Arquidiocese do Rio de Janeiro

37º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 16/12/2018

16 de Dezembro de 2018

Conselho Mundial das Igrejas pede intervenção pacífica na Síria

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

16 de Dezembro de 2018

Conselho Mundial das Igrejas pede intervenção pacífica na Síria

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

23/01/2014 17:48
Por: Agência Fides

Conselho Mundial das Igrejas pede intervenção pacífica na Síria 0

Conselho Mundial das Igrejas pede intervenção pacífica na Síria / Arqrio

O conflito sírio não deve ser resolvido com uma solução militar, mas é necessária uma intervenção pacífica, de acordo com o Conselho Mundial de Igrejas (CMI). O Conselho reuniu em Genebra cerca de 30 líderes religiosos em vista da Conferência de Genebra 2.

No conflito sírio “não existe uma solução militar”; é urgente “um cessar-fogo imediato de todos os confrontos e hostilidades no território sírio”; é preciso garantir assistência humanitária; o caminho justo é “desenvolver um processo completo e inclusivo para a instauração de uma paz justa e reconstruir a Síria”, segundo documento, que deverá ser entregue ao representante da ONU para a Síria, Lakhdar Brahimi, à Liga Árabe e outras pessoas presentes na conferência.

“Não há tempo a perder: muitas pessoas morreram ou foram obrigadas a deixar suas casas”, explicou o Rev. Olav Fykse Tveit, Secretário-Geral do CMI, apresentando o texto e explicando que “as Igrejas falam numa só voz”. Participaram da elaboração do documento líderes das Igrejas no Oriente Médio, Vaticano, Rússia, Estados Unidos, de várias nações europeias, católicos, ortodoxos, protestantes e anglicanos.
“Representamos a maioria silenciosa dos sírios que deseja a paz”, especificou o Catholicos Aram I, chefe da Igreja Armênia Apostólica, garantindo aos líderes políticos que estarão na Conferência Genebra 2 “o apoio total de todas as Igrejas nessa difícil missão”.

O CMI acredita que “as igrejas podem mobilizar a opinião internacional, condenando tudo aquilo que há de mal nesta situação e apoiando o nem supremo que é a paz, uma paz justa”.

O encontro do CMI foi acompanhado por uma oração ecumênica para manifestar solidariedade com o povo sírio e para pedir a Deus o dom da reconciliação.
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.