Arquidiocese do Rio de Janeiro

26º 17º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 24/06/2017

24 de Junho de 2017

Nunca viveremos algo assim

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

24 de Junho de 2017

Nunca viveremos algo assim

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

31/07/2015 15:47 - Atualizado em 31/07/2015 15:48

Nunca viveremos algo assim 0

31/07/2015 15:47 - Atualizado em 31/07/2015 15:48

Nunca viveremos algo assim novamente. Fazemos memória aos dois anos da JMJ Rio 2013, e as lembranças fervilham. Até hoje, podemos dizer que foi a experiência cristã mais forte que vivemos. Evangelizamos e fomos evangelizados de forma e proporção que talvez nunca experimentemos novamente. Quem sabe? Deus nos surpreendeu tanto neste encontro... Sua criatividade e seu amor são inesgotáveis!

Foram quase dois anos de preparação espiritual nas Vigílias com Adoração ao Santíssimo Sacramento. Não tem como esquecer as “santas baladas” das segundas sextas-feiras de cada mês, organizadas pelo Setor Juventude da Arquidiocese do Rio. Nessas vigílias, estávamos sempre de prontidão, com uma equipe guerreira, de olhos e ouvidos bem atentos nessas madrugadas para um ministério de escuta e aconselhamento para os jovens. Muitas histórias de superação espiritual, situações familiares difíceis, sonhos, dores e esperanças... cada uma delas colocadas aos pés do Cristo Eucarístico que nos abençoava e velava pela nossa cidade a cada noite de oração. Era só o começo dos momentos intensos que estavam por vir.

Uma das nossas principais missões, na JMJ Rio 2013, enquanto Comissão Arquidiocesana de Pastoral Familiar, foi o estande na Feira Vocacional, que aconteceu na Quinta da Boa Vista. Foram meses de minuciosa estruturação, solicitação de voluntários, arrecadação de doações, reuniões de planejamento, todo trabalho de logística e muito combate espiritual. Nossa proposta era, em meio a tantos estandes de promoção das vocações sacerdotais e religiosas, divulgarmos a vocação matrimonial.

O esforço valeu a pena. Esforço? Que esforço? Que sacrifício? Perante a graça, tudo se dissolveu. No mar da misericórdia divina os jovens chegavam em verdadeiras ondas. E foi bonito podermos ser instrumentos para fazer a esperança renascer no coração desses jovens. Quantos? Não saberíamos contar... foram tantos que entraram em diálogo fraterno conosco, apresentando suas dúvidas e sonhos. Uma oportunidade sem igual para anunciar a Boa Nova de que o amor ainda existe, de que o matrimônio é bom, de que a família é plano de Deus para a nossa santificação. Conhecemos gente de todo canto do mundo, nos comunicamos com palavras, gestos, olhares, abraços e orações. A língua nunca foi problema, porque vimos na prática que o amor tem uma linguagem universal.

Você também deve ter vivido muitas experiências e de forma muito intensa. Tenha sido como voluntário ou peregrino (alguns até peregrinos cariocas), você também deve ter suas lembranças. Agora é tempo de revivê-las e de colocarmos em prática o lema missionário a que nos convidava a JMJ. A missão de fazer discípulos em todas as nações continua, e mais atual do que nunca!

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Nunca viveremos algo assim

31/07/2015 15:47 - Atualizado em 31/07/2015 15:48

Nunca viveremos algo assim novamente. Fazemos memória aos dois anos da JMJ Rio 2013, e as lembranças fervilham. Até hoje, podemos dizer que foi a experiência cristã mais forte que vivemos. Evangelizamos e fomos evangelizados de forma e proporção que talvez nunca experimentemos novamente. Quem sabe? Deus nos surpreendeu tanto neste encontro... Sua criatividade e seu amor são inesgotáveis!

Foram quase dois anos de preparação espiritual nas Vigílias com Adoração ao Santíssimo Sacramento. Não tem como esquecer as “santas baladas” das segundas sextas-feiras de cada mês, organizadas pelo Setor Juventude da Arquidiocese do Rio. Nessas vigílias, estávamos sempre de prontidão, com uma equipe guerreira, de olhos e ouvidos bem atentos nessas madrugadas para um ministério de escuta e aconselhamento para os jovens. Muitas histórias de superação espiritual, situações familiares difíceis, sonhos, dores e esperanças... cada uma delas colocadas aos pés do Cristo Eucarístico que nos abençoava e velava pela nossa cidade a cada noite de oração. Era só o começo dos momentos intensos que estavam por vir.

Uma das nossas principais missões, na JMJ Rio 2013, enquanto Comissão Arquidiocesana de Pastoral Familiar, foi o estande na Feira Vocacional, que aconteceu na Quinta da Boa Vista. Foram meses de minuciosa estruturação, solicitação de voluntários, arrecadação de doações, reuniões de planejamento, todo trabalho de logística e muito combate espiritual. Nossa proposta era, em meio a tantos estandes de promoção das vocações sacerdotais e religiosas, divulgarmos a vocação matrimonial.

O esforço valeu a pena. Esforço? Que esforço? Que sacrifício? Perante a graça, tudo se dissolveu. No mar da misericórdia divina os jovens chegavam em verdadeiras ondas. E foi bonito podermos ser instrumentos para fazer a esperança renascer no coração desses jovens. Quantos? Não saberíamos contar... foram tantos que entraram em diálogo fraterno conosco, apresentando suas dúvidas e sonhos. Uma oportunidade sem igual para anunciar a Boa Nova de que o amor ainda existe, de que o matrimônio é bom, de que a família é plano de Deus para a nossa santificação. Conhecemos gente de todo canto do mundo, nos comunicamos com palavras, gestos, olhares, abraços e orações. A língua nunca foi problema, porque vimos na prática que o amor tem uma linguagem universal.

Você também deve ter vivido muitas experiências e de forma muito intensa. Tenha sido como voluntário ou peregrino (alguns até peregrinos cariocas), você também deve ter suas lembranças. Agora é tempo de revivê-las e de colocarmos em prática o lema missionário a que nos convidava a JMJ. A missão de fazer discípulos em todas as nações continua, e mais atual do que nunca!

Tatiana e Ronaldo de Melo
Autor

Tatiana e Ronaldo de Melo

Núcleo de Formação e Espiritualidade da Pastoral Familiar da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro