Arquidiocese do Rio de Janeiro

36º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 12/12/2018

12 de Dezembro de 2018

Cajado de Santa Teresa de Jesus

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

12 de Dezembro de 2018

Cajado de Santa Teresa de Jesus

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

22/10/2014 20:24 - Atualizado em 22/10/2014 20:32
Por: Carlos Moioli (moioli@arquidiocese.org.br)

Cajado de Santa Teresa de Jesus 0

Cajado de Santa Teresa de Jesus  / Arqrio

Para assinalar os 500 anos de nascimento de Santa Teresa de Jesus, a Ordem dos Carmelitas Descalços iniciou no dia 15 de outubro um vasto conjunto de iniciativas de âmbito espiritual e cultural em todo o mundo, denominado Caminho de Luz.

O símbolo expressivo da comemoração do Ano Teresiano, que se encerra no dia 15 de outubro de 2015, é o cajado usado pela ‘Santa Madre’ para fundação de carmelos.  A relíquia saiu de Ávila, na Espanha, onde ela viveu e irá percorrer 30 países.

A peregrinação começou no Brasil passando por São Paulo, e no dia 19 chegou ao Rio de Janeiro, onde o cajado foi venerado na Basílica de Santa Teresinha, na Tijuca e no bairro de Santa Teresa, no Carmelo e Paróquia Santa Teresa.

Na Paróquia de Santa Teresa, o cajado foi recebido pelo pároco, padre José Brito Terceiro, e pelos fiéis da comunidade, no dia 20 de outubro, com a celebração de missa, às 18h, presidida pelo provincial carmelita descalço, frei Cleber da Trindade, da Província São José.

Na homilia, frei Cleber fez uma catequese sobre a vida mística de Santa Teresa, destacando sobre os pontos das ‘Moradas’, que na opinião da santa é ‘onde se passam as coisas mais secretas entre Deus e a alma’.

“Neste ano jubilar, não deixemos passar a graça – o kairós – para rever e aprofundar nossa relação com Jesus. Deixemos de lado a preguiça, o cansaço, o desânimo, a indiferença, enfim, o pecado que tem castigado nossas comunidades e sejamos verdadeiros filhos e filhas de Teresa, procurando e encontrando Jesus em nossa vida, no profundo de nossa alma e em nossas comunidades”, apontou frei Cleber.

Segundo o pároco, padre Brito, a presença do cajado foi importante para a comunidade, porque os fiéis tiveram a oportunidade de conhecer melhor a vida e a espiritualidade da padroeira. “O cajado recorda a peregrinação que Santa Teresa fazia para fundar novos carmelos. Ela ainda hoje continua peregrinando, mostrando que o Caminho de Luz é o próprio Cristo”, disse o pároco.

Sobre o cajado, padre Brito explicou que ele é muito significativo para os cristãos hoje, já que é uma relíquia conservada há quase 500 anos. “É uma peça aparentemente sem valor, mas tem um significado místico. Por ser de madeira nos remete à cruz onde Cristo entregou a sua vida por nós. Caminhando e apoiando no seu cajado, ela seguramente enfrentou muitos desafios, muitas cruzes para realizar a sua missão como andarilha do Senhor”, concluiu padre Brito.

A primeira mulher a ser proclamada doutora da Igreja, Santa Teresa, nasceu no dia 28 de março de 1515, em Ávila, na Espanha, e morreu no dia 4 de outubro de 1582, em Alba de Tormes, aos 67 anos. 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.