Arquidiocese do Rio de Janeiro

31º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 20/01/2017

20 de Janeiro de 2017

Papa destaca que a fé não deve ser limitada à esfera das emoções

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

20 de Janeiro de 2017

Papa destaca que a fé não deve ser limitada à esfera das emoções

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

09/01/2013 00:00 - Atualizado em 19/01/2013 16:03

Papa destaca que a fé não deve ser limitada à esfera das emoções 0

O Santo Padre destacou que a encarnação de Deus e o seu modo de agir são um estímulo para que os homens possam refletir sobre a sua fé, que não deve ser simplesmente emotiva, mas atingir uma concretude.

O Santo Padre enfatizou que o agir de Deus não se limita às palavras, mas imerge Ele próprio na história humana e assume para si o cansaço e o peso da vida humana.

— Este modo de agir de Deus é um forte estímulo para nos interrogarmos sobre o realismo da nossa fé, que não deve ser limitado à esfera do sentimento, das emoções, mas deve entrar no concreto da nossa existência, deve tocar, isso é, a nossa vida de cada dia e orientá-la também de modo prático. Deus não parou nas palavras, mas nos indicou como viver, partilhando da nossa própria experiência, exceto no pecado, disse o Papa.

Refletindo sobre o significado da palavra “encarnação”, especificamente sobre a expressão “o Verbo se fez carne”, Bento XVI explicou que a salvação trazida por Deus fazendo-se carne toca o homem na sua realidade concreta e em todas as situações em que se encontra

— Deus assumiu a condição humana para curá-la de tudo aquilo que a separa Dele, para permitir-nos chamá-lo, no seu Filho Unigênito, com o nome de “Abbá, Pai” e ser verdadeiramente filhos de Deus, disse.

E sobre a tradição de trocar presentes no Natal, o Papa lembrou que este é um gesto que normalmente expressa afeto com as pessoas mais próximas, mas o verdadeiro e grande presente é o próprio Cristo, Deus que assumiu a condição humana para doar-lhe a sua divindade.

Encerrando seu encontro com os fiéis, Bento XVI convidou todos a meditar sobre a riqueza do Mistério da Encarnação, “para deixar que o Senhor nos ilumine e nos transforme sempre mais à imagem do seu Filho feito homem para nós”.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.