Arquidiocese do Rio de Janeiro

33º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 18/11/2018

18 de Novembro de 2018

Dom Odilo quer esclarecidas denúncias envolvendo CEAT

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

18 de Novembro de 2018

Dom Odilo quer esclarecidas denúncias envolvendo CEAT

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

18/09/2013 11:50 - Atualizado em 18/09/2013 11:52
Por: Arquidiocese de São Paulo

Dom Odilo quer esclarecidas denúncias envolvendo CEAT 0

Dom Odilo quer esclarecidas denúncias envolvendo CEAT / Arqrio

Desde a divulgação de notícias com denúncias envolvendo o Centro de Atendimento ao Trabalhador (CEAT), a Arquidiocese de São Paulo tem se manifestado no sentido de esclarecer sua ligação com a Organização e manifestar seu repúdio a quaisquer práticas de corrupção e uso indevido dos bens públicos. Procurado ontem pelo Jornal "O Estado de S.Paulo", o cardeal Dom Odilo Pedro Scherer, arcebispo metropolitano de São Paulo, reiterou, por meio de uma nota, que o CEAT "surgiu de uma iniciativa da Arquidiocese de São Paulo, em dezembro de 2002, como instrumento idôneo para a colocação de homens e mulheres no mercado de trabalho".

O arcebispo explica, ainda, que a Organização desvinculou-se da Arquidiocese e passou a ter "personalidade jurídica independente e gestões administrativa e financeira próprias".

Leia a íntegra da Nota enviada à reportagem do "Estadão".

Nota

O Centro de Atendimento ao Trabalhador (CEAT), como já foi esclarecido anteriormente à imprensa, surgiu de uma iniciativa da Arquidiocese de São Paulo, em dezembro de 2002, como um instrumento idôneo para enfrentar o desafio do desemprego na Cidade de São Paulo. À época, chamava-se “Centro Arquidiocesano do Trabalhador” e, enquanto organização civil, contribuía para a colocação de homens e mulheres no mercado de trabalho.

O então Centro Arquidiocesano do Trabalhador, em seu surgimento, tinha como referência primeira o Arcebispo Metropolitano de São Paulo, que à época de sua fundação, era o Cardeal Dom Cláudio Hummes. Tal iniciativa da Arquidiocese de São Paulo rendeu premiações nacionais e internacionais de reconhecimento pelo trabalho desenvolvido enquanto CEAT.

O CEAT, no entanto, almejando o necessário crescimento como organização civil, desvinculou-se da Arquidiocese de São Paulo e, por consequente, transformou-se em uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), passando a ter personalidade jurídica independente e gestões administrativa e financeira próprias.

A Igreja Católica manteve com o CEAT, daí por diante, apenas um vínculo de apoio, em razão da história de sua fundação e do trabalho efetivamente desenvolvido nas suas diversas unidades, em São Paulo e no Rio de Janeiro. A Igreja Católica confiou no trabalho daqueles que haviam ajudado a fundar o CEAT.

Surpresos com as denúncias de irregularidades na gestão de verbas tomadas do Ministério do Trabalho pelo CEAT, temos todo o interesse em ver plenamente esclarecidas tais denúncias. Não podemos aceitar qualquer forma de corrupção ou desvio na gestão dos bens públicos. E que, respeitada a presunção de inocência e o direito à defesa, os eventuais responsáveis por ilícitos, envolvendo o CEAT, respondam perante a lei por suas ações.

Cardeal dom Odilo Pedro Scherer

Arcebispo Metropolitano de São Paulo

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.