Arquidiocese do Rio de Janeiro

37º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 16/12/2018

16 de Dezembro de 2018

Aborto: quando alguém atrapalha, pode ser eliminado

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

16 de Dezembro de 2018

Aborto: quando alguém atrapalha, pode ser eliminado

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

25/03/2013 15:19
Por: Aleteia

Aborto: quando alguém atrapalha, pode ser eliminado 0

Aborto: quando alguém atrapalha, pode ser eliminado / Arqrio

A Igreja Católica no Brasil reagiu à decisão do Conselho Federal de Medicina  (CFM), manifestada na semana passada, de se posicionar a favor do aborto até a 12ª semana, como prevê a proposta do novo Código Penal, que está em discussão no Senado.

O aborto é crime no país, exceto quando não há outro meio de salvar a vida da gestante ou quando a gravidez resulta de estupro. 

Segundo a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, para justificar sua posição, o CFM evocou a autonomia da mulher e do médico, mas ignorou completamente a criança em gestação. 

Em nota divulgada na sexta-feira, o presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB, Dom João Carlos Petrini, afirma que a decisão do CFM “deixa uma mensagem inequívoca: quando alguém atrapalha, pode ser eliminado”. 

A criança em gestação “não é um amontoado de células sem maior significado, mas um ser humano com uma identidade biológica bem definida; com um código genético próprio, diferente do DNA da mãe”. 

“Amparado no ventre materno, o nascituro não constitui um pedaço do corpo de sua genitora, mas é um ser humano vivo com sua individualidade. A esse respeito convergem declarações de geneticistas e biomédicos.”

 “Todos esses fatores precisam ser considerados no complexo debate sobre o aborto, reconhecendo os direitos do nascituro, dentre os quais o direito inviolável à vida que vem em primeiro lugar”, afirma a nota do organismo católico. 

Dom João Carlos Petrini afirma que o uso apropriado da razão reconheceria os direitos do nascituro, sendo o primeiro deles o direito inviolável à vida. Segundo Dom Petrini, o aborto não é uma solução. Ele pede a implantação de “políticas públicas que criem formas de amparo às mulheres grávidas nas mais variadas situações de vulnerabilidade e de alto risco, de tal modo que cada mulher, mesmo em situações de grande fragilidade, possa dar à luz seu bebê”. 

“Esta solução é a melhor tanto para a criança, que tem sua vida preservada, quanto para a mulher, que fica realizada quando consegue ter condições para levar a gravidez até o fim, evitando o drama e o trauma do aborto.”

Confira no arquivo abaixo as considerações do presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e Família da CNBB, dom João Carlos Petrini sobre a nota do Conselho Federal de Medicina.

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.