Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 27/04/2017

27 de Abril de 2017

Ser diácono

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

27 de Abril de 2017

Ser diácono

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

04/11/2015 17:03 - Atualizado em 04/11/2015 17:03

Ser diácono 2

04/11/2015 17:03 - Atualizado em 04/11/2015 17:03

Algumas mensagens têm chegado à redação do nosso portal pedindo esclarecimentos sobre a vocação diaconal. Quais os pré-requisitos para ser diácono? Qual o procedimento adotado na Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro?

Então, nosso artigo de hoje versará sobre essas questões.

Desde o Concílio Vaticano II, a Igreja restaurou o diaconato como grau Permanente do Sacramento da Ordem. Não aboliu o celibato, mas permitiu que homens casados pudessem ser ordenados diáconos, deixando, assim, o seu estado laical, e passando a fazer parte do clero diocesano, compondo a estrutura hierárquica da Igreja (bispos-presbítero-diácono).

É importante notar que a vocação diaconal surge, concretamente, no livro dos Atos dos Apóstolos, capítulo 6, a partir do versículo 1. Nesta passagem encontramos a instituição dos sete primeiro diáconos, que tiveram como missão servir às viúvas e órfãos dos cristãos de origem grega. Foram instituídos para manter a unidade e a paz dentro da comunidade dos seguidores de Jesus.

A motivação teológico-espiritual do diaconato vem de Jesus que se apresentou como o servidor no meio de todos. “Eu estou no meio de vós como aquele que serve (Lc. 22,27)”. Em outra passagem, “porque o Filho do Homem não veio para ser servido. Ele veio para servir e para dar a sua vida como resgate em favor de muitos” (Mc 10,45//Mt 20,28). E o Lava Pés, último gesto de serviço, Jesus afirmou: “pois bem, eu que sou o Mestre e o Senhor lavei os pés uns dos outros. Eu lhes dei um exemplo: vocês devem fazer a mesma coisa que eu fiz” (Jo 13,14-15). Esta deve ser a perspectiva de todo aquele que se apresenta para ser diácono: o serviço. Todo vocacionado ao diaconato deve ter diante de si a capacidade de se colocar no lugar de quem serve.

Ao acolher aqueles que buscam colocar sua vida a serviço da comunidade local e da Igreja como diáconos permanentes, a Arquidiocese do Rio de Janeiro destaca alguns pontos de discernimento para esta vocação específica.

O processo de discernimento vocacional deve levar em consideração quatro critérios objetivos: pessoais, eclesiais, familiares, comunitários (cf.Documento 96 da CNBB – “Diretrizes para o Diaconato Permanente da Igreja no Brasil – Formação, Vida e Ministério”. n. 135-147).

Quanto aos critérios pessoais, deve-se observar “saúde; idade canônica para ordenação (25 para solteiros e 35 para casados); situação civil e profissional; capacidade de liderança; autocrítica e interesse pela formação permanente”.

Os critérios eclesiais referem-se à atividade pastoral desenvolvida pelo candidato dentro da Igreja. Deve apresentar “maturidade na fé; ter uma visão da Igreja solidária com a realidade atual; capacidade para ouvir, dialogar e acolher; vida sacramental; espírito de oração e de contemplação; espírito de serviço, principalmente aos mais pobres; interesse pelo estudo da Palavra de Deus e da doutrina da Igreja”.

Em relação aos critérios familiares, se o candidato for casado, deverá a esposa dar o seu consentimento e aceitação, bem como os filhos; ter estabilidade na vida matrimonial; mínimo de cinco anos de vida matrimonial.

Os critérios comunitários devem contemplar: a “consciência de que será diácono da Igreja e não de um grupo ou comunidade determinada; engajamento pastoral de cinco ano ou mais; visão do ministério como dom e serviço; união com os bispos-presbíteros-diáconos; visão de pastoral de conjunto; abertura missionária; aceitação pela comunidade e pelo presbítero.

Na Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, a caminhada para o diaconato é composta de um período Propedêutico, onde se aprofunda a vocação diaconal. Em geral dura oito meses (podendo ser ampliada para alguns em determinados casos). Em seguida, dá-se a entrada na Escola Diaconal Santo Efrém, período maior da formação, de quatro a cinco anos. E por último, o escrutínio, ou seja, visitas feitas à comunidade e à família do candidato antes da provável ordenação.

O processo inicia-se em janeiro com apresentação do candidato à Comissão Arquidiocesana dos Diáconos Permanentes (Cadiperj), que avalia as indicações das comunidades junto com o corpo diretor da Escola Diaconal.

O diaconato é uma das vocações da Igreja. Não basta querer. É preciso que Deus tenha feito esse chamado. E que a Igreja, através daqueles que são colocados para ajudar no discernimento, identifique elementos mínimos para essa vocação.

Mais informações podem ser obtidas através do email cadiperj@gmail.com.


Deixe seu comentário

Comentários (2)

Diácono Gabriel Pereira Nov 4th 2015, 17:26

Parabéns meu irmão. Muito bom. Acho que também deveria sair em outra oportunidade, qual é a dimensão do diácono no serviço. Por exemplo: se ele faz parte do Clero, deve ser coordenador de pastoral ou movimento, deve ser membro de pastoral, movimento, equipe etc. Seria um esclarecimento, temos liberdade, mas até onde. Obrigado.

