Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 20º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 18/06/2019

18 de Junho de 2019

Família Tempesta

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

18 de Junho de 2019

Família Tempesta

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

28/02/2014 16:16
Por: Igor Marques – igormarques@testemunhodefe.com.br

Família Tempesta 0

Família Tempesta / Arqrio

A Igreja no Brasil comemora a criação cardinalícia do arcebispo do Rio, Dom Orani João Tempesta. Uma participação especial marcou a semana de celebrações no Vaticano: a presença da família do novo cardeal.

Um grande grupo de peregrinos brasileiros foi a Roma para participar das celebrações do Consistório para a criação de novos cardeais. Dentre eles, três familiares diretos do novo cardeal do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, acompanharam o purpurado nos principais eventos.

Ondina Tempesta, de 75 anos, irmã do arcebispo do Rio, liderou o grupo familiar, que também contou com a presença da prima Suely Linardo de Oliveira, de 69 anos, e a jovem Aline Guimarães Corrêa, de 33 anos, que é sobrinha-neta do cardeal.

“Orani é uma pessoa que sempre participa na família, ainda que nem sempre seja presencialmente. Ele sempre está em contato conosco. Recebi com muita satisfação o convite para acompanhá-lo. Não existem palavras para expressar minha alegria pelo cardinalato”, contou Suely.

Além desses, quatro funcionários do Palácio São Joaquim, na Glória, onde reside o cardeal, também compuseram o grupo. Todos foram escolhidos através de um sorteio, realizado semanas antes da viagem entre os colaboradores. São eles: Dionísia Calisto Araújo Lima, que passa a roupa dos bispos; Juraciara Nabuco dos Santos, cozinheira da residência arquiepiscopal; Carlos Eduardo Mendes da Silva, lavador de carros, e Erasmo Luiz Brito, motorista do arcebispo.

Uma grande surpresa que emocionou o novo cardeal foi a participação de membros italianos da família Tempesta. Cerca de 60 pessoas estiveram presentes na celebração do Consistório, e durante o tradicional “Beija mão” cumprimentaram Dom Orani.

Cardinalato merecido

Segundo a irmã Ondina, a notícia da nomeação cardinalícia de Dom Orani foi uma alegria que contagiou toda a família e amigos. Para ela, o título foi um reconhecimento por todo trabalho desenvolvido pelo irmão.

“Estamos todos muito felizes, e temos a certeza de que esse cardinalato veio através do merecimento do meu irmão, pelo o que ele fez durante toda sua vida de caminhada. Desejo que Deus o abençoe ainda mais e que ele possa continuar ajudando muita gente a ser feliz”, afirmou.

Pequeno Orani

“Uma infância normal, como qualquer outra criança”. Assim Ondina Tempesta falou sobre os primeiros anos de vida de Dom Orani. Ela ainda afirmou que os irmãos sempre nutriram uma convivência sadia e que o cardeal sempre foi muito tranquilo.

“A infância do meu irmão não se difere de nenhuma outra. Orani foi uma criança normal. Sempre brincávamos muito, íamos à Igreja, e, às vezes, brigávamos entre nós (risos)”, contou.

Paulista da região de São José do Rio Pardo, Orani João Tempesta é filho de Achille Tempesta e de Maria Bárbara de Oliveira. Nascido em 23 de junho de 1950, Orani é o caçula dos nove filhos do casal.

Passos de uma vocação

O novo cardeal é religioso da Ordem Cisterciense, e foi ordenado presbítero, em sua cidade natal, no dia 7 de dezembro de 1974, na Paróquia São Roque, onde foi vigário e pároco. Segundo Ondina, que acompanha todos os passos da vida vocacional do irmão, ela jamais pensou que Dom Orani seria um dia nomeado cardeal.

“Nunca imaginei que meu irmão seria cardeal da Igreja. Mas sabia que ele seria um maravilhoso sacerdote, pois sempre foi muito dedicado. Vejo que ele chegar a cardeal faz parte dos desígnios de Deus e é merecimento dele, pelo trabalho que tem feito”, salientou.

Após ser sagrado bispo, em 1997, Dom Orani iniciou sua missão episcopal na Diocese de São José do Rio Preto, em São Paulo. Depois, partiu para ser arcebispo de Belém, onde permaneceu até 2009, quando veio para o Rio de Janeiro.

“O que mais me emocionou foi ver o carinho que as pessoas de todos os lugares pelos quais meu irmão passou têm por ele. Só tenho a pedir a Deus para que seu caminho seja mais cheio de rosas do que de espinhos”, disse.

Sustento com orações

Para um cristão, a oração é a base e sustento da fé. Durante os anos de missão de Dom Orani, Ondina sempre rezou muito a Deus, pedindo que o irmão fosse perseverante ao seu chamado.

“Ao longo desses anos, procurei rezar sempre muito pelo meu irmão. Na verdade, eu e toda família. E continuo rezando. Ainda mais agora, que a reponsabilidade dele é ainda maior com a missão do cardinalato”, frisou.

A irmã conta que já sabe que, como cardeal, Dom Orani precisará se ausentar ainda mais do convívio familiar para estar presente em Roma com as novas funções. “Mas faz parte da nova caminhada dele”, disse.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.