Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 14º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 24/07/2016

24 de Julho de 2016

Por um mundo sem discriminação

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

24 de Julho de 2016

Por um mundo sem discriminação

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

23/05/2014 19:34 - Atualizado em 23/05/2014 19:44
Por: Igor Marques (igor@testemunhodefe.com.br)

Por um mundo sem discriminação 0

temp_titleDSC_9239_23052014193731Buscando fazer a diferença e lutando pela igualdade plena, inúmeras pessoas participaram do evento Zero Discriminação, realizado na tarde desta sexta-feira, 23 de maio, aos pés da imagem do Cristo Redentor, no alto do Corcovado.

O encontro, organizado pela Arquidiocese do Rio em parceria com o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), contou com a presença de personalidades, representantes da sociedade civil e líderes religiosos que prestigiaram o encontro e uniram forças na campanha.

Estiveram presentes, o arcebispo do Rio, Cardeal Orani João Tempesta; o diretor executivo adjunto do UNAIDS e secretário-geral adjunto da ONU, Luiz Loures; o vigário episcopal para a Comunicação Social, cônego Marcos Willian Bernardo; o reitor do Cristo Redentor, padre Omar Raposo,  e do interlocutor da Comissão de combate a intolerância religiosa, babalawo Ivanir dos Santos.

Visitando pela primeira vez a Cidade Maravilhosa, os netos de Nelson Mandela, que foi presidente da África do Sul e considerado um dos grandes promotores da paz, Kweku Mandela e Ndaba Mandela.

Todos por um ideal

Abrindo o cerimonial, o coordenador da Campanha “Zero Discriminação” no Rio de Janeiro, Marcio Tadeu Ribeiro Francisco, que é professor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e da Universidade Veiga de Almeida (UVA).

Segundo ele, a ideia central foi de seguir a mensagem do Papa Francisco, que é respeitar as pessoas pelo seu credo, e alimentar ao próximo, não só com o material, mas com o “alimentar de paz, força, verdade, fé e religiosidade”.

“Não importa a cor, a raça, a religião. A ideia da Discriminação Zero é de um projeto feito com o víeis com as universidades. O fator principal nosso é trabalhar com a vulnerabilidade social, pastoral que interfere no acesso das pessoas na prevenção a AIDS e o direito das pessoas que tem a viver com a doença. Trabalhamos também com dengue, hepatite, saneamento básico. Descriminação Zero quer combater todo e qualquer tipo de desrespeito ao próximo”, disse.

temp_titleDSC_9270_23052014193559Exemplos de fé

Em sua colocação, Dom Orani acolheu os participantes e ressaltou a alegria de ver tantas pessoas reunidas para combater todo tipo de discriminação. Também reforçou a importância de viver e exercitar o amor ao próximo.

“Vivemos tempos muito intensos na história do Rio de Janeiro e do mundo. Precisamos nos levantar e dar um grito por todos os recantos do globo. Somos convidados a levar a mensagem de conscientização de que não se pode discriminar. Neste evento, aos pés do Cristo, relembramos o ensinamento de que devemos fazer ao outro, apenas o que queremos que façam conosco”, salientou.

Ao final do encontro, Dom Orani concedeu a bênção a todos os presentes.


Sob o monte do Corcovado

“Estamos aqui para invocar as bênções de Deus para essa missão de acabar com a discriminação”. Assim o reitor, padre Omar Raposo, definiu a escolha do Santuário do Cristo Redentor para o encontro.

“Mais uma vez o Cristo Redentor é palco de um grande evento internacional, um acontecimento no qual poderemos mostrar a nossa capacidade de bem acolher. É um evento que traz a dinâmica do respeito, contra toda forma de discriminação. Assim poderemos cumprir a vocação que é própria do Redentor, Cristo que está de braços abertos a todos, que não faz distinção de pessoas, que acolhe toda realidade antropológica”, falou.

Leia também: 

Zero discriminação: Somos todos iguais

Fotos: Gustavo de Oliveira



Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.