frágeis. É assim que Deus se comporta conosco, suas criaturas. Por isso, o Profeta convida aqueles que o ouvem – inclusive nós, hoje – a difundir em meio ao povo esta mensagem de esperança”.

O Bispo de Roma lembrou que no entanto, não podemos ser mensageiros da consolação de Deus se não sentirmos, antes de tudo, a alegria de ser consolados e amados por Ele. E isto acontece especialmente quando ouvimos a sua Palavra, quando rezamos silenciosamente diante Dele, quando o encontramos na Eucaristia ou no sacramento do Perdão. “Levem o Evangelho sempre no bolso, na bolsa, sempre com vocês”, improvisou.

Na prática, prosseguiu o Papa, “hoje há tanta necessidade de pessoas que sejam testemunhas da misericórdia e da ternura do Senhor, que chacoalha os acomodados, reanima os que não têm confiança, acende o fogo da esperança. Nosso testemunho e consolo podem ser importantes hoje em muitas situações, por exemplo, junto a quem está oprimido por sofrimentos, injustiças e abusos; com aqueles que são escravos do dinheiro, do poder, do sucesso, da mundanidade. Coitadinhos, vivem de falsas consolações!. Todos somos chamados a consolar nossos irmãos, testemunhando que somente Deus pode eliminar as causas dos dramas existenciais e espirituais”.

O Papa concluiu o encontro reafirmando que a mensagem de Isaías fala hoje ao nosso coração para nos dizer que Deus esquece dos nossos pecados e nos consola. Se nós nos confiarmos a Ele com o coração humilde e arrependido, Ele abaterá os muros do mal, preencherá as lacunas de nossas omissões, aplanará a soberba e a vaidade e abrirá o caminho ao encontro com Ele.  

Improvisando mais uma vez, Francisco acrescentou as seguintes palavras: “É curioso, mas muitas vezes nós temos medo da consolação, de ser consolados. Ao contrário, nos sentimos mais seguros na tristeza e na desolação. Sabem por que? Porque na tristeza, nós somos protagonistas; e na consolação, é o Espírito Santo o protagonista! É Ele que nos consola, é Ele que nos dá a coragem para sairmos de nós mesmos. É Ele que nos leva à fonte do verdadeiro consolo, ou seja, o Pai. É esta a conversão. Por favor, deixem-se consolar pelo Senhor!”, terminou Francisco, saudando os presentes com as mãos e com um sorriso.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.