Arquidiocese do Rio de Janeiro

38º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 14/12/2018

14 de Dezembro de 2018

Papa e patriarca de Constantinopla manifestam preocupação pelo Iraque e a Síria

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

14 de Dezembro de 2018

Papa e patriarca de Constantinopla manifestam preocupação pelo Iraque e a Síria

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

30/11/2014 18:30 - Atualizado em 30/11/2014 18:36
Por: Agência Ecclesia

Papa e patriarca de Constantinopla manifestam preocupação pelo Iraque e a Síria 0

Papa e patriarca de Constantinopla manifestam preocupação pelo Iraque e a Síria / Arqrio

O Papa Francisco e o patriarca ecumênico de Constantinopla (Igreja Ortodoxa), Bartolomeu I, assinaram neste domingo, 30 de novembro,  uma declaração conjunta na Turquia em que apelam à intervenção internacional em defesa dos cristãos no Médio Oriente.

“Expressamos a nossa preocupação comum pela situação no Iraque, na Síria e em todo o Médio Oriente”, refere o texto, divulgado pelo Vaticano.

A assinatura decorreu na sede do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla, a atual Istambul, após uma celebração na igreja de São Jorge, assinalando a festa de Santo André, patrono do patriarcado.

Francisco e Bartolomeu I denunciam a “dramática situação dos cristãos e de todos aqueles que sofrem no Médio Oriente”, que exige “não só uma oração constante mas também uma resposta apropriada por parte da comunidade internacional”.

Veja mais sobre a Declaração Conjunta: http://goo.gl/nk8ow2

“Não podemos resignar-nos com um Médio Oriente sem os cristãos, que ali professaram o nome de Jesus durante dois mil anos”, sustentam os dois líderes cristãos, recordando que muitos “são perseguidos e, com a violência, foram forçados a deixar as suas casas”.

“Até parece que se perdeu o valor da vida humana e que a pessoa humana já não tem importância alguma, podendo ser sacrificada a outros interesses. E, tragicamente, tudo isto se passa perante a indiferença de muitos”, advertem o Papa e o patriarca ecumênico.

A declaração conjunta revela a unidade de católicos e ortodoxos “no desejo de paz e estabilidade” e na vontade de “promover a resolução dos conflitos através do diálogo e da reconciliação”.

“Apelamos a quantos têm a responsabilidade dos destinos dos povos que intensifiquem o seu empenho a favor das comunidades que sofrem, consentindo a todas, incluindo as cristãs, de permanecerem na sua terra natal”, assinalam.

A declaração alude ainda à importância do “diálogo construtivo com o Islão”: “Muçulmanos e cristãos são chamados a trabalhar, juntos, por amor da justiça, da paz e do respeito pela dignidade e os direitos de cada pessoa, especialmente nas regiões onde durante séculos viveram em coexistência pacífica e agora, tragicamente, sofrem juntos os horrores da guerra”.

O Papa e o patriarca ecumênico deixam uma palavra de solidariedade a “todos os povos que sofrem por causa da guerra”, em particular na Ucrânia.

“Apelamos às partes envolvidas no conflito para que procurem o caminho do diálogo e do respeito pelo direito internacional para pôr fim ao conflito e permitir que todos os ucranianos vivam em harmonia”, referem.

O texto fala num “ecumenismo do sofrimento”, sustentando que “a partilha dos sofrimentos diários pode ser um instrumento eficaz de unidade”.

Nesse sentido, é apresentado o “desejo de continuar a caminhar juntos” a fim de superar os obstáculos que dividem a Igreja Católica e a Igreja Ortodoxa.

“Expressamos a nossa intenção sincera e firme de, em obediência à vontade de nosso Senhor Jesus Cristo, intensificar os nossos esforços pela promoção da unidade plena entre todos os cristãos, e sobretudo entre católicos e ortodoxos”, assumem os responsáveis.

Francisco e Bartolomeu I deixam uma palavra de estímulo ao trabalho promovido pela Comissão Mista Internacional para o diálogo teológica, instituída exatamente há 35 anos, que “se encontra atualmente a tratar das questões mais difíceis que marcaram a história” da divisão entre as duas Igrejas e que requerem “um estudo cuidadoso e profundo”.

Após a assinatura desta declaração, o Papa e o patriarca almoçam com alguns membros das respectivas delegações na sede do Patriarcado, situando no Fanar, no antigo bairro grego de Istambul.

*Foto: Lusa

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.