Arquidiocese do Rio de Janeiro

38º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 14/12/2018

14 de Dezembro de 2018

“As pessoas gritam por solidariedade internacional”

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

14 de Dezembro de 2018

“As pessoas gritam por solidariedade internacional”

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

26/08/2014 13:59 - Atualizado em 26/08/2014 16:46
Por: Da Redação*

“As pessoas gritam por solidariedade internacional” 0

“As pessoas gritam por solidariedade internacional” / Arqrio

"O pequeno mosteiro das Irmãs Servas de Maria Virgem (‘Servas da Bem-aventurada Virgem Maria Imaculada’) foi ocupado pelos militantes russos. O nosso bispo de Donetsk foi expulso de sua sede e a sua chancelaria foi sequestrada com todos os documentos. Muitos sacerdotes foram obrigados a deixar as suas igrejas" (Dom Shevchuk)

As notícias que chegam do leste ucraniano são gravíssimas. Três civis mortos em Donetsk e 12 militares mortos nas últimas 24 horas é o último boletim do conflito armado entre as tropas governamentais e milicianos filo-russos. Segundo as Forças Armadas ucranianas, teriam sido mortos 247 milicianos separatistas.

“Infelizmente, a situação está se agravando, especialmente na parte oriental da Ucrânia, na região de Donetsk e Lugansk. A cada dia temos notícias da chegada de armas pesadas, de novos soldados que estão atravessando a fronteira entre Ucrânia e Rússia. A cada dia, são mortos cerca de 50 civis. Povoados onde não está o exército ucraniano são arrasados. Morrem fiéis pertencentes a diversas confissões religiosas: ortodoxos, católicos, protestantes, judeus, muçulmanos”, afirmou o arcebispo Mor da Igreja Católica Ucraniana de Rito Bizantino, Sua Beatitude Sviatoslav Shevchuk.

Na tarde desta terça-feira, dia 26 de agosto, teve início em Minsk um encontro entre líderes da Rússia, Belarus, Kazaquistão, Ucrânia e representantes da União Europeia, ocasião em que deve ocorrer um encontro bilateral entre os presidentes da Ucrânia, Petro Poroshenko, e da Rússia, Vladimir Putin.

Nesta entrevista a Rádio Vaticano, Dom Schevchuk denuncia o sofrimento da população da Ucrânia, pedindo solidariedade internacional.

RV: O senhor escreveu ao Papa Francisco. O que sua carta conta a ele?

temp_titlePapa_Francisco_e_Dom_Schevchuk_26082014135905Dom Schevchuk: “Antes de tudo, eu queria apresentar ao Santo Padre a dor profunda do nosso povo. A dor de tantos civis feridos, a dor de tantos militares ucranianos que foram feitos prisioneiros: a cada dia dezenas deles são torturados, a dor das mães que perdem os seus filhos, a dor da Igreja mãe, que está sofrendo junto com seus filhos. Isto foi o que eu escrevi ao Santo Padre, contando também os fatos concretos da nossa Igreja na região de Donetsk: o pequeno mosteiro das Irmãs Servas de Maria Virgem (‘Servas da Bem-aventurada Virgem Maria Imaculada’) foi ocupado pelos militantes russos. O nosso bispo de Donetsk foi expulso de sua sede e a sua chancelaria foi sequestrada com todos os documentos. Muitos sacerdotes foram obrigados a deixar as suas igrejas. Por isto, as pessoas gritam. Gritam ao céu por justiça, por paz, gritam por solidariedade internacional, pois somente se for apoiada por uma solidariedade internacional, a Ucrânia será verdadeiramente capaz de resistir a esta agressão”.

RV: As pessoas tem sofrido muito, mas também estão muito desorientadas com esta situação confusa.

temp_titleinternacional_protesto_ucrania_kiev_20140302_07_size_598_26082014140400Dom Schevchuk: Certamente, porque ninguém nos declarou guerra, não existe um estado de guerra na Ucrânia. Justamente hoje o nosso presidente participa de um encontro de cúpula em Minsk, onde encontrará o presidente da Federação Russa, o presidente da Belarus, do Kazaquistão. Estarão presentes, como nos dizem, também os representantes da União Europeia. Por um lado, as relações diplomáticas existem, não tem uma guerra declarada. Mas por outro lado, os carros armados de fora entram no país.

RV: Qual a sua mensagem aos fiéis?

Dom Schevchuk: Eu gostaria de pedir a todos os cristãos, a todos os homens de boa vontade que nos ouvem através da Rádio Vaticano, para que rezem pela paz na Ucrânia: rezem para que isto não se transforme num conflito armado aberto entre Rússia e Ucrânia. Este é o nosso apelo. Peçamos ao Senhor, a Virgem Maria, que é a Rainha da Paz, a paz na Ucrânia.

* Com Rádio Vaticano

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.