Arquidiocese do Rio de Janeiro

32º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 20/03/2019

20 de Março de 2019

60 anos do Congresso Eucarístico do Rio

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

20 de Março de 2019

60 anos do Congresso Eucarístico do Rio

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

15/07/2015 00:00

60 anos do Congresso Eucarístico do Rio 0

15/07/2015 00:00

Dentre os acontecimentos de Julho, neste ano comemoramos 60 anos da realização do único Congresso Eucarístico Internacional ocorrido no Brasil até hoje. Foi no Rio de Janeiro!

Um Congresso Eucarístico é uma demonstração pública de Fé na Presença Real da Santíssima Eucaristia, com manifestações de ensinamento e adoração. Através de serviços litúrgicos, celebrações religiosas públicas, precedidas por missões especializadas, reuniões de estudo, e todo um aparato solene, a revelar o grande valor de uma celebração organizada ao mais alto nível, um Congresso Eucarístico, reveste-se de um significado espiritual, evangelizador e didático do maior valor, pelo que se considera da maior necessidade em todos os tempos. 

Um Congresso Eucarísticopode ser realizado:

A nível Diocesano ou Interdiocesano, em que são chamados a participar, todo o clero e fiéis da(s) Diocese(s) organizadora(s). Pode ser também Nacional, em que ficam envolvidos, todo o clero e fiéis de uma nação inteira. Aqui intervém a CNBB para organizar e se responsabilizar junto com a Diocese que acolhe. No Brasil, o próximo será em 2016 em Belém do Pará para comemorar 400 anos da cidade. Em âmbito Internacional, em que deve haver a organização da Santa Sé sempre há também grande representação dos países do mundo católico.

O primeiroCongresso Eucarístico Internacional, começou com uma proposta de Marie Marthe Tamisier de Touraine, sob a organização e dos esforços de Mons. Louis Gaston de Segur, com a co-participação do industrial Philibert Vrau. Teve a aprovação do papa Leão XIII (1879-1903) e realizou-se na Universidade de Lille, França, com a presença de 800 pessoas da França, da Bélgica, da Holanda, da Inglaterra, da Espanha e da Suíça.

Os Congressos nasceram "para acender em todos o fogo celeste que Cristo trouxe à terra e que quer acender, sobretudo por meio da Eucaristia", afirmava o papa Leão XIII aos organizadores do 1° Congresso Eucarístico Internacional.

É um objetivo que as mais recentes orientações da Santa Sé concretizam em três direções: Uma catequese mais intensa - sobre a Eucaristia, especialmente enquanto mistério de Cristo, vivo e operante na Igreja;  Uma participação mais ativa - na sagrada liturgia, que promova a religiosa escuta da Palavra de Deus e o sentido fraterno da comunidade; Uma busca atenta de iniciativas e uma cuidadosa realização de obras sociais - que favoreçam a promoção humana e a devida comunhão de bens, inclusive temporais, a exemplo da comunidade cristã primitiva, de modo que a mesa Eucarística seja o centro difusor do fermento do Evangelho. (Aliás esse gesto ficou marcado para sempre em nossa Arquidiocese, pois sempre em Corpus Christi, junto com a celebração do Mistério Eucarístico recolhemos os alimentos para os pobres).

Este enunciado deixa facilmente perceber que um Congresso Eucarísticonão se pode resumir apenas a uma semana de palestras, de adorações ao Santíssimo, celebrações festivas da Eucaristia, encontro e convívio de pessoas de muitas nações, raças e cores, nem a um acontecimento passageiro, ainda que grandioso e espetacular, nem a alguns milhares de pessoas com possibilidade de se deslocarem a qualquer parte.

O fundamental dum Congresso Eucarístico consiste antes numa caminhada evangelizadora que as pessoas e as comunidades são chamadas a fazer, para que a Eucaristia se torne "mistério de fé", "mistério de doação", e "fonte de Liberdade".

