Arquidiocese do Rio de Janeiro

37º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 16/12/2018

16 de Dezembro de 2018

Cáritas: Síria necessita de reconstrução material e espiritual

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

16 de Dezembro de 2018

Cáritas: Síria necessita de reconstrução material e espiritual

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

19/03/2014 17:29
Por: ACI Digital

Cáritas: Síria necessita de reconstrução material e espiritual 0

Cáritas: Síria necessita de reconstrução material e espiritual / Arqrio

Depois de três anos de uma guerra devastadora que deixou até agora 140 mil mortos e 2 milhões e meio de refugiados, o bispo católico caldeu de Aleppo e presidente da Caritas Síria, Dom Antoine Audo, assinalou que “muitas Igrejas estão vazias, profanadas pelas bombas e abandonadas, porque a maioria dos cristãos fugiu”. A assembleia dos Bispos Católicos da Síria, que aconteceu em Beirute em 12 de março, decidiu que as doações recolhidas nas Igrejas de todo o país no primeiro domingo de junho serão doadas à Caritas.

Em diálogo com a agência vaticana Fides, o prelado disse que “permanecem apenas os mais pobres. A incerteza e o medo consomem a força física e espiritual das pessoas” e adicionou que o conflito em curso está abatendo a população síria a nível psicológico, e isto leva a Caritas a assumir novas situações de emergência, como a interdição das atividades trabalhistas e da assistência psicossocial.

A duração dos confrontos, bombardeios e ataques obriga a enfrentar necessidades urgentes e imediatas para a sobrevivência. “Além dos poucos víveres, a assistência de saúde e o socorro aos pobres”, diz Dom Audo, “identificamos dois novos campos de ação: a assistência psicossocial e a ajuda para envolver jovens sírios em microprojetos de trabalho, principalmente nas aldeias e nos campos”.

Tragédia

A intenção é ajudar especialmente as crianças, as mulheres e os jovens a resistir do ponto de vista psicológico à tragédia em que vivem há três anos. “Nos comportamentos individuais”, diz o Bispo de Aleppo, “multiplicam-se sinais de desanimo espiritual e interior. Corremos o risco de ter gerações de crianças e jovens devastados para sempre pela experiência que viveram”.

“Por isso, decidimos assumir esta nova direção, ligada ao trabalho e à assistência psicossocial. Isto, no entanto, requer também tempo e formação. A nossa realidade, os nossos agentes não podiam imaginar, há alguns anos, que deveriam enfrentar um empenho humanitário destas proporções”.

Fotos: Divulgação

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.