0 Resposta Responder

Rodrigo Teixeira Nov 4th 2015, 17:46

Muito boa sua matéria Diácono, porém fiquei com uma duvida. Eu com 31 anos poderia entrar para a formação diaconal ou apenas com 35 anos? E quanto ao tempo de casado de 5 anos é o minimo para entrar ou até a data da ordenação eu tenho que ter completado esse tempo?

0 Resposta Responder
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Ser diácono

04/11/2015 17:03 - Atualizado em 04/11/2015 17:03

Algumas mensagens têm chegado à redação do nosso portal pedindo esclarecimentos sobre a vocação diaconal. Quais os pré-requisitos para ser diácono? Qual o procedimento adotado na Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro?

Então, nosso artigo de hoje versará sobre essas questões.

Desde o Concílio Vaticano II, a Igreja restaurou o diaconato como grau Permanente do Sacramento da Ordem. Não aboliu o celibato, mas permitiu que homens casados pudessem ser ordenados diáconos, deixando, assim, o seu estado laical, e passando a fazer parte do clero diocesano, compondo a estrutura hierárquica da Igreja (bispos-presbítero-diácono).

É importante notar que a vocação diaconal surge, concretamente, no livro dos Atos dos Apóstolos, capítulo 6, a partir do versículo 1. Nesta passagem encontramos a instituição dos sete primeiro diáconos, que tiveram como missão servir às viúvas e órfãos dos cristãos de origem grega. Foram instituídos para manter a unidade e a paz dentro da comunidade dos seguidores de Jesus.

A motivação teológico-espiritual do diaconato vem de Jesus que se apresentou como o servidor no meio de todos. “Eu estou no meio de vós como aquele que serve (Lc. 22,27)”. Em outra passagem, “porque o Filho do Homem não veio para ser servido. Ele veio para servir e para dar a sua vida como resgate em favor de muitos” (Mc 10,45//Mt 20,28). E o Lava Pés, último gesto de serviço, Jesus afirmou: “pois bem, eu que sou o Mestre e o Senhor lavei os pés uns dos outros. Eu lhes dei um exemplo: vocês devem fazer a mesma coisa que eu fiz” (Jo 13,14-15). Esta deve ser a perspectiva de todo aquele que se apresenta para ser diácono: o serviço. Todo vocacionado ao diaconato deve ter diante de si a capacidade de se colocar no lugar de quem serve.

Ao acolher aqueles que buscam colocar sua vida a serviço da comunidade local e da Igreja como diáconos permanentes, a Arquidiocese do Rio de Janeiro destaca alguns pontos de discernimento para esta vocação específica.

O processo de discernimento vocacional deve levar em consideração quatro critérios objetivos: pessoais, eclesiais, familiares, comunitários (cf.Documento 96 da CNBB – “Diretrizes para o Diaconato Permanente da Igreja no Brasil – Formação, Vida e Ministério”. n. 135-147).

Quanto aos critérios pessoais, deve-se observar “saúde; idade canônica para ordenação (25 para solteiros e 35 para casados); situação civil e profissional; capacidade de liderança; autocrítica e interesse pela formação permanente”.

Os critérios eclesiais referem-se à atividade pastoral desenvolvida pelo candidato dentro da Igreja. Deve apresentar “maturidade na fé; ter uma visão da Igreja solidária com a realidade atual; capacidade para ouvir, dialogar e acolher; vida sacramental; espírito de oração e de contemplação; espírito de serviço, principalmente aos mais pobres; interesse pelo estudo da Palavra de Deus e da doutrina da Igreja”.

Em relação aos critérios familiares, se o candidato for casado, deverá a esposa dar o seu consentimento e aceitação, bem como os filhos; ter estabilidade na vida matrimonial; mínimo de cinco anos de vida matrimonial.

Os critérios comunitários devem contemplar: a “consciência de que será diácono da Igreja e não de um grupo ou comunidade determinada; engajamento pastoral de cinco ano ou mais; visão do ministério como dom e serviço; união com os bispos-presbíteros-diáconos; visão de pastoral de conjunto; abertura missionária; aceitação pela comunidade e pelo presbítero.

Na Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, a caminhada para o diaconato é composta de um período Propedêutico, onde se aprofunda a vocação diaconal. Em geral dura oito meses (podendo ser ampliada para alguns em determinados casos). Em seguida, dá-se a entrada na Escola Diaconal Santo Efrém, período maior da formação, de quatro a cinco anos. E por último, o escrutínio, ou seja, visitas feitas à comunidade e à família do candidato antes da provável ordenação.

O processo inicia-se em janeiro com apresentação do candidato à Comissão Arquidiocesana dos Diáconos Permanentes (Cadiperj), que avalia as indicações das comunidades junto com o corpo diretor da Escola Diaconal.

O diaconato é uma das vocações da Igreja. Não basta querer. É preciso que Deus tenha feito esse chamado. E que a Igreja, através daqueles que são colocados para ajudar no discernimento, identifique elementos mínimos para essa vocação.

Mais informações podem ser obtidas através do email cadiperj@gmail.com.


Diácono Marcos Gayoso
Autor

Diácono Marcos Gayoso

Relações Públicas da Comissão Arquidiocesana dos Diáconos Permanentes da Arquidiocese do Rio de Janeiro (CADIPERJ)