Em 1955 a cidade do Rio de janeiro foi sede do XXXVI Congresso Eucarístico Internacional. Porém, logo de início, surge uma curiosidade. Na época, não havia onde receber os milhares de fiéis que viriam de todo o mundo, dos estados brasileiros e da própria cidade para assistir a esse acontecimento. Aqui foi utilizado o aterro do Flamengo que estava acontecendo. “A primeira fase do aterramento foi entre a Rua Santa Luzia e o Passeio Público. Assim essa região foi transformada na Praça do Congresso. Ali, em confessionários improvisados, fiéis de todo mundo podiam contar seus pecados e receber a absolvição”. Para o Congresso, uma imagem de Nossa Senhora Aparecida veio do Santuário de Aparecida do Norte de trem.

A fé arrastou multidões para o local, com capacidade prevista para 1 milhão e 220 mil pessoas. Durante uma semana, a cidade se voltou para os mistérios divinos, acompanhando as procissões, a chegada de Nossa Senhora de Fátima, vinda de Portugal, dos cardeais, dos peregrinos de inúmeros países com suas vestimentas tradicionais. Ou seja, um espetáculo de louvor religioso ao qual ninguém ficou indiferente, mesmo os que professavam outra fé.

“Na abertura do Congresso, o presidente Café Filho fez uma saudação aos peregrinos. No dia 24 de julho, o Papa Pio XII mandou uma mensagem, por rádio, aos fiéis reunidos no Rio. O representante de Sua Santidade foi o Cardeal Dom Bento Aloisi Masella, que veio de navio da Itália, desembarcando na Praça Mauá.” Na ocasião era Arcebispo do Rio de Janeiro o Cardeal Dom Jaime de Barros Câmara. As gravações de voz e os textos desse Congresso se conservam até hoje. Esse Congresso foi um marco em nossa história!

Ao completar os 60 anos da celebração deste grande Encontro mundial da Eucaristia, relembro uma frase do Papa Pio XII que me marcou ao ler sua mensagem que na época foi via a rádio: “E vós em particular, os que no céu da pátria vedes brilhar o Cruzeiro, aceso pelo Criador, como a lembrar-vos constantemente que sois “Terra de Santa Cruz”, povo à sombra da cruz nascido, organizado em nação à volta do altar e do trono eucarístico, que na Eucaristia encontrastes as melhores energias para “fazer cristandade” e para assegurar com feitos memoráveis a integridade de pátria e a unidade da fé, que vos encontrais aí, na Cidade de São Sebastião, fundada ao pé do altar do Senhor, e, quase antes de nascer, salva para a fé católica mais pelo valor haurido na comunhão, que pela força das armas, vós singularmente deveis voltar a vossos lares, decididos a ser paladinos do Rei eucarístico sempre e por toda a parte, tanto na vida individual como na familiar, tanto na social e civil como na vida pública; para que o Redentor e Rei divino, não só de direito, mas de facto, reine em quantos corações palpitam do Amazonas ao Prata, estabelecendo em todos o seu reinado de paz e amor, de justiça e santidade, que só assim será, mesmo temporalmente, segundo as divinas promessas, reino de  “Ordem e Progresso” , de tranquilidade e concórdia e prosperidade verdadeiras” (Discurso do Papa Pio XII em ocasião do Congresso Eucarístico do Rio de Janeiro- 24/07/1955).

Ao relembrar esta data tão querida de todo o povo carioca convido para participar da Eucaristia no dia 26 deste mês na Praça Paris. Queremos louvar ao Senhor por esse belo momento e agradecer pelos dons e nos comprometer para o futuro. O nosso predecessor D. Sebastião Leme já tinha criado o Santuário de Adoração Perpétua na Igreja de Santana. Por isso uma feliz continuidade com todo esse movimento Eucarístico, e mesmo para nos preparar para o próximo Congresso Eucarístico Nacional convido toda a nossa Igreja Arquidiocesana a não se descuidar, que na Igreja da Adoração Perpétua, no Santuário de Santana, no Centro do Rio de Janeiro, durante as vinte e quatro horas de todos os dias, Jesus Eucarístico está exposto esperando pela nossa adoração. Venite adoremos!

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

60 anos do Congresso Eucarístico do Rio

15/07/2015 00:00

Dentre os acontecimentos de Julho, neste ano comemoramos 60 anos da realização do único Congresso Eucarístico Internacional ocorrido no Brasil até hoje. Foi no Rio de Janeiro!

Um Congresso Eucarístico é uma demonstração pública de Fé na Presença Real da Santíssima Eucaristia, com manifestações de ensinamento e adoração. Através de serviços litúrgicos, celebrações religiosas públicas, precedidas por missões especializadas, reuniões de estudo, e todo um aparato solene, a revelar o grande valor de uma celebração organizada ao mais alto nível, um Congresso Eucarístico, reveste-se de um significado espiritual, evangelizador e didático do maior valor, pelo que se considera da maior necessidade em todos os tempos. 

Um Congresso Eucarísticopode ser realizado:

A nível Diocesano ou Interdiocesano, em que são chamados a participar, todo o clero e fiéis da(s) Diocese(s) organizadora(s). Pode ser também Nacional, em que ficam envolvidos, todo o clero e fiéis de uma nação inteira. Aqui intervém a CNBB para organizar e se responsabilizar junto com a Diocese que acolhe. No Brasil, o próximo será em 2016 em Belém do Pará para comemorar 400 anos da cidade. Em âmbito Internacional, em que deve haver a organização da Santa Sé sempre há também grande representação dos países do mundo católico.

O primeiroCongresso Eucarístico Internacional, começou com uma proposta de Marie Marthe Tamisier de Touraine, sob a organização e dos esforços de Mons. Louis Gaston de Segur, com a co-participação do industrial Philibert Vrau. Teve a aprovação do papa Leão XIII (1879-1903) e realizou-se na Universidade de Lille, França, com a presença de 800 pessoas da França, da Bélgica, da Holanda, da Inglaterra, da Espanha e da Suíça.

Os Congressos nasceram "para acender em todos o fogo celeste que Cristo trouxe à terra e que quer acender, sobretudo por meio da Eucaristia", afirmava o papa Leão XIII aos organizadores do 1° Congresso Eucarístico Internacional.

É um objetivo que as mais recentes orientações da Santa Sé concretizam em três direções: Uma catequese mais intensa - sobre a Eucaristia, especialmente enquanto mistério de Cristo, vivo e operante na Igreja;  Uma participação mais ativa - na sagrada liturgia, que promova a religiosa escuta da Palavra de Deus e o sentido fraterno da comunidade; Uma busca atenta de iniciativas e uma cuidadosa realização de obras sociais - que favoreçam a promoção humana e a devida comunhão de bens, inclusive temporais, a exemplo da comunidade cristã primitiva, de modo que a mesa Eucarística seja o centro difusor do fermento do Evangelho. (Aliás esse gesto ficou marcado para sempre em nossa Arquidiocese, pois sempre em Corpus Christi, junto com a celebração do Mistério Eucarístico recolhemos os alimentos para os pobres).

Este enunciado deixa facilmente perceber que um Congresso Eucarísticonão se pode resumir apenas a uma semana de palestras, de adorações ao Santíssimo, celebrações festivas da Eucaristia, encontro e convívio de pessoas de muitas nações, raças e cores, nem a um acontecimento passageiro, ainda que grandioso e espetacular, nem a alguns milhares de pessoas com possibilidade de se deslocarem a qualquer parte.

O fundamental dum Congresso Eucarístico consiste antes numa caminhada evangelizadora que as pessoas e as comunidades são chamadas a fazer, para que a Eucaristia se torne "mistério de fé", "mistério de doação", e "fonte de Liberdade".

