Arquidiocese do Rio de Janeiro

24º 13º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 18/07/2019

18 de Julho de 2019

No Angelus, Papa incentivou os santos de hoje a seguirem o exemplo dos bons pastores

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

18 de Julho de 2019

No Angelus, Papa incentivou os santos de hoje a seguirem o exemplo dos bons pastores

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

23/11/2014 15:36 - Atualizado em 23/11/2014 15:37
Por: Rádio Vaticano

No Angelus, Papa incentivou os santos de hoje a seguirem o exemplo dos bons pastores 0

No Angelus, Papa incentivou os santos de hoje a seguirem o exemplo dos bons pastores / Arqrio

Para Jesus, reinar não é comandar, sob “os moldes deste mundo” mas “obedecer ao Pai”, para que se cumpra o seu plano de amor e salvação. Essa é a reflexão do Papa Francisco durante a solenidade de nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo, durante esta manhã, na Praça São Pedro. A Santa Missa era de canonização dos italianos Giovanni Antonio Farina, Ludovico da Casoria, Nicola de Longobardi, Amato Ronconi e dos indianos Kuriakose Elias Chavara daa Sagrada Família e Eufrasia Eluvathingal do Sagrado Coração.

A salvação começa “da imitação das obras de misericórdia” mediante as quais Cristo realizou o seu reino, de verdade e de vida, de santidade e de graça, de justiça, de amor e de paz. Papa Francisco lembrou isso aos cerca de 50 mil fiéis que, mesmo com o céu da Praça São Pedro ameaçando chuva, acompanharam, emocionados, o rito de canonização dos seis Beatos, unindo em um único panorama, as cores e a espiritualidade da Índia e da Itália.

“Hoje a Igreja”, disse o Papa, “nos coloca a frente de modelos de novos santos que, justamente através de obras de uma generosa dedicação a Deus e aos irmãos, serviram, cada um no seu próprio âmbito, o reino de Deus e se transformaram em herdeiros.”

“Cada um deles responde com uma criatividade extraordinária ao mandamento do amor a Deus e ao próximo. Eles se dedicaram ao serviço dos últimos, auxiliando indigentes, doentes, idosos, peregrinos. A afeição deles para os pequenos e os pobres era o reflexo e a medida de amor incondicional a Deus. Na verdade, procuraram e descobriram a caridade em relação forte e pessoal com Deus, da qual se emana o verdadeiro amor pelo próximo.”

Refletindo como Jesus tenha realizado o seu reino, o Papa, referindo-se à Primeira Leitura do dia do Profeta Ezequiel sobre o amor do Pastor em relação ao seu rebanho, explicou como Cristo seja realmente “o grande Pastor das ovelhas e protetor de nossas almas".

“E muitos na Igreja somos chamados a ser pastores, não podemos nos afastar desse modelo, se não quisermos nos tornar mercenários. Em relação a isso, o povo de Deus possui um faro infalível em reconhecer os bons pastores e distingui-los dos mercenários.”

Após a Ressureição, que marca “a sua vitória”, Jesus leva em frente o seu reino preparado “desde a fundação do mundo”. “É o Pai”, acrescentou o Papa Francisco, “que pouco a pouco submete tudo ao Filho e, ao mesmo tempo, submete tudo ao Pai”.

“Jesus não é um rei nos moldes deste mundo: para Ele reinar não é mandar, mas obedecer ao Pai, entregar-se a Ele, para que se cumpra o seu plano de amor e de salvação. Assim, existe plena reciprocidade entre o Pai e o Filho. Portanto, o reino de Cristo é o longo período da submissão de tudo ao Filho e da entrega de tudo ao Pai.”

O último inimigo a derrotar, prosseguiu Francisco, será a morte. E, “quando tudo lhe estiver sujeito, então também o próprio Filho renderá homenagem àquele que lhe sujeitou todas as coisas. A fim de que Deus seja tudo em todos”. O Evangelho nos diz, afirmou o Papa, o que o reino de Jesus pede a nós: “nos lembra que a proximidade e a ternura são a regra de vida também para nós e por isto seremos julgados.”

“No final da vida seremos julgados pelo amor, pela proximidade e ternura pelos irmãos. Disso dependerá a nossa participação ou menos no reino de Deus, a nossa colocação em uma ou outra parte. Jesus, com a sua vitória, nos abriu o seu reino, mas cabe a cada um de nós entrar ali, já a partir desta vida, fazendo-nos concretamente próximos ao irmão que pede pão, roupa, acolhida, solidariedade. E se verdadeiramente amarmos esse irmão ou irmã, seremos impelidos a partilhar com ele ou com ela aquilo que temos de mais precioso, isto é, Jesus mesmo e o seu Evangelho!”

O desejo do Pontífice foi, então, “que os novos santos, com o seu exemplo e a sua intercessão, façam crescer em nós a alegria de caminhar na via do Evangelho, a decisão de assumi-lo como a bússola de nossa vida”.

“Sigamos as suas pegadas, imitando a sua fé e a sua caridade, para que também a nossa esperança se revista de imortalidade. Não deixemo-nos distrair por outros interesses terrenos e passageiros. E que nos guie no caminho em direção aos Céus a Mãe, Maria, Rainha de todos os Santos.”

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.