Arquidiocese do Rio de Janeiro

24º 13º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 18/07/2019

18 de Julho de 2019

Apresentado Relatório sobre os debates da Assembleia Geral do Sínodo 2014

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

18 de Julho de 2019

Apresentado Relatório sobre os debates da Assembleia Geral do Sínodo 2014

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

13/10/2014 09:35 - Atualizado em 13/10/2014 09:35
Por: Rádio Vaticano

Apresentado Relatório sobre os debates da Assembleia Geral do Sínodo 2014 0

temp_title10703981_656351034472947_1269128968809976672_n_13102014093314Na manhã de segunda-feira, 13, o Cardeal Relator-geral do Sínodo, Peter Erdo, apresentou aos padres sinodais o ‘Relatório pós-congregações”. O documento reúne as principais reflexões debatidas no Vaticano durante a primeira semana e servirá como base para os documentos finais do Sínodo.

O Relatório tem três linhas-mestres: ouvir o contexto cultural em que vivem as famílias hoje; confrontar-se sobre as perspectivas pastorais a serem empreendidas e principalmente, olhar a Cristo e ao seu Evangelho da família. Propõe “escolhas pastorais corajosas” em relação a divorciados recasados e casais conviventes. Sobre as uniões homossexuais – embora destacando que “não podem ser equiparadas ao matrimônio entre homem e mulher” e “sem negar as problemáticas morais”, o documento admite que “existem casos em que o mútuo apoio constitui um sustento precioso para a vida dos parceiros”.

“A fórmula pastoral ‘misericórdia aliada à doutrina’ não significa decisões nem perspectivas fáceis”, frisou o Cardeal Erdo, abrindo o debate que prosseguirá nos círculos menores até domingo e depois, em cada diocese até o próximo Sínodo, de 4 a 25 de outubro de 2015.
O arcebispo húngaro destacou que o objetivo continua a ser “encontrar caminhos de verdade e misericórdia para todos”, segundo uma abordagem que permita apreciar mais “os valores positivos do que os limites e carências”. O Relatório afirma que “é preciso acolher as pessoas com suas existências concretas, saber ajudar na busca, encorajar os desejos de Deus e a vontade de se sentir plenamente parte da Igreja inclusive de quem sofreu um fracasso ou se encontra em situações disparatadas”.

Concretamente, os padres sinodais convidam a “acolher a realidade positiva dos matrimônios civis e, diferenças à parte, das convivências”, para acompanhar os casais na redescoberta do sacramento nupcial. “Mas o anúncio – ressalva o texto – não pode ser meramente teórico e avulso dos problemas reais das pessoas”. Em alguns casos, por exemplo, convive-se porque “se casar é um luxo”. Neste sentido, os padres sinodais pedem uma denúncia por parte da Igreja contra “o excessivo espaço dado à lógica de mercado”, que impede “uma autêntica vida familiar, determinando discriminações, pobreza, exclusões e violência”.

O Relatório aponta ainda a necessidade de “tornar mais acessíveis e ágeis os procedimentos de reconhecimento da nulidade matrimonial”, de incrementar a responsabilidade dos bispos locais e instituir a figura de um sacerdote que, adequadamente preparado, possa oferecer ‘conselhos’.
O documento formaliza também a hipótese de acesso à comunhão aos recasados, “desde que precedido por um caminho penitencial sob a responsabilidade do bispo diocesano, e com um claro compromisso em favor dos filhos”. “Esta possibilidade não pode ser generalizada, mas fruto de um discernimento atuado caso por caso”. “Se é possível a comunhão espiritual, por que não poder acessar à sacramental?” – questiona o Relatório.

Sobre a contracepção, afirma que “é preciso uma linguagem mais realista”: o Sínodo deixa espaço somente aos métodos ‘naturais’ e convida a redescobrir a mensagem da encíclica Humanae Vitae de Paulo VI, que sublinha a necessidade de respeitar a dignidade da pessoa na avaliação moral dos métodos de regular a natalidade”.

Um capítulo é dedicado à questão da homossexualidade que, como se lê no documento, convida a Igreja a um “importante desafio educativo”. O Sínodo considera “não-aceitável” que “organismos internacionais condicionem ajudas financeiras à aceitação de normas inspiradas na ideologia do ‘gender’”. Por sua vez, convida os católicos a se questionar se são capazes de acolher estas pessoas, garantindo-lhes espaços de fraternidade em suas comunidades.

Enfim, o Cardeal Erdö ressalta que o diálogo sinodal se realizou “em grande liberdade e com um estilo de escuta recíproco” e lembra que as reflexões propostas até agora não são decisões já tomadas: “o caminho prosseguirá com o Sínodo de 2015”.



Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.