Arquidiocese do Rio de Janeiro

28º 20º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 22/07/2019

22 de Julho de 2019

"A pior corrupção é a mundanidade"

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

22 de Julho de 2019

"A pior corrupção é a mundanidade"

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

27/11/2014 11:06 - Atualizado em 27/11/2014 11:06
Por: Rádio Vaticano

"A pior corrupção é a mundanidade" 0

Mesmo em meio às dificuldades o cristão não cede à depressão. Este foi o centro da homilia do Papa na missa celebrada na manhã desta quinta-feira, 27, na Casa Santa Marta. Francisco advertiu que a corrupção e a distração nos afastam do encontro com o Senhor.

Babilônia e Jerusalém: Estas duas cidades, citadas no Apocalipse e no Evangelho de São Lucas, atraem a nossa atenção para o fim deste mundo. O Papa meditou sobre “a ruína destas duas cidades que não acolheram o Senhor”. Elas caíram por motivos diferentes: Babilônia é o símbolo do mal, do pecado, caiu por causa da corrupção, porque se sentia dona do mundo e de si mesma. “E quando se acumulam pecados, perde-se a capacidade de reagir e começa-se a apodrecer”. “O mesmo acontece com as pessoas corruptas, que não têm força para reagir”:

“A corrupção dá alguma felicidade, dá poder e faz você se sentir satisfeito de si mesmo: não deixa espaço para o Senhor, para a conversão... a cidade corrupta... esta palavra, ‘corrupção’, hoje nos diz muito: não só corrupção econômica, mas corrupção com muitos pecados: com o espírito pagão, com o espírito mundano. A pior corrupção é o espírito da mundanidade”.

Esta “cultura corrupta”, acrescentou, “faz com que nos sintamos aqui como se estivéssemos no Paraíso: plenos, abundantes”, mas “por dentro essa cultura corrupta é uma cultura podre”. No símbolo dessa Babilônia, disse ainda Francisco, “está toda sociedade, toda cultura, toda pessoa distante de Deus, distante também do amor ao próximo, que acaba por apodrecer”. Jerusalém, prosseguiu, “cai por outro motivo”. Jerusalém é a esposa do Senhor, mas não percebe a visita do Esposo, “fazendo com que o Senhor chorasse”:

“Babilônia cai por corrupção; Jerusalém, por distração, por não receber o Senhor que vem salvá-la. Não sentia a necessidade de salvação. Tinha as escrituras dos profetas, de Moisés e isso era lhe era suficiente. Mas erma escrituras fechados! Não deixavam lugar para a salvação: tinha a porta fechada para o Senhor! O Senhor batia à porta, mas não havia disponibilidade para recebê-lo, ouvi-lo, deixar-se salvar por Ele. E cai…”

Estes dois exemplos, observou, “podem nos ajudar a pensar na nossa vida”: somos parecidos com “a Babilônia corrupta e autossuficiente” ou com “distraída” Jerusalém? Todavia, destacou o Papa, “a mensagem da Igreja não acaba com a destruição: nos dois textos, há uma promessa de esperança”. Jesus nos exorta a levantar a cabeça, a não deixar-se assustar pelos pagãos. Eles têm seu tempo e devemos ampará-los com paciência, como fez o Senhor com a sua Paixão”:

“Quando pensamos no fim, com todos os nossos pecados, com toda a nossa história, pensamos no banquete que gratuitamente nos será dado e levantamos a cabeça. Nada de depressão: esperança! Mas a realidade é má: há muitos, muitos povos, cidades e pessoas que sofrem; tantas guerras, tanto ódio, inveja, mundanidade espiritual e corrupção. Sim, é verdade! Tudo isso ruirá! Mas peçamos ao Senhor a graça de estarmos preparados para o banquete que nos espera, com a cabeça sempre erguida”. 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.