Arquidiocese do Rio de Janeiro

33º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 18/11/2018

18 de Novembro de 2018

Igreja no Rio incentiva vocações no país

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

18 de Novembro de 2018

Igreja no Rio incentiva vocações no país

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

09/05/2014 15:16 - Atualizado em 09/05/2014 15:18
Por: Igor Marques - igor@testemunhodefe.com.br

Igreja no Rio incentiva vocações no país 0

Igreja no Rio incentiva vocações no país / Arqrio

Desde 2012, com a 50º Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), todas as dioceses do país deram um importante passo para garantir a boa formação dos seminaristas, começando com o projeto “Comunhão e Partilha”. Passados dois anos, reunidos na mesma assembleia, os bispos voltam a refletir a temática de auxílio às vocações.

Dentre os temas debatidos durante 52ª edição da Assembleia Geral da CNBB, em Aparecida, o projeto “Comunhão e Partilha” foi exposto pelo bispo da diocese de Parnaíba, no Piauí, Dom Alfredo Schäffler, na tarde do dia 7 de maio. A iniciativa tem o compromisso de arrecadar fundos para a formação de seminaristas de lugares menos favorecidos financeiramente. A Arquidiocese do Rio também é uma das aliadas do projeto. Mensalmente, parte da arrecadação geral é destinada a CNBB para dar continuidade à missão.

Segundo o procurador da Arquidiocese do Rio, Candido Feliciano da Ponte Neto, a iniciativa proporcionará que todos os seminaristas recebam uma boa formação durante o período que cursam filosofia e a teologia.

“Da receita ordinária da arquidiocese é destinado a CNBB um percentual relativo a 1%. Pelo que sabemos, essa nossa contribuição unida com todas as dioceses do Brasil, tem ajudado muito na formação dos seminaristas e na manutenção dos seminários”, disse.

Durante o encontro, foi realizada uma prestação de contas aos bispos presentes de todas as verbas angariadas para o projeto, como também ao seu destino final.

Primeiros passos

Criada em maio de 2012, a Comissão Especial para a Solidariedade entre as Dioceses é presidida por Dom Alfredo. Desde então, ficou acordado que todas as dioceses brasileiras destinariam a CNBB 1% de sua renda para a criação de um fundo destinado a ajudar na formação dos candidatos a vida sacerdotal.

O trabalho teve início depois de realizado um levantamento das dioceses e prelazias que não têm recursos para custear plenamente a formação de seus seminaristas, elas foram divididas em grupos: o grupo A, com renda mensal até R$ 10 mil; o grupo B, com renda mensal acima de R$ 10 mil e abaixo de R$ 20 mil, e o grupo C, com arrecadações até o valor de R$ 30 mil.

Na CNBB, a Comissão encarregada de administrar e supervisionar o fundo de solidariedade faz o repasse ao seminário/casa de formação, no valor de dois salários mínimos, em benefício de cada seminarista pertencente às dioceses e prelazias do Grupo A, um salario mínimo e meio aos do grupo B, e um salário aos do grupo C.

“O Catolicismo precisa da presença de padres que partem o Pão da Eucaristia, que perdoam os pecados e que transmitem uma vida de Deus através do Batismo e dos demais sacramentos. A Igreja, ao longo desses 2 mil anos, sempre foi conduzida por pastores que vinham anunciar a palavra de Deus e a celebrar a vivencia da fé. Por isso, é importante dar uma boa formação aos futuros padres”, frisou Dom Alfredo Schäffler.

 Foto: Assessoria da CNBB

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.