Em 1955 a cidade do Rio de janeiro foi sede do XXXVI Congresso Eucarístico Internacional. Porém, logo de início, surge uma curiosidade. Na época, não havia onde receber os milhares de fiéis que viriam de todo o mundo, dos estados brasileiros e da própria cidade para assistir a esse acontecimento. Aqui foi utilizado o aterro do Flamengo que estava acontecendo. “A primeira fase do aterramento foi entre a Rua Santa Luzia e o Passeio Público. Assim essa região foi transformada na Praça do Congresso. Ali, em confessionários improvisados, fiéis de todo mundo podiam contar seus pecados e receber a absolvição”. Para o Congresso, uma imagem de Nossa Senhora Aparecida veio do Santuário de Aparecida do Norte de trem.

A fé arrastou multidões para o local, com capacidade prevista para 1 milhão e 220 mil pessoas. Durante uma semana, a cidade se voltou para os mistérios divinos, acompanhando as procissões, a chegada de Nossa Senhora de Fátima, vinda de Portugal, dos cardeais, dos peregrinos de inúmeros países com suas vestimentas tradicionais. Ou seja, um espetáculo de louvor religioso ao qual ninguém ficou indiferente, mesmo os que professavam outra fé.

“Na abertura do Congresso, o presidente Café Filho fez uma saudação aos peregrinos. No dia 24 de julho, o Papa Pio XII mandou uma mensagem, por rádio, aos fiéis reunidos no Rio. O representante de Sua Santidade foi o Cardeal Dom Bento Aloisi Masella, que veio de navio da Itália, desembarcando na Praça Mauá.” Na ocasião era Arcebispo do Rio de Janeiro o Cardeal Dom Jaime de Barros Câmara. As gravações de voz e os textos desse Congresso se conservam até hoje. Esse Congresso foi um marco em nossa história!

Ao completar os 60 anos da celebração deste grande Encontro mundial da Eucaristia, relembro uma frase do Papa Pio XII que me marcou ao ler sua mensagem que na época foi via a rádio: “E vós em particular, os que no céu da pátria vedes brilhar o Cruzeiro, aceso pelo Criador, como a lembrar-vos constantemente que sois “Terra de Santa Cruz”, povo à sombra da cruz nascido, organizado em nação à volta do altar e do trono eucarístico, que na Eucaristia encontrastes as melhores energias para “fazer cristandade” e para assegurar com feitos memoráveis a integridade de pátria e a unidade da fé, que vos encontrais aí, na Cidade de São Sebastião, fundada ao pé do altar do Senhor, e, quase antes de nascer, salva para a fé católica mais pelo valor haurido na comunhão, que pela força das armas, vós singularmente deveis voltar a vossos lares, decididos a ser paladinos do Rei eucarístico sempre e por toda a parte, tanto na vida individual como na familiar, tanto na social e civil como na vida pública; para que o Redentor e Rei divino, não só de direito, mas de facto, reine em quantos corações palpitam do Amazonas ao Prata, estabelecendo em todos o seu reinado de paz e amor, de justiça e santidade, que só assim será, mesmo temporalmente, segundo as divinas promessas, reino de  “Ordem e Progresso” , de tranquilidade e concórdia e prosperidade verdadeiras” (Discurso do Papa Pio XII em ocasião do Congresso Eucarístico do Rio de Janeiro- 24/07/1955).

Ao relembrar esta data tão querida de todo o povo carioca convido para participar da Eucaristia no dia 26 deste mês na Praça Paris. Queremos louvar ao Senhor por esse belo momento e agradecer pelos dons e nos comprometer para o futuro. O nosso predecessor D. Sebastião Leme já tinha criado o Santuário de Adoração Perpétua na Igreja de Santana. Por isso uma feliz continuidade com todo esse movimento Eucarístico, e mesmo para nos preparar para o próximo Congresso Eucarístico Nacional convido toda a nossa Igreja Arquidiocesana a não se descuidar, que na Igreja da Adoração Perpétua, no Santuário de Santana, no Centro do Rio de Janeiro, durante as vinte e quatro horas de todos os dias, Jesus Eucarístico está exposto esperando pela nossa adoração. Venite adoremos!

Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro