Arquidiocese do Rio de Janeiro

37º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 16/12/2018

16 de Dezembro de 2018

“Os cristãos têm a responsabilidade de compartilhar uma mensagem de compaixão e solidariedade”, afirma Dom Tomasi sobre situação dos refugiados

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

16 de Dezembro de 2018

“Os cristãos têm a responsabilidade de compartilhar uma mensagem de compaixão e solidariedade”, afirma Dom Tomasi sobre situação dos refugiados

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

08/07/2014 12:35 - Atualizado em 10/07/2014 16:26
Por: Canção Nova e vatican.news

“Os cristãos têm a responsabilidade de compartilhar uma mensagem de compaixão e solidariedade”, afirma Dom Tomasi sobre situação dos refugiados 0

“Os cristãos têm a responsabilidade de compartilhar uma mensagem de compaixão e solidariedade”, afirma Dom Tomasi sobre situação dos refugiados  / Arqrio

O Observador permanente da Santa Sé na ONU, Dom Silvano Maria Tomasi, alertou para a responsabilidade do mundo político com o drama vivido por mais de 50 milhões de pessoas no mundo. O bispo participa da 60ª sessão do Comitê permanente do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), que ocorre em Genebra, Suíça.

“Os refugiados e os deslocados são sujeitos de direitos e deveres como todos os seres humanos, não somente objetos de assistência”, declarou Dom Tomasi.

Recordando que atualmente no mundo existem mais de 50 milhões de pessoas em fuga de suas casas – a cifra mais alta desde a Segunda Guerra Mundial – o bispo insistiu na necessidade de tutelar o respeito dos direitos e da dignidade humana. Tomasi declarou que a proteção das pessoas deveria ter a precedência sobre as excessivas preocupações quanto à segurança de um Estado.

Dom Silvano pediu que não se pense no acolhimento como a algo da “esfera privada”, mas que seja parte do mundo político, para fazer a diferença nacional e global. Segundo o observador permanente, o tema dos refugiados deve ser enfrentado com políticas de fronteira mais flexíveis e procedimentos de acesso ao direito de asilo mais fáceis.

“Em especial, na Europa, é essencial uma estratégia comum, para que os países que são porta de entrada dos refugiados não sejam abandonados e se trabalhe por um acordo para distribuir os refugiados entre as várias nações, levando em consideração a situação econômica e a densidade demográfica de cada país”, enfatizou o bispo.

temp_titleDom_Tomasi_08072014124719Dom Tomasi pediu ainda que seja investido na educação e na sensibilização da opinião pública quanto à responsabilidade comum diante das causas dos conflitos e da busca de soluções pacíficas.

Segundo o bispo, neste campo, os cristãos têm a responsabilidade de compartilhar uma mensagem de compaixão e solidariedade, contribuindo para que as migrações forçadas sejam vistas numa perspectiva mais ampla, na ótica do respeito da vida e da dignidade humana.

Leia também:

Maneiras de ajudar o ACNUR

Doações

ONU alerta para falta de verbas para socorrer refugiados sírios

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.