Arquidiocese do Rio de Janeiro

38º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 14/12/2018

14 de Dezembro de 2018

Papa pede diálogo e condena fundamentalismos

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

14 de Dezembro de 2018

Papa pede diálogo e condena fundamentalismos

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

01/12/2014 12:20 - Atualizado em 01/12/2014 12:21
Por: Agência Ecclesia

Papa pede diálogo e condena fundamentalismos 0

Papa pede diálogo e condena fundamentalismos / Arqrio

O Papa Francisco encerrou no domingo, 30 de novembro, em Istambul uma visita de três dias à Turquia, a sexta viagem internacional do pontificado, na qual deixou vários apelos contra o terrorismo e o fundamentalismo, lembrando as vítimas das guerras no Médio Oriente.

Francisco foi recebido pelas autoridades políticas do país em Ancara, começando por sublinhar o papel da Turquia como “ponte” entre dois continentes e a sua responsabilidade no combate ao extremismo, particularmente visível na ação do ‘Daesh’, o autoproclamado Estado Islâmico.

“Particularmente preocupante é o fato de que, sobretudo por causa de um grupo extremista e fundamentalista, comunidades inteiras – especialmente de cristãos e yazidis, mas não só – tenham sofrido, e ainda sofram, violências desumanas por causa da sua identidade étnica e religiosa”, declarou, no segundo discurso da viagem, no ‘Diyanet’, a Presidência para os Assuntos Religiosos - a mais alta autoridade islâmica sunita na Turquia.

Tal como fizera no palácio presidencial de Ancara, onde o terrorismo e as perseguições contra minorias religiosas na Síria e Iraque, Francisco recordou as centenas de milhares de pessoas que foram tiradas “à força das suas casas” e “tiveram de abandonar tudo para salvar a sua vida e não renegar a fé”.

O segundo dia da viagem, já em Istambul, começou com uma visita à Mesquita Azul, onde à imagem de Bento XVI, o Papa se descalçou e se manteve em "adoração silenciosa", virado para Meca, durante mais de um minuto.

Mais tarde, na única celebração pública para a comunidade católica, Francisco desafiou os vários membros da Igreja, nos seus diversos ritos, a construir a “unidade” entre si, rejeitando qualquer postura “defensiva”.

A reta final da viagem centrou-se no diálogo com o Patriarcado Ecumênico de Constantinopla (Igreja Ortodoxa), em vários encontros ecumênicos com Bartolomeu I, ‘primus inter pares’ no mundo ortodoxo, a quem o Papa pediu que o abençoasse a si e à “Igreja de Roma”.

Os dois responsáveis, que sublinharam os avanços rumo à “comunhão plena” entre as duas Igrejas, mostraram a sua preocupação com o Cristianismo no Médio Oriente, numa declaração conjunta.

Francisco e Bartolomeu I denunciaram a “dramática situação dos cristãos e de todos aqueles que sofrem no Médio Oriente”, que exige “não só uma oração constante, mas também uma resposta apropriada por parte da comunidade internacional”.

“Não podemos resignar-nos com um Médio Oriente sem os cristãos, que ali professaram o nome de Jesus durante dois mil anos”, sustentam.

Antes, na igreja patriarcal de São Jorge, onde Francisco se associou à festa de Santo André, patrono do Patriarcado de Constantinopla, o Papa denunciou o “pecado gravíssimo” da guerra, recordando as vítimas dos países vizinhos, numa alusão indireta à ação dos jihadistas do Daesh.

“Algumas nações vizinhas estão marcadas por uma guerra atroz e desumana” declarou.

Simbolicamente, o programa concluiu-se com um encontro privado entre o Papa e um grupo de jovens e adolescentes refugiados, criticando “o triste resultado de conflitos exacerbados e da guerra, que é sempre um mal e nunca constitui a solução dos problemas, antes pelo contrário, cria outros”.

Esta foi a sexta viagem internacional do atual pontificado e a quarta visita de um Papa à Turquia.

* Foto: Lusa

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.