Arquidiocese do Rio de Janeiro

37º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 16/12/2018

16 de Dezembro de 2018

Periferias existenciais e família: a mensagem do Papa à Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

16 de Dezembro de 2018

Periferias existenciais e família: a mensagem do Papa à Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

30/10/2013 13:17
Por: Rádio Vaticano

Periferias existenciais e família: a mensagem do Papa à Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas 0

Teve início esta quarta-feira, dia 30 de outubro, em Busan, na Coreia do Sul, a X Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI).

Até o dia 8 de novembro, os membros do Conselho debaterão o tema “Deus da Vida, leva-nos à justiça e à paz”. A Assembleia é o órgão de gestão mais importante do CMI e é convocada a cada sete anos. Participam mais de três mil representantes de 345 Igrejas e comunidades eclesiais. A Assembleia precedente foi realizada em 2006 em Porto Alegre (RS).

O Presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, Card. Kurt Koch, leu esta manhã a mensagem do Papa Francisco, em que reitera o empenho da Igreja Católica a continuar a cooperação de longa data com o Conselho. O Pontífice destaca que “o mundo globalizado requer dos cristãos o testemunho do valor da dignidade da pessoa que vem de Deus”, defendendo a educação integral dos jovens e uma promoção da pessoa que permita aos indivíduos e às comunidades crescerem em liberdade.

O Papa Francisco pede apoio às famílias, célula fundamental da sociedade, e garantias para que não seja impedido o exercício da liberdade religiosa.

“Em fidelidade ao Evangelho – explica o Francisco – somos chamados a alcançar todos os que se encontram nas periferias existenciais da sociedade e a levar solidariedade aos irmãos e às irmãs mais vulneráveis”. E o Papa cita nomeadamente “os pobres, os deficientes, os nascituros e os doentes, os migrantes e os refugiados, os idosos e os jovens sem emprego”.

Por fim, o Pontífice garante a sua oração para que a “Assembleia contribua a dar novo impulso vital e nova visão a todos os que estão empenhados na causa sagrada da unidade dos cristãos”. 

O Secretário do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, Dom Brian Farrell, guia a delegação oficial católica, composta por 25 pessoas. A Igreja Católica, mesmo não sendo membro do CMI, colabora ativamente com o organismo, através principalmente do “Grupo Misto de Trabalho”, instituído em 1965. A Rádio Vaticano acompanha os trabalhos da Assembleia com a enviada, Philippa Hitchen